Socialista Morena
Cultura

Na trilha de Bolsonaro, governo do DF promove o desmonte da cultura

Espaço Cultural Filhos do Quilombo, que existia há 15 anos na cidade-satélite de Ceilândia, foi derrubado pelo governo Ibaneis

Trator do GDF destruindo o Espaço Filhos do Quilombo. Foto: reprodução
Rita Andrade
05 de maio de 2022, 14h51

Sofremos mais um racismo institucional, mais um ataque à nossa cultura esta semana em Brasília. Mais uma casa de matriz africana que desenvolvia seus projetos através da prática da capoeira foi literalmente tratorada. Na quarta-feira, 4 de maio, foi derrubada, por ordem do governo do Distrito Federal, o Espaço Cultural Filhos do Quilombo, comandado havia mais de 15 anos pelo contra-mestre de capoeira Lagartixa, um premiado agente cultural por seu trabalho de levar acolhimento e inclusão social à comunidade periférica da cidade-satélite de Ceilândia.

Mestre Lagartixa desenvolvia nesse espaço um trabalho com pessoas em estado de extrema vulnerabilidade e utilizava a capoeira e a cultura popular como instrumentos de formação, além de desenvolver um trabalho de inclusão social voltado a pessoas com deficiência. O Filhos do Quilombo, que já foi diversas vezes premiado, recebeu em 2018 o prêmio Cultura Viva, homenagem realizada pela Secretaria de Cultura do Distrito Federal, e teve seu mestre agraciado com  a medalha do Mérito Dignidade Humana, concedida pela SUBAV (Secretaria de Apoio às Vítimas de Violência), órgão da Secretaria de Estado de Justiça e Cidadania, em reconhecimento aos  serviços prestados à sociedade brasileira. O Estado premia e o mesmo estado derruba o espaço!

Há 12 anos, vi o terreiro de umbanda da minha família, Templo Umbandista da Cabocla Jurema, entre Sobradinho e Planaltina, ser derrubado desta mesma forma. Hoje vejo que essa prática se repete, sem explicações ou comunicação do GDF. O ponto de cultura foi derrubado sem aviso prévio e com tudo dentro, atabaques, berimbaus e muitas histórias. Como nos sentimos vulneráveis, desprotegidos e impotentes diantes desses “tratores”…

A meu ver, isso configura o Estado racista trabalhando, derrubando terreiros, casas históricas como a Casa da Dona Negrinha em Planaltina, e agora derrubou um quilombo urbano, que faz exatamente o que o governo deveria fazer, que é atender aos jovens e a comunidade da periferia. Isso é intolerância religiosa, é racismo e perseguição social. O Estado se diz laico, mas na prática não é. O Estado tem o dever de proteger os vulneráveis, mas não o faz.

No mesmo momento que Bolsonaro veta as leis Paulo Gustavo, Aldir Blanc II e Orlando Brito, sofremos essa violência por parte do governo Ibaneis. Seguimos com a nítida sensação de estar sendo atacados por todos os lados, mas continuamos firmes no combate ao racismo estrutural

Sem uma política pública efetiva de apoio e segurança, os espaços de cultura que desenvolvem atividades de  assistência social estão abandonados. Vemos essas casas caindo aos pedaços, como o Conjunto Fazendinha na Vila Planalto, no centro da capital brasileira, ou sendo atacadas pela intolerância religiosa e racista empoderada pelo desgoverno Bolsonaro, contra a cultura de matriz africana, como é o caso do terreiro de candomblé Xaxará de  Prata, também em Planaltina.

No mesmo momento que vemos Bolsonaro vetar as Leis Paulo Gustavo, Aldir Blanc II e Orlando Brito, sofremos mais essa violência por parte do governo Ibaneis Rocha. São incontáveis os ataques à cultura. Seguimos com a nítida sensação de que estamos sendo atacados por todos os lados e em todas as direções, mas somos conscientes da nossa importância, continuamos firmes no combate ao racismo estrutural e na certeza de que é preciso fazer com urgência esse debate e essa luta em todas as instâncias da sociedade.

Minha solidariedade à comunidade Filhos do Quilombo. Não vamos silenciar!

“Eles combinaram de nos matar, mas nós combinamos de ficar vivos!”

*Rita Andrade é artivista feminista, representante da sociedade civil no Conselho Nacional de Política Cultural e presidente do Conselho de Curadores da Fundação Brasileira de Teatro. É artista educadora graduada pela Faculdade de Artes Dulcina de Moraes, pós-graduada em Desenvolvimento Humano de Gestores pela FGV.


Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

O pacote que fez Arruda suspirar


Três anos depois da divulgação do vídeo em que aparecia dizendo “ahhhh! ótimo” ao pegar um pacote das mãos do futuro delator do mensalão do DEM no Distrito Federal, Durval Barbosa, o ex-governador José Roberto…

Cultura

Brasília abre mostra de cineastas negras


Por Andreia Verdélio, da Agência Brasil De 4 até 11 de julho a Caixa Cultural apresenta em Brasília, no Teatro da Caixa, a mostra Diretoras Negras no Cinema Brasileiro. Serão exibidos 45 filmes, entre longas, médias…