Socialista Morena
Mídia

Huck é o novo Silvio Santos –e dessa vez com as bênçãos da Globo

"Arrivista", "camelô": assim os Marinho reagiram à candidatura de um apresentador de TV à presidência em 1989. O que mudou?

O candidato Silvio Santos em seu jatinho em 1989. Foto: Orlando Brito/Os Divergentes 
Cynara Menezes
12 de março de 2021, 14h14

Em 1989, a 15 dias da primeira eleição à presidência após a ditadura militar, um apresentador de televisão decidiu aproveitar a popularidade para se catapultar candidato ao cargo mais importante do país. Ah, cruel vaticínio de Marx: a História se repete, a primeira vez como tragédia e a segunda como farsa. A sensação de que vivemos num eterno Dia da Marmota parece não ter fim.

O Silvio Santos da hora é Luciano Huck, apresentador que se projetou nos anos 1990 graças à Tiazinha, personagem vestida de dominatrix que depilava rapazes no palco nas tardes da Band. Repaginado na Globo, virou apresentador de programas “familiares” e, junto com sua mulher, a angelical Angélica, se tornou o protótipo do bom-mocismo no país. Em 2011, o casal chegou a aparecer numa capa da revista Veja sendo chamados exatamente assim.

De volta em 1989: naquele ano, a iniciativa de um apresentador se lançar na política não foi vista com bons olhos pelo todo-poderoso das organizações Globo, Roberto Marinho –aliás, ex-patrão do patrão do SBT. Em editorial do jornal O Globo, os Marinho, engajadíssimos na campanha de Fernando Collor a ponto de manipular um debate em desfavor de Lula, foram virulentos: “a pretensão eleitoral deste arrivista é uma afronta à consciência cívica da nação e deve ser imediatamente detida pelo Tribunal Eleitoral”. O que, de fato, acabou acontecendo.

Quem conta essa história é o ex-senador Marcondes Gadelha, um dos artífices da candidatura de Silvio Santos, no livro que escreveu sobre o imbróglio: Sonho Sequestrado (editora Matrix). “Se a luta era renhida no campo jurídico e político, na arena da comunicação era uma carnificina. Dr. Roberto Marinho situava a questão em termos pessoais”, narra Gadelha. “Parecia tratar-se de um problema de hierarquia social. Seria inadmissível para ele que um ‘camelô’, como se referia a Silvio, que ascendeu à vida artística pelas suas mãos, que fora cria de sua casa e engrossara o pescoço entre seus estúdios e corredores, chegasse à presidência da República e pudesse olhá-lo de cima para baixo ou tomar iniciativas sem consultá-lo.”

A imprensa como um todo, lembra o ex-senador no livro, era arrastada pela Globo em sua aversão à candidatura do apresentador, à exceção do Correio Braziliense. Marcos Sá Corrêa, editor do Jornal do Brasil, diria na bucha, em uma reunião com os apoiadores de Silvio: “Pois eu assumo. Tenho preconceito com apresentador de TV na política. Fica melhor no palco. A presidência não é lugar de gracinhas”.

Coluna do ombudsman da Folha em 1989

A “carnificina” era tal que o primeiro ombudsman da Folha, Caio Túlio Costa, apontou, em sua crítica de 5 de novembro: “Nenhuma candidatura à presidência foi tão bombardeada pela imprensa brasileira quanto a de Silvio Santos”. Caio Túlio também cogita a hipótese do preconceito com o “animador de auditório” como uma das razões para o rechaço midiático, escondido sob a desculpa de que Silvio estaria descumprindo as regras do jogo ao se lançar de última hora, embora a legislação de então permitisse –sua candidatura acabaria impugnada no TSE por falhas no registro do PMB (Partido Municipalista Brasileiro), que o lançou.

O que cacifou Huck a ser presidente? As depilações da Tiazinha? O roubo de seu Rolex, que resultou num artigo “white people problems” na Folha em 2007? O quadro Lar Doce Lar do Caldeirão? Sua aparição em fotos com personagens problemáticos que depois apaga?

“Será que o lançamento extemporâneo da candidatura de alguém como o empresário Antonio Ermínio de Moraes –ou mesmo o decrépito Jânio Quadros– provocaria reações contrárias tão virulentas como as que estão acontecendo contra Silvio Santos? Tudo indica que não”, conclui o ombudsman. O Jornal da Tarde, Gadelha conta no livro, divulga o desafio que Roberto Marinho teria feito ao presidente José Sarney, onde o preconceito aparece explícito: “Você tem 24 horas para convocar uma cadeia de rádio e TV e provar que não tem nada a ver com a candidatura daquele camelô!”

O que mudou desde então? Por que a candidatura de Silvio Santos foi rechaçada pela Globo e a de Luciano Huck não? O que cacifou o apresentador a ser presidente da República? As depilações da Tiazinha? O roubo do seu Rolex no trânsito de São Paulo, que resultou num artigo ao estilo “white people problems” na Folha de S.Paulo em 2007? O quadro Lar Doce Lar do Caldeirão? As camisetas polêmicas de sua grife de roupas? Sua aparição em fotos com personagens problemáticos que depois apaga? A interdição de sua pousada em Fernando de Noronha em 2003 pelo Ibama por problemas ambientais? Ou seu apoio declarado a Bolsonaro em 2018?

Só mesmo os arrivistas da mídia para comparar Lula a um aventureiro fardado que já demonstrou com sobras a tragédia de sua eleição (para a qual o Estadão lavou as mãos); e a outro aventureiro sem nenhuma passagem pela política ou qualquer indicativo de que possui algum talento para a vida pública

Se Silvio Santos era um “arrivista” na política, Luciano Huck também é. Espanta ver o beneplácito da mídia comercial com o segundo, a ponto de o Estadão implorar, em editorial, que ele nos “salve” de uma disputa entre Jair Bolsonaro e Luiz Inácio Lula da Silva. Ora, todo mundo sabe quem Lula é. Ele governou o país por oito anos, nos quais tivemos indicadores sociais e econômicos como nunca antes na História, para usar uma expressão consagrada pelo petista. Saiu do poder com uma popularidade de 87%.

Só mesmo os arrivistas da mídia, sem responsabilidade ou amor pelo país, para comparar Lula a um aventureiro fardado que já demonstrou com sobras a tragédia de sua eleição (para a qual o Estadão lavou as mãos, afirmando ser “uma escolha muito difícil” optar entre um professor e um energúmeno defensor da ditadura); e a outro aventureiro televisivo sem nenhuma passagem pela política ou qualquer outro indicativo de que possui algum talento para a vida pública. Loucura, loucura, loucura.

 

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(3) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Rodrigo Vidigal em 12/03/2021 - 16h32 comentou:

Prezada Cynara,

Seu artigo é sensacional. Me lembro muito da campanha de 89 com o Silvio Santos.

A luta continua.

Responder

Laerthe Abreu Junior em 13/03/2021 - 09h08 comentou:

A direita voltou à época da eleição do Collor. É uma opção deliberadamente infame, covarde e mentirosa dizer que tem medo do Lula, como se ele fosse um arrivista. Eles “esquecem” que Lula foi presidente por oito anos e não houve perseguições contra a direita, censura aos meios de comunicação, interferência nos negócios do capital.
A época de trevas que vivemos desde o golpe, que se desenrolou a partir de 2013 vai passar, como passou a ditadura militar. O mais trágico e lamentável no pensamento da direita (pensamento???) é achar que o Bolsolini substituiu a Dilma. Ora! A Dilma não governa desde 2015 quando começaram as pautas bombas comandadas pelo, este sim presidiário, Eduardo Cunha. E Temer foi muito sincero quando afirmou que o governo do Bolsolini era a continuação do seu! Nada mais verdadeiro.
Tenhamos fé e força! Vai passar! Impeachment já!

Responder

PAULO ROBERTO MARTINS em 13/03/2021 - 15h45 comentou:

Sempre a mesma coisa.Tenho 70 anos e não vejo nenhuma mudança da imprensa,dos empresários e das classes favorecidas quanto a seu comprometimento com o desenvolvimento social neste país desde que me conheço por gente.Jânio,os ditadores de 1964,Maluf,Sarney,Collor,FHC,Alkmin,Serra,Aécio,Bolsonaro.Seus “mitos” de estimação.Quando mudarão,meu Deus?

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Feminismo

JN esfrega feminicídio na cara da família brasileira –e de quem nega que ele…


(Para, horas depois, na Globo News, Bolsonaro seguir o exemplo de Alexandre Garcia e criticar a lei que tipifica o crime)

Feminismo

O lugar que a extrema-direita quer para a mulher. Ou: fotografaram o patriarcado


Nos anos PT, tínhamos uma mulher sentada na presidência da República; nos anos Bolsonaro, lugar de mulher é no colo do marido