Socialista Morena
Feminismo

Marinha tem agora a primeira almirante negra; ou seria “almiranta”?

Nunca se usou o feminino de "almirante" ou "brigadeiro" antes porque não havia mulheres oficiais-generais; agora existem

A contra-almirante Maria Cecilia. Foto: divulgação/Secom
Da Redação
06 de abril de 2023, 17h09

Na última terça-feira, 4 de abril, a médica Maria Cecilia Barbosa, de 58 anos, entrou para a história das Forças Armadas brasileiras ao se tornar a primeira almirante negra, promovida ao posto de oficial-general em cerimônia no Palácio do Planalto. “Me sinto bastante orgulhosa e feliz por estar representando uma parcela grande da tripulação da Marinha, que é a parcela feminina”, declarou a contra-almirante Maria Cecilia.

Maria Cecilia foi uma das primeiras mulheres a ingressar na Força após a criação, em 1980, do Corpo Auxiliar Feminino da Reserva, formado pelo Quadro Auxiliar Feminino de Oficiais (QAFO) e pelo Quadro Auxiliar Feminino de Praças (QAFP). Até então, só homens eram permitidos nas três Forças Armadas. Em 1982, as mulheres passaram a ser aceitas na Aeronáutica, também em cargos administrativos.

Apenas 17 anos depois, em 1997, as mulheres da Marinha obtiveram igualdade de condições com os homens e passaram a integrar os respectivos Corpos e Quadros existentes para o sexo masculino, o que possibilitou o ingresso delas como Oficiais nos Corpos de Engenheiros e de Intendentes da Marinha, e nos Quadros de Médicos, de Cirurgiões-Dentistas, de Apoio à Saúde e Técnico. Um ano antes, em 1996, a Aeronáutica havia autorizado o ingresso das primeiras cadetes e as mulheres ganharam a oportunidade de ascender todos os postos, até o de brigadeiro. Atualmente a Força Aérea é a que mais tem mulheres: entre temporárias e de carreira, são mais de 14 mil.

Antes de Maria Cecília, somente duas outras mulheres haviam alcançado o posto de almirante –posto máximo da Marinha. A primeira havia sido a médica Dalva Maria Carvalho Mendes, em 2012. Em 2018, a Marinha promoveu ao posto de contra-almirante a engenheira Luciana Mascarenhas da Costa Marroni. Na Aeronáutica, uma mulher se tornou oficial-general pela primeira vez em 2020, quando a diretora do Hospital Central da Aeronáutica (HCA), a médica Carla Lyrio Martins, foi promovida ao posto de brigadeiro.

Dilma com Dalva, a primeira mulher almirante, em 2012. Foto: Roberto Stuckert/PR

Já o Exército continuou a ser um “clube do Bolinha” até 2012, quando a presidenta Dilma Rousseff sancionou a lei que ampliou a participação feminina na Força: após 20 anos dedicadas a cargos técnicos, atuando na Saúde, na Educação e na Informática, as mulheres passaram a ter a possibilidade de integrar o quadro de combatentes. Mas o Exército ainda teve cinco anos para se adaptar à nova realidade; só em 2027 teremos as primeiras mulheres a ser promovidas a generais.

Na Marinha, elas continuam avançando: este ano ocorreu o ingresso das primeiras mulheres na Escola de Aprendizes-Marinheiros de Santa Catarina (EAMSC), o acesso da primeira turma de alunas no Colégio Naval e é a primeira vez que mulheres poderão prestar concurso para Soldados Fuzileiros Navais. Até 2024, estarão incluídas em todos os Corpos, escolas e centros de instrução da Força.

Só o Exército continuou a ser um “clube do Bolinha” até 2012, quando Dilma sancionou a lei ampliando a participação feminina. Que venham as almirantas, brigadeiras e generalas! Também nunca houve ministra da Marinha, Exército ou Aeronáutica. Fica a dica

“A Marinha dá essa possibilidade de ingressar no corpo de saúde, como foi o meu caso, e concorrer com o sexo masculino em todos os níveis. Eu fui a terceira mulher a se tornar almirante e acredito que agora as portas vão ficar mais abertas porque tem um grande número de mulheres oficiais nesses quadros de acesso para o generalato”, disse Maria Cecilia, que atualmente ocupa o cargo de diretora do Departamento de Saúde e Assistência Social da Secretaria de Pessoal, Saúde, Desporto e Projetos Sociais do Ministério da Defesa.

Ela comentou também o fato de ser a primeira mulher negra a alcançar o posto. “Sou da Marinha há 28 anos. Amo minha profissão e amo a Marinha do Brasil. Naturalmente, as coisas foram acontecendo. Nessa instituição não existe preconceito de nenhuma forma, nem pelo sexo, nem pela raça. Todos têm iguais capacidades de competir e de crescerem e se posicionarem na profissão e na carreira militar. Desde o ingresso até hoje, me sinto muito realizada na profissão e dentro da instituição.”

Nós perguntamos: e por que não ALMIRANTA? Segundo o dicionário Houaiss, o termo “almiranta” existe, mas é aplicado à “nau a bordo da qual o almirante de uma força naval içava a sua insígnia (era a segunda nau, logo abaixo da capitânia, onde estava embarcado o capitão-mor da Armada)” e também à esposa do almirante.

Ora, não havia o feminino de “almirante” antes porque não havia mulheres oficiais-generais da Marinha. Agora, existem. O mesmo vale para as mulheres nos postos de brigadeiro ou general: que venham as brigadeiras e generalas! Atualmente, não se usa o feminino em nenhum posto militar: a mulher que ocupa o posto de capitão é chamada de “a capitão”, embora exista a palavra capitã (assim como estão dicionarizados “soldada”, “sargenta” e “coronela”).

Também nunca existiu na História do país uma ministra da Marinha, Exército ou Aeronáutica. Fica a dica.

Com informações da Secom, da Aeronáutica e da Marinha


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta: 000591852026-7
PIX: [email protected]
(2) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Caronte em 18/04/2023 - 14h23 comentou:

Hummmmm, que lindo, não? Que legal que o sistema das desigualdades (o capitalismo) promova ele mesmo a “reparação” por cotas (nem sempre proporcionais) dos excluídos, que sem perceberem, se associam aos opressores para reproduzirem novas diferenças, empurrando outros para baixo…

Fica a dúvida: Se regina duarte (assim, com letras minúsculas, do tamanho dela) fosse oficial da marinha, a fosse promovida, as feminazi estariam satisfeitas? E a Micheque, faz parte das cotas feministas?

Fico com o Adolph Reed Jr, cientista (político) estadunidense:
https://www.newyorker.com/news/annals-of-inquiry/the-marxist-who-antagonizes-liberals-and-the-left

Também se aplica a vocês…

Responder

Caronte em 19/04/2023 - 11h35 comentou:

“Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.”

Olha, se você diz que há moderação e o que não será aceito, se houver algo com o sentido proibido, sim, é sua responsabilidade (solidária) SIM, senhora…

Este aviso acima só faria (algum) sentido se não houvesse moderação.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Direitos Humanos

Como os bandeirantes paulistas destruíram o Quilombo dos Palmares e mataram Zumbi


Qual seria o interesse da direita em desmerecer os quilombos como sociedades em que os negros podiam ser livres do domínio branco, chefiados por si mesmos e com suas próprias regras e leis?

Cultura

Por que nos EUA não tem batucada?


Por que a música dos negros norte-americanos é tão diferente da música brasileira, de Cuba, do Caribe?