Socialista Morena
Politik

Governo brasileiro prometeu oferecer asilo a Julian Assange, diz pai de ativista preso

John Shipton fica perplexo ao saber sobre as vendas de joias e relógios por Bolsonaro e sugere que ele abra uma loja de penhores

O pai de Julian Assange. John Shipton, em Brasília. Foto: Cynara Menezes
Cynara Menezes
22 de agosto de 2023, 19h11

No Brasil para o lançamento do documentário Ithaka: A Luta de Assange, que estreia nos cinemas no próximo dia 31 de agosto, o pai de Julian Assange, o aposentado australiano John Shipton, de 76 anos, disse que o governo brasileiro irá negociar com o Reino Unido uma oferta de asilo para o ativista, preso desde 2019 em Londres. A promessa teria sido feita a ele por Nilmário Miranda, assessor especial do Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania.

Se a promessa se concretizar, o governo Lula estará atendendo assim ao pedido feito por 3200 cientistas, jornalistas, professores, sindicalistas e lideranças da sociedade civil em carta que foi entregue ao presidente em julho pelo presidente da SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência), Renato Janine Ribeiro. Nela, as personalidades solicitavam a Lula seu apoio, providências legais e diplomáticas no sentido do Brasil conceder, da forma mais ágil possível, asilo político a Assange.

O pai do jornalista também esteve com o ministro da Secom, Paulo Pimenta, onde declarou que atualmente Lula “é o maior defensor de Assange no mundo”. Na rede social X (ex twitter), Pimenta comentou: “Reafirmamos o compromisso do nosso governo com a sua luta, a do Assange, e o nosso compromisso com a liberdade de expressão. Defendemos quem tem coragem de buscar um mundo melhor”. Ao blog, John Shipton comentou que achou o ministro “extremamente afável”.

John Shipton também tem esperança de que o presidente dos EUA, Joe Biden, se comova com seus apelos para que o país desista do pedido de extradição de Assange. “O presidente Biden tem um filho às voltas com problemas neste momento. Acho que ele é capaz de entender o drama de outro pai com um filho com problemas. É o que eu peço a ele, de um pai para outro”, disse.

Ele contou que, embora em situação melhor do que na época da pandemia, Assange continua com a saúde frágil após quatro anos encarcerado. Shipton acha que o documentário pode ajudar as pessoas a entenderem melhor a situação do jornalista e ativista, apesar de a equipe não ter sido autorizada a filmar dentro do presídio. Quando ele visita o filho, é colocado numa sala junto com outros presos recebendo visita, com muito barulho ao redor.

Pergunto para o pai de Assange se ele se sente triste em ver o filho há tanto tempo longe das ruas –antes de ser preso, o jornalista passou sete anos na embaixada do Equador em Londres. “Não faz sentido ficar triste”, ele responde. “Você somente luta”. Quero saber o que os dois vão fazer quando o filho for libertado. “Vamos tomar uma taça de vinho, comer um churrasco com amigos, ouvir música e bater papo.”

A pulseira que Shipton ganhou dos zapatistas em Chiapas

Mas John Shipton também está curioso em saber o que aconteceu com o ex-presidente Jair Bolsonaro. “Ele fugiu?” Eu conto então para ele as últimas denúncias, que Shipton desconhecia completamente, sobre as vendas de joias e relógios que Bolsonaro recebeu de autoridades da Arábia Saudita, inclusive com a participação de um general. O pai de Julian Assange parece perplexo, sem conseguir acreditar.

E solta essa: “Ah, então ele pode abrir uma loja de penhores!”

Shipton, que já foi comunista e hoje se define como socialista, demonstra desprezo por bens materiais. “Tem gente que gosta de relógio caro, né?” Eu falo que para mim joias e relógios não dizem nada, e mostro a ele a pulseira indígena no meu punho. Ele puxa a manga do terno e exibe a sua, uma pulseirinha com âmbar que ganhou dos zapatistas em Chiapas. “Me disseram que daria sorte, e eu já estou com ela há dois anos e estou vivo! Então funcionou, né?”

O pai de Julian Assange tem muito claro o porquê da perseguição ao jornalista, ironicamente acusado de espionagem quando seu “crime” foi revelar ao mundo a espionagem criminosa dos EUA sobre outros países, inclusive o Brasil. “Julian está nesta situação porque os EUA não cumpriram a lei, eles desobedeceram suas próprias leis. E a Inglaterra e a Suécia também. Se eles seguissem suas próprias leis, Julian não estaria na prisão.”

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta: 000591852026-7
PIX: [email protected]
(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Eduardo Passini em 23/08/2023 - 22h37 comentou:

Espero que Lula consiga trazer o Julian para cá, mas teria que protegê-lo já que tem muita gente por aqui sabotando nosso cotidiano.
Seria o Brasil o único país a fazer essa oferta?

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Jaques Wagner: “O Congresso ainda não entendeu que o Brasil está sob nova direção”


"Deviam ter coragem de fazer um novo plebiscito", disse o líder do governo no Senado sobre o "semipresidencialismo" que o Brasil vive hoje

Mídia

Ex-agente da CIA faz vaquinha online para comprar o twitter e expulsar Trump


Viciado no twitter, o presidente dos EUA passa o dia na rede social. Uma campanha pretende arrecadar 1 bilhão de dólares para fazer Trump parar de falar bobagem