Socialista Morena
Politik

Vai ter CPI dos atos antidemocráticos e o governo corre para conter os danos

A única hipótese para uma Comissão Parlamentar de Inquérito sobre o 8 de janeiro não ser instalada é o governo conseguir que assinaturas sejam retiradas

Estátua da Justiça é atacada em 8 de janeiro. Foto: Joedson Alves/Agência Brasil
Cynara Menezes
02 de março de 2023, 18h37

No Congresso, mesmo entre os governistas, já é dado como favas contadas que, a contragosto do presidente Lula, haverá mesmo uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar os atos antidemocráticos ocorridos no dia 8 de janeiro. Como a oposição já obteve as assinaturas para uma CPMI (Mista, ou seja, com deputados e senadores), a única possibilidade de não haver uma comissão é se houver a retirada de assinaturas, e que isso faça ocorrer o mesmo com o pedido de CPI (só com senadores).

O pedido da CPMI foi protocolado pelo deputado bolsonarista André Fernandes (PL-CE) e conta com o número mínimo de assinaturas para ser instalada: 189 deputados e 33 senadores. Na avaliação do governo, esta seria mais danosa e incontrolável, porque viraria um palco para os parlamentares mais extremistas e performáticos deitarem e rolarem, com as narrativas mais rocambolescas e apelo nas redes sociais. A “redução de danos” à vista é que, já que a CPI é inevitável, que seja a CPI do Senado, protocolada por Soraya Thronicke (União Brasil-MS).

Relator da CPI da Covid-19, Renan Calheiros já havia advertido a Lula que em relação às CPIs cabe a máxima do futebol: “quem não faz, leva”. A avaliação geral, mesmo dentro do PT, é que o governo dormiu no ponto, não traçou uma estratégia e viu, assim, uma CPMI dominada pela oposição surgir no horizonte

Avalia-se que uma CPI apenas com senadores daria mais vantagens ao governo, porque Lula conta com maior apoio na Casa e os principais cargos ficariam nas mãos de partidos aliados: o bloco liderado pelo MDB e pelo União Brasil e o bloco liderado pelo PT e pelo PSD teriam vantagem. Thronicke, como foi a autora do pedido, certamente ocuparia um cargo importante na mesa, provavelmente a vice-presidência, a exemplo do que ocorreu na CPI da Covid, cujo autor do requerimento, Randolfe Rodrigues, ficou com a vice.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), foi instado pelo ministro Gilmar Mendes, do STF, a responder em 10 dias por que ainda não instalou a CPI pedida por Thronicke, que obteve 39 assinaturas, 12 a mais que o mínimo necessário. A senadora recorreu ao Supremo tomando como precedente o que ocorreu com a CPI da Covid: na época, os senadores Jorge Kajuru (PSB-GO) e Alessandro Vieira (PSDB-SE) recorreram ao STF e o ministro Luis Roberto Barroso determinou que a comissão fosse instalada.

De acordo com o regimento da Casa, para instalar uma CPI é preciso, em primeiro lugar, ter um fato determinado –e não há dúvida que os atos antidemocráticos do 8 de janeiro são um fato determinado. Em segundo lugar, obter as assinaturas necessárias, o que também foi cumprido em ambos os pedidos. Relator da CPI da Covid-19, o senador Renan Calheiros (MDB-AL) já havia advertido a Lula e aos governistas que em relação às CPIs cabe a mesma máxima do futebol: “quem não faz, leva”.

“As CPIs têm poder de convocar, levantar sigilos, requisitar documentos e outras diligências com um alcance superlativo e maior aderência. A comissão pode convocar, um por um, os golpistas e exibi-los com o desonroso selo do fascismo”, escreveu Renan em artigo publicado pela Folha de S.Paulo no início de fevereiro defendendo a instalação da CPI. “Uma exposição pedagógica que contribui para intimidar os poucos que ainda se insurgem contra o Estado democrático de Direito. A CPI funcionaria como um Tribunal de Nuremberg profilático, mostrando ao mundo as hienas do fascismo e imunizando a democracia. Não vamos permitir que eles reproduzam a Noite dos Cristais.”

Agora é correr atrás do prejuízo e tentar convencer senadores a retirar assinaturas. Se, ainda assim, as assinaturas forem suficientes, o melhor caminho para o governo será abraçar a CPI do Senado, matando a CPMI com membros da Câmara, com potencial mais explosivo

A avaliação geral, mesmo dentro do PT, é que o governo dormiu no ponto, não traçou uma estratégia e viu, assim, uma CPMI dominada pela oposição surgir no horizonte. Agora é correr atrás do prejuízo e contar com Pacheco ganhando tempo, pedindo a reconfirmação das assinaturas –já que foram dadas na legislatura passada–, para que se obtenham desistências. Muitos dos que firmaram o documento hoje são parte do governo: o União Brasil, por exemplo, tem três ministros e vários dos seus integrantes assinaram o pedido de CPI e podem voltar atrás.

Se, ainda assim, as assinaturas forem suficientes, o melhor caminho para o governo será abraçar a CPI do Senado, matando a CPMI com membros da Câmara, tida como mais imprevisível e com potencial mais explosivo. Seja como for, na próxima semana, após a definição sobre os membros das comissões permanentes, o cenário estará mais claro. Instalada a CPI, uma nova batalha já se vislumbra no horizonte: a guerra de narrativas entre governistas e bolsonaristas nas redes sociais.

Veja mais detalhes no programa Brocou na Internet às 20h30, com Cynara Menezes.

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta: 000591852026-7
PIX: [email protected]
(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Paulo Roberto Martins em 04/03/2023 - 13h16 comentou:

O PT realmente dormiu no ponto.Não enxergou uma oportunidade para expor os fascistas e seus financiadores através da mídia e das denúncias pela CPI. Eu não vejo porque a esquerda quer fugir da raia. Vamos abraçar a briga e desmascarar os golpistas dentro de seu próprio jogo. Afinal, temos ou não temos provas e dados suficientes? Uma grande chance de arrancar a cabeça da serpente. Agora, tem de estar bem preparado. Com algumas cabeças de vento petistas participando é aí que mora meu medo!

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Uma proposta para unir o Brasil: eleição em 2016 (mas com Dilma no comando)


Se quisessem mesmo melhorar o Brasil e “limpar” a política, a mídia e a oposição ao PT teriam que, pela primeira vez na vida, ser francos, sinceros. Todos sabemos que a corrupção na política brasileira…

Politik

Conselho de Ética livrou Aécio, mas quer punir senadoras por defender trabalhadores


O mesmo Conselho de Ética que rejeitou a representação contra Aécio, flagrado pedindo dinheiro, irá analisar a denúncia contra as seis senadoras que ocuparam a mesa contra a "reforma" trabalhista