Socialista Morena
Direitos Humanos

Minha vizinha vai morrer

Será mais uma vítima da violência doméstica, do cinismo e da pouca importância que damos para a vida da mulher brasileira

"The Bottle", gravura de George Cruikshank, 1847
Willian Novaes
18 de fevereiro de 2021, 16h39

Minha vizinha vai morrer. Será mais uma vítima da violência doméstica, do cinismo e da pouca importância que damos para a vida da mulher brasileira. Ela berra, xinga, implora para o marido parar de bater. Ele para assim que ela e as filhas pequenas choram e saem gritando pelos corredores e escadas.

Não sei bem onde essa família mora, mas é perto, ouço os pratos quebrarem, móveis caindo e o choro dessa mulher e das suas pequenas filhinhas. Essa vítima é provavelmente da minha idade, imagino quem seja, vejo a tristeza nos encontros no estacionamento. O porteiro me disse que o pai do agressor é costa quente. Chove de polícia quando eles brigam. Todos nós já denunciamos à administração do condomínio. O agressor sei quem é, não olha nos olhos, sempre olha pro chão. Sempre corre pra algum lugar após bater na moça de olhos claros e tristes.

1.314 mulheres mortas em 2019, uma a cada 7 horas, em bairros ricos, mais ou menos e pobres, e esse cenário tende a piorar, infelizmente. Torço para não encontrar qualquer dia desses com o pessoal do IML no elevador, vindo buscar o corpo da minha vizinha que tanto sofre

A minha vizinha parece que sabe que vai morrer. Me disseram que eles mudaram do condomínio, mas ontem dei de cara com ela na portaria, envergonhada, agora ela também anda de cabeça baixa, não fala com ninguém, não responde um bom dia. Descobri ontem que ela carrega um bebê de colo, pequeno, minúsculo, lindinho. Ele já sofre como as suas irmãs maiores.

Minha vizinha, infelizmente, pode ter o mesmo fim que a irmã do meu querido amigo santista teve, no último final de semana ela foi jogada embaixo de um caminhão. Ela morreu na hora, aos 38 anos, quase da minha idade, deixou três filhas, uma mãe e irmãos sem chão, sem vida, sem entender nada. Um ex-namorado que ninguém chegou a conhecer, teve a coragem de fazer o que fez. Hoje dorme numa cela fria e olha pra parede e não se arrepende do que fez.

Óh mundo cruel! Que ficou ainda mais fétido com a morte de uma outra mulher, que também morava pertinho de casa, estamos falando de um bairro de classe média, na zona oeste paulistana, onde supostamente o mundo é mais tranquilo, só que não, as minas morrem do mesmo jeito.

O porteiro me disse que o pai do agressor é costa quente. Chove de polícia quando eles brigam. Todos nós já denunciamos à administração do condomínio. O agressor sempre corre pra algum lugar após bater na moça de olhos claros e tristes

Esse caso é triste, escandaloso, absurdo, após o Palmeiras vencer o meu Santos, no dia 30 de janeiro, na final da Libertadores, Érica, uma empresária jovem, de 34 anos, também quase da minha idade, mãe de gêmeos, foi tirar um barato, zuar, brincar com o marido corintiano, o Leonardo, de 34 anos. Ele não aguentou a brincadeira e a matou a facadas, simplesmente tirou a sua vida por isso, um absurdo e para piorar o pai do homicida, no dia do velório da palmeirense, invadiu o seu apto e roubou televisões, joias e mais uma vez aniquilou a memória da vítima com uma crueldade típica dos dias atuais. O assassino foi preso em flagrante e ainda disse que a mulher tentou matá-lo. O sogro da vítima é investigado por roubar. Falar mais o que…

É o Brasil de Bolsonaro, 1.314 mulheres mortas em 2019, uma a cada 7 horas, em bairros ricos, mais ou menos e pobres, e esse cenário tende a piorar, infelizmente, qualquer dia desses torço para não encontrar com o pessoal do IML no elevador do prédio, vindo buscar o corpo da minha vizinha que tanto sofre.

 


(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

PAULO ROBERTO MARTINS em 22/02/2021 - 16h29 comentou:

Estes covardes podem e devem ser confrontados.Uma mulher pode se defender,usar de qualquer artificio,forma,maneira para mostrar que não irá aceitar esta situação.Muitas mulheres só conseguem acabar com esta pancadaria quando,num rompante,respondem às agressões e baixam a lenha num filho da puta desses.Conheci uma que ameaçou matá-lo durante o sono ou colocar veneno em sua comida.Pronto! O canalha pegou rumo e é ele que vive apavorado.A mulher pode ser fisicamente mais fraca,mas existem maneiras de suplantar isto.Todo covarde tem medo da reação de sua vitima.Mulheres,experimentem!

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Feminismo

Rosário: “derrotar Bolsonaro é derrotar cada agressor de mulheres do país”


Ministro Marco Aurélio Mello, do STF, negou recurso de Bolsonaro contra indenização de 10 mil reais à petista

Politik

Violência doméstica mata cinco mulheres por hora no mundo


Da ActionAid: Cinco mulheres são mortas a cada hora no mundo por um parceiro ou parente, de acordo com um relatório divulgado pela ActionAid. Para ler o relatório completo, clique aqui. Os dados são resultado de uma…