Socialista Morena
Cultura

O gavião que ensina crianças a se conscientizar para os problemas do planeta

Livro infantil introduz temas como racismo, destruição do meio ambiente e inclusão em um relato que mistura papo sério e aventuras

Fotos: ilustrações de Uiraçu
Piu Gomes
13 de novembro de 2023, 17h52

No cerrado, os povos originários viviam em harmonia com a natureza até a chegada do homem branco, que trouxe com ele a gripe. Para sobreviver, o êxodo os leva à terra das palmeiras e do buriti. Eles a batizam como uiraçu, que significa gavião gigante. Asim começa o livro infantil Uiraçu – em busca das lendas perdidas, uma ótima pedida para os pequenos começarem a se conscientizar de problemas que afligem o planeta, e cuja solução certamente passará por eles quando adultos. Mas tudo de maneira lúdica e agradável.

O livro Uiraçu é uma ótima pedida para os pequenos começarem, de maneira lúdica e agradável, a se conscientizar de problemas que afligem o planeta, e cuja solução certamente passará por eles quando adultos

Cauê é um curumim que contraria o pajé e adota um filhote de gavião no seu novo lar. Um dia, quando um pássaro gigante cujo canto parecia um trovão surge no céu, o pajé muda de ideia e resolve dar uma poção mágica para que o gavião Uiraçu faça jus ao nome e cresça bem forte e se torne o protetor da comunidade. O papagaio Juru também é adotado por Cauê e se torna o elo de comunicação entre eles: como nunca disseram a ele que era bicho, cresceu achando que é gente e aprendeu nossa língua sem esquecer a dos pássaros.

O tal pássaro gigante se revela um avião, do qual desce um casal de antropólogos e sua filha, Ceci. Eles são apresentados por um pescador amigo aos indígenas, que expõe suas intenções: conhecer e conversar com o povo de Cauê. O intercâmbio já existia entre povos originários e ribeirinhos, pois o pescador muito havia aprendido na aldeia e também ensinado, chegando até a doar uma tv, pela qual a comunidade começa sua relação com a língua portuguesa. A palavra final sobre colaborar com o casal vem da anciã Jupira, que diz ter sonhado com a visita de uma cunhatã branca que muito ajudaria seu povo.

A partir daí, Cauê e Ceci vão descobrir juntos, de maneira divertida, as diferenças culturais entre seus povos, e também os problemas que elas trazem. A perda das tradições é simbolizada pela Voçoroca, um monstro criado pelos brancos que destrói tudo ao derrubar a floresta e é ilustrado como uma cidade. Para Ceci, isso é a erosão, e ela toma consciência das consequências trágicas trazidas pela ambição civilizatória, como a agropecuária invasiva. Entre outras indagações, surge a questão racial, já que seu pai é negro, ou mulato, como ouvira dizer; sua mãe é branca e ela, é o quê, morena, preta ou mestiça? “Mas usa roupa de branco”, aponta Cauê. Muitas perguntas sem resposta para a cunhatã.

Cauê decide levá-la à caverna onde o pajé guardou as histórias de seu povo num cesto de lendas, deixando-as sob a proteção de Anhanguá, o protetor das matas e dos bichos. Nesse ponto, se junta ao grupo Tião, o filho do pescador, amigo do curumim, que parece o Saci: não tem uma perna mas caminha muito rápido usando sua muleta. É a deixa para Ceci se lembrar sobre os ensinamentos da mãe sobre preconceito e bullying: “Diferenças nunca podem ser tratadas com indiferença, mas não devem ser motivo para rebaixar ou constranger ninguém”.

Agora, a aventura se inicia. Eles entram na caverna e encontram Anhanguá, que depois de ter certeza que todos são amigos da natureza, surge na forma de um gigante veado branco e os leva a um lugar idílico, onde está guardado o “tesouro”, o que é mais um pretexto para debater assuntos relevantes: a cobiça do branco pelo ouro, traduzida na atuação dos bandeirantes e do garimpo ilegal de nossos dias. A conclusão é que o ouro verdadeiro são as tradições e lendas, que têm cheiro de coisa boa e antiga.

Eis que surge a terrível Voçoroca, em busca do cesto das lendas para transformar tudo em um grande buraco onde só ela poderia reinar! Com a ajuda de Uiraçu, as crianças se salvam, mas para resgatar o cesto precisam das sementes mágicas levadas por Cauê e do mais importante de tudo: de união. Quando todos os povos se juntam, ficam mais fortes. Como alerta Ceci, “qualquer ajuda, mesmo pequena, pode fazer a diferença”.

Uiraçu foi concebido inicialmente como uma série audiovisual de animação e os autores entraram em um edital público, passando por todas as etapas necessárias, mas a voçoroca cultural do desgoverno anterior nunca liberou os recursos.

Uiraçu foi concebido inicialmente como uma série audiovisual de animação e os autores entraram em um edital público, passando por todas as etapas necessárias, mas a voçoroca cultural do desgoverno anterior nunca liberou os recursos. Os percalços levaram Beto Seabra, escritor e jornalista, e o cineasta Zelito Passos a adaptarem o roteiro original e aproveitar o storyboard de Cacá Soares em um livro voltado para o público de 08 a 12 anos, mas que atinge um espectro maior, devido ao texto que aborda assuntos sérios de maneira leve, e às ilustrações, de traço divertido e cores vibrantes.

O projeto independente teve auxílio técnico e obteve os registros necessários através da Ninho de Palavra, editora brasiliense, mas as vendas estão sendo feitas diretamente pelos autores, como mostra o  hiperlink abaixo. Para as famílias que pensam no futuro do planeta, a dica é levar os filhotes nas asas do gavião gigante.

Uiraçu – em busca das lendas perdidas
AUTORES: Beto Seabra, Zelito Passos e Cacá Soares

EDITORA: Ninho da palavra, 84 págs., R$50,00 (vendas pelo e-mail [email protected])

PIX DO PIU: Para contribuir com o autor do texto, anote o Pix: 34390120182 (CPF). Obrigada por colaborar com uma nova forma de fazer jornalismo no Brasil, sustentada pelos leitores.


(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Antônia Márcia em 13/11/2023 - 22h11 comentou:

Quando os bons de coração se unem, movem montanhas!

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cultura

Os pais dos desenhos animados são quase todos idiotas –mas os homens nem ligam


Se tem uma coisa que me intriga é como não incomoda os homens que praticamente todos os pais dos desenhos animados sejam completos imbecis. Imaginem se fizessem isso com as mulheres: se todas as mães…

Politik

Petróleo nas praias: como Homer, governo foge da responsabilidade e culpa os outros


Bolsonaro e sua equipe de despreparados copiam Homer Simpson: "já estava assim quando cheguei"; "culpe o estrangeiro"