Socialista Morena
Cultura

Marx vai ao cinema: “Coringa” e a luta de classes

Filme sobre o arqui-inimigo de Batman leva a revolta popular contra a burguesia para as ruas sombrias de Gotham City

Joaquin Phoenix como Coringa. Foto: divulgação
Guilherme Coutinho
07 de outubro de 2019, 16h29

***ATENÇÃO: este texto contém spoilers***

Logo no início do primeiro capítulo do Manifesto do Partido Comunista, escrito por Karl Marx e Friedrich Engels em 1848, consta um dos mais célebres conceitos sobre o comunismo: “Até hoje, a história de todas as sociedades é a história das lutas de classes”.

Depois do Manifesto, o mundo não seria o mesmo, ainda que outras obras, como O Capital, também da dupla de filósofos, tenham contribuído de forma contundente para as revoluções socialistas que ocorreram várias décadas depois, transformando, de forma irreversível, a relação entre os meios de produção e a burguesia com o proletariado.

No filme Coringa, de Todd Philips, com Joaquin Phoenix no papel título, talvez Arthur Fleck fosse mais um anônimo, um excluído da sociedade em meio à luta de classes, que aparece como pano de fundo de toda a obra. Como milhares de outros menos afortunados, o personagem tem uma precária condição social e uma conjuntura psiquiátrica que o colocam, diretamente, no lado menos favorecido da sociedade.

Na trama, os lixeiros estão em greve por viverem na miséria, e a população, sobretudo os 'menos afortunados', se encontra em estado de revolta, não apenas contra o governo, mas contra a burguesia, num local com um visível abismo econômico e social

Phoenix conduz –de forma genial, diga-se de passagem– o derrotado palhaço que sonha ser comediante, em um dos mais enigmáticos, cultuados e psicologicamente complexos personagens da história do cinema. Afinal, pode ser uma das raras vezes em que dois atores são premiados com o Oscar pela interpretação do mesmo personagem (Heath Ledger levou o prêmio máximo da academia em 2009, interpretando o Coringa em The Dark Knight). O palhaço, certamente muito mais que seu arqui-inimigo Batman, extrapolou o mundo dos quadrinhos para permear, de vez, o mundo da sétima arte: o filme venceu o Leão de Ouro, prêmio máximo do Festival de Veneza.

O filme se ambienta na cidade fictícia de Gotham City, no início dos anos 1980. Na trama, os lixeiros estão em greve por viverem na miséria, e a população, sobretudo os “menos afortunados”, para usar um termo da própria película, se encontra em estado de revolta, não apenas contra o governo, mas contra a burguesia, num local com um visível abismo econômico e social.

Para entender a estética do filme, do que não pretendo tratar diretamente nesse texto, é extremamente aconselhável que o expectador tenha lido Alan Moore, o mago dos quadrinhos que criou a história canônica do personagem, no clássico A Piada Mortal, e visto os filmes dirigidos por Martin Scorsese, que têm o estilo de direção assumidamente tido como referência para O Coringa.

Ao assassinar três milionários no sombrio metrô de Gotham, o palhaço passa a ser considerado, por parte da população, como um vigilante. A população, em estado de revolta, começa a ter como referência o palhaço sociopata em seus ideais revolucionários

A direção de Todd Philips, sobretudo, nos remete imediatamente a Taxi Driver, de 1976, estrelado por Robert De Niro, que, com um papel menor em Coringa, mas com seu habitual brilhantismo, atua como alusão viva a Scorsese. Curioso é que o diretor norte-americano causou polêmica recentemente ao declarar que os filmes da Marvel “não são cinema” –o que nos faz concluir que Coringa, da arqui-rival DC, é cinema.

O principal antagonista do Homem-Morcego não é exatamente um comunista que pretende liderar uma sublevação popular. Aliás, talvez o protagonista seja a mais clara expressão do anarquismo. Mas, ao assassinar três milionários no sombrio metrô de Gotham, o palhaço passa a ser considerado, por parte da população, como um vigilante. Um vilão que se transforma em um anti-herói no decorrer do filme. A população, em estado de revolta, começa a ter como referência o palhaço sociopata em seus ideais revolucionários.

“Matem os ricos”, estampa a capa de um jornal no dia subsequente aos assassinatos. E logo a população toma as ruas, com os lemas de “somos todos palhaços” e “morte à burguesia”. A população, que admira o cruel ato do protagonista, não deixa de lembrar, novamente, Alan Moore em uma de suas mais célebres obras, V de vingança. O povo mascarado, dessa vez como palhaço, toma as ruas, saqueando lojas e enfrentando a polícia, com um ideal por trás de seus atos.

Impossível não lembrar também da recente história brasileira protagonizada pelos chamados “black blocs”. A população mais pobre, literalmente, pede a cabeça da burguesia, iniciando, talvez sem perceber, uma luta real de classes, com o proletariado à frente das ações. Atos de vandalismo e confrontos com a polícia nos trazem à memória as cenas que vimos nos jornais, em 2013, no Brasil.

Mas, em Gotham, o movimento segue até o final, sem ser capitaneado pela direita ou qualquer movimento político que não seja a luta contra a burguesia. Coringa passa a ser uma referência ainda maior para os palhaços mascarados que tomam as ruas, ao assassinar, ao vivo, um famoso apresentador de televisão que o havia convidado para ser uma bizarra atração de seu programa.

A luta de classes por trás da história central é clara e nítida. Como no Brasil tivemos os mascarados black blocs, Gotham tem uma legião de mascarados que, sem o maniqueísmo clássico entre o bem e o mal dos filmes baseados em HQs, promove uma violenta revolução social

Claro que estamos tratando de uma obra de ficção, mas a luta de classes por trás da história central é clara e nítida. Como no Brasil tivemos os mascarados black blocs, Gotham tem uma legião de mascarados que, sem o maniqueísmo clássico entre o bem e o mal dos filmes baseados em quadrinhos, promove uma violenta revolução social. Naturalmente, o filme recebeu diversas críticas negativas pela ousadia do roteiro.

Em setembro, Phoenix abandonou uma entrevista ao jornal britânico The Telegraph após o repórter perguntar se o filme não acabaria “inspirando exatamente o tipo de pessoa de que a história trata, com resultados potencialmente trágicos”. O ator acabou retornando e respondendo que isso nunca havia lhe passado pela cabeça.

Uma semana após seu lançamento, Coringa se tornou sério candidato a ser o mais bem sucedido filme baseado em HQ da história. Em sua estreia, bateu recorde de bilheteria nos EUA, atingindo 93,5 milhões de dólares, segundo a revista Variety. A atuação de Phoenix, uma unanimidade entre os críticos, muda, para sempre, um dos mais complexos personagens do cinema. O roteiro é primoroso e transporta a luta de classes para as ruas de Gotham City. De Moore a Marx, história e ficção se misturam de forma genial no filme. Realmente imperdível.

 


(9) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Adler meets Frankl em 13/10/2019 - 08h48 comentou:

Vi o filme. Excelente. Que fotografia linda, ultra noir.

Acho que ele trata de dois temas gerais: doença mental e gentileza (ou a falta dela).

Não tem nada de “incel” ou “luta de classes”. Isso é coisa de ativista e ressentido político que transformou algumas categorias acadêmicas em mania própria.

Ao ir ao “show do Murray” o Joker deixa claro do princípio que os protestos de rua com o tema do “palhaço” são uma bobagem para ele.

O ponto central é simples: trate todas as pessoas muito bem todos os dias. Você pode ser mais um cretino na vida de quem só está sujeito a cretinos. E um dia a corda arrebenta. Não em um ataque terrorista ou motim (muito menos revolução), mas em tristeza, depressão, indigência e suicídio silencioso.

Assim como o sexo oposto não é uma obsessão do personagem. A vizinha se torna objeto de delírio apenas porque ela é a única pessoa que o trata com o mínimo de afeto e descontração.

Carry on.

Responder

Hugo César em 15/10/2019 - 18h48 comentou:

Excelente leitura, compartilho totalmente.
O filme trata de insanidade, caos, tristeza, solidão, etc, mas nada, nada, relacionado à luta de classes ou algo do gênero.

Responder

Renata Vieira em 17/10/2019 - 09h12 comentou:

Concordo contigo Cynara! O filme mostra claramente uma luta de classe. Uma LUTA, literalmente! É muito bem contextualizada desde o comecinho do filme, mostrando a situação de caos em que estão vivendo os cidadãos da periferia em contraste com o luxo da burguesia nas suas mansões!

Responder

Carletto em 18/10/2019 - 20h56 comentou:

Nem de perto isso é ideal. Marx conseguiu acabar com tudo. Não tem a minima de graça o que ele fez com a educação ou com qualquer outra coisa que venha dele.
Crenças baseadas nele, afogam o ser humano num abismo sem fim.
Tudo que ele se baseou, virou um nada.

Responder

Carletto em 18/10/2019 - 21h00 comentou:

Não tem nada de igual. Toda a sua luta para ser normal acaba em tragedia. Sua paixão por algo somente o fez cair em um labirinto escuro onde pessoas com problemas psicológicos entram. É o começo do fim para aqueles que não tem tratamento adequado. O filme mostra que pessoas com problemas… acabam com mais problemas e causando muita dor em outras pessoas. Pessoas problemáticas causam mais problemas.

Responder

Daiane em 19/10/2019 - 13h35 comentou:

Somente um completo alienado para não vislumbrar a luta de classes do início ao fim do filme. Se abrir os olhos, notará o estrago que esse sistema insano provoca, hoje, nós outros, amanhã, em vc! Aos cães de guarda da Casa-grande: Marx presente!

Responder

Ricardão em 25/10/2019 - 17h37 comentou:

Esperava seu comentário do filme. E pq um filme dos EUA criticando o capitalismo em crise desde 2008 e q arrasta, sufoca, menta, mata democracias na AL e agora no Brasil? Uma clara alusão a quebra de 1930. Mas n há um new deal e nem um roosevelt nem um Vargas(ele foi preso). O filme fala mesmo q é preciso fazer algo, e o socialismo virá, até por aquele q anestesiado pelo ódio da burguesia n liga pra igualdade, coletivo, himanidade. Se Coringa foi o bom moço até a loucura lhe tomar o juízo? Como será batman?

Responder

Lu Freitas em 01/11/2019 - 09h48 comentou:

filme “CORINGA” é magistral. A ideia maniqueísta que sempre definiu os lugares do CORINGA e do BATMAM no imaginário popular é esfacelada de forma desconcertante diante do telespectador. Ambos são inseridos num contexto urbano e social reais, mas dissimulados na Gotan City dos quadrinhos. O filme denuncia a luta de classes dentro do sistema excludente em que vivemos. Mas, ao mesmo tempo, também o dissimula por trás da loucura de Arthur e do caos social que se segue, pra o qual, o Coringa foi o estopim. É neste caos que o sistema forja a troca de posições no imaginário do povo, criando o “herói” dos ricos e o “bandido” dos pobres como os quadrinhos querem que o conheçamos. Putz! Nunca mais verei BATMAM como antes.

Responder

Ana Lopes em 02/11/2019 - 09h45 comentou:

Muito boa a sua análise do filme e muito interessante os referenciamentos que fez com outros filmes, com o HQ V de vingança, com os Black blocs e com o manifesto comunista. Mas, vc esqueceu ou não percebeu que o filme faz uma homenagem e referência direta ao Charles Chaplin em dois momentos muito sensíveis para o Arthur. No primeiro, qdo ele vai encontrar o seu suposto pai em um cinema em que Chaplin está sendo exibido e lá fora há uma multidão de palhaços. No segundo, qdo ele vai encontrar-se com o apresentador humorista que é seu grande ídolo. Ao entrar no palco toca ao fundo a famosa musica do Chaplin. Será que apenas eu percebi a conexão centre Chaplin e o Coringa? Ambos personificaram um palhaço que leva uma vida miserável e estão na margem da sociedade que separa os ricos dos menos afortunados.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cultura

Padilha diz ter sido extremamente fiel aos fatos em filme sobre sequestro de avião


"A verdade não precisa de defesa, a mentira precisa", disse o cineasta em Berlim ao lançar Sete Dias em Entebbe, que estreia no Brasil

Cultura

Os muquiranas do conhecimento


Ser contra as cotas raciais ou para estudantes das escolas públicas é ser um pão-duro do saber, um mão-de-vaca da cultura