Socialista Morena
Feminismo

Mais uma mulher é morta na capital do país, que bate recorde de feminicídios em 2023

Deylilane, de 34 anos, foi assassinada a golpes de chave de fenda pelo ex-marido após deixar o filho do casal na escola. Até quando?

Deylilane foi morta a golpes de chave de fenda pelo ex-marido após deixar o filho na escola. Foto: reprodução
Rita Andrade
04 de agosto de 2023, 14h43

O Estado é cúmplice do feminicídio.

Tá lá mais um corpo de mulher estendido no chão, mais uma família destroçada, mais órfãos… E quem é responsável? Quem está sendo condenada nessa história?

É assustador o número de feminicídios no Distrito Federal, onde fica a capital do país, em 2023. Já contamos mais mortes de mulheres este ano do que durante todo o ano passado: são 22 feminicídios até agora, contra 17 em 2022.

É assustador o número de feminicídios no DF em 2023. Já contamos mais mortes de mulheres este ano do que durante todo o ano passado: são 22 feminicídios até agora, contra 17 em 2022.  E quem é responsável? Quem está sendo condenada nessa história?

É assustador o crescente número desses crimes de ódio por todo o Brasil. As mulheres estão sendo mortas pelo simples fato de serem mulheres e se empoderarem sobre seus corpos, vontades, desejos e liberdades para escolher os caminhos que querem trilhar. Muitas vezes querem simplesmente se libertar de um ciclo de violência cheio de maus tratos, muito sofrimento e repleto de todas as formas de violências, sejam elas psicológicas, físicas, sexuais, patrimoniais e por aí vai… Tem muita dor envolvida.

Ver mais um caso, como o que aconteceu nesta quinta-feira na cidade-satélite de São Sebastião, é devastador! A auxiliar de cozinha Deylilane Alves Santos Conceição, de 34 anos, foi assassinada a golpes de chave de fenda pelo ex-marido, Gedeon da Conceição, 37, após deixar o filho do casal, de 10 anos, na escola. O homem foi preso em flagrante.

Gedeon já havia ameaçado a ex-companheira e chegou a ser preso três vezes por descumprir as medidas protetivas. Acreditamos que manter livre na sociedade um homem que descumpre as medidas protetivas de forma reincidente é pactuar com a morte da mulher que ele violava, ameaçava, agredia e que por fim matou –em depoimento à Justiça, Deylilane contou ter perdido um bebê por ter sido esfaqueada pelo então marido quando estava grávida, no Maranhão. Na época, ele chegou a ser detido, mas foi liberado dois dias depois.

Manter livre na sociedade um homem que descumpre as medidas protetivas de forma reincidente é pactuar com a morte da mulher que ele violava, ameaçava e agredia. O Estado falha em tudo quando mais uma mulher é morta com a medida protetiva na mão

Nós, feministas, defendemos que não basta punir, que é necessário um planejamento onde haja, a curto, médio e longo prazo, programas e ações para combater a violência contra as mulheres, e que haja uma integração entre os poderes, os setores da sociedade, as instituições e na execução de políticas públicas efetivas para com isso frear, previnir e parar definitivamente com essa sangria na sociedade. Mas também acreditamos que é fundamental que casos como esses, onde o homem violento descumpre a Lei e já foi preso várias vezes por ignorar as medidas protetivas, e outros casos semelhantes, devem ser vistos com mais rigor pelo poder público e pelo judiciário.

O Estado falha em tudo quando mais uma mulher é morta de uma forma tão cruel e brutal e com a medida protetiva na mão. É revoltante essa situação.

Não podemos banalizar a morte de mulheres por esses crimes de ódio de gênero. Temos que imediatamente rever o papel do Estado, essa sociedade impregnada de ódio. Algo efetivo tem que ser feito diante dessa epidemia chamada feminicídio. Estamos diante de uma calamidade pública e providências têm que ser tomadas.

Quando se mata uma mulher, se mata a humanidade.

Deylilane Alves, presente!

*Rita Andrade é militante do Levante Feminista Contra o Feminicídio.


Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

A tragédia de Lula é a tragédia dos Lula da Silva


Perseguidos desde 1989, os descendentes de Lula vivem um calvário apenas por serem filhos de quem são

Feminismo

Mais de 40 anos após Ângela Diniz, Minas continua campeã em feminicídios


Feminicídio é a causa de 87% dos assassinatos de mulheres na terra da "pantera de Minas", que inspirou a campanha Quem Ama Não Mata em 1980