Socialista Morena
Direitos Humanos

O país onde preto se furtar carne, morre; e branco pode furtar queijo e sair de boas

Dois casos em Salvador demonstram que a frase "se não queria morrer, que não roubasse" só vale para pobre e preto

Tio e sobrinho nas dependências do Atakarejo após o furto. Foto: reprodução
Cynara Menezes
03 de maio de 2021, 20h59

Na mesma semana, na mesma cidade, dois acontecimentos similares e dois desfechos totalmente diferentes ilustram o racismo nosso de cada dia: em Salvador, tio e sobrinho, ambos negros, furtam 4 pacotes de carne seca em uma loja do supermercado Atakarejo no bairro de Amaralina; algumas horas depois, são encontrados executados dentro do porta-malas de um carro. Enquanto isso, a 13km dali, no bairro de Piatã, uma mulher branca descia do seu Jeep Compass, entrava numa delicatessen, enfiava um queijo dentro da bolsa diante de todos os funcionários e saía do local sem ser importunada. O dono da loja justificou que não a abordou “para não gerar constrangimento”.

Enquanto o branco rico ladrão é “doente”, o preto pobre ladrão é “vagabundo”. A parcialidade do julgamento é tal que nos leva, como sociedade, a ter constrangimento de protestar contra o assassinato covarde e brutal de dois jovens negros apenas porque cometeram um delito menor

A suspeita dos familiares é que os seguranças do supermercado, após espancarem os dois, tenham entregado Bruno Barros da Silva, de 29 anos, e seu sobrinho Ian Barros da Silva, de 19, a traficantes do bairro para que fossem mortos. Um detalhe: enquanto esteve detido nas dependências do Atakarejo, Bruno chegou a mandar uma mensagem de áudio para uma amiga pedindo 700 reais para pagar as carnes. Mesmo assim, acabou torturado e morto.

As imagens deles sentados no estacionamento do supermercado com os pacotes de carne rodaram as redes sociais; o rosto da mulher branca não foi nem sequer exibido no vídeo que flagra o momento em que ela surrupia o queijo.

Ao comentar o caso em um grupo de whatsapp, alguém justifica que a madame ladra de queijos é “cleptomaníaca”, que só isso explicaria sua ação criminosa, já que, como é rica, “não precisa roubar”. Ora, há várias razões que podem levar uma pessoa a furtar coisas em lojas e supermercados. A principal delas é a necessidade, claro.

Mas é possível, por exemplo, que a madame ladra de queijos seja uma pessoa que vive de aparências e que não tivesse dinheiro para pagar a compra. Também é possível que tenha afanado o queijo pela adrenalina que o ato transgressor traz, pela excitação do furto. Ou que, sendo branca e rica, furtou pela certeza da impunidade, o que se confirma no fato de que não ter sido importunada pelos funcionários da delicatessen.

É possível que Bruno e Ian tivessem furtado as carnes para comer ou para gerar lucro com elas, revendendo –foi o que disseram seus familiares. Mas por que tio e sobrinho também não receberam o epíteto de “cleptomaníacos”? Não há outra resposta a não ser: porque são negros.

É preciso justificar por que alguém que “tem tudo na vida” é capaz de afanar um queijo, daí a desculpa da “cleptomania” e dos problemas psicológicos. Aliás, vocês já repararam que os brancos ricos sempre recorrem a esta saída quando cometem uma infração grave?

A boa vontade de alguns diante do branco rico ladrão é um fenômeno a ser estudado. É preciso justificar por que alguém que “tem tudo na vida” é capaz de afanar um queijo, daí a desculpa da “cleptomania” e dos problemas psicológicos. Aliás, vocês já repararam que os brancos ricos sempre recorrem a esta saída quando cometem uma infração grave? Em 2017, o filho traficante de uma desembargadora do Mato Grosso do Sul foi internado numa clínica. Coitado, flagraram ele com 130kg de maconha porque tinha um transtorno mental… Em 2019, o enteado do então prefeito de Manaus, Arthur Virgílio, acusado de assassinato, também foi para uma clínica de reabilitação de drogas.

Enquanto o branco rico ladrão é “doente” e precisa ser internado, o preto pobre ladrão é “sem-vergonha”, “vagabundo” e precisa ser preso –ou morto. A parcialidade do julgamento é tal que nos leva, como sociedade, a ter constrangimento de protestar contra o assassinato covarde e brutal de dois jovens negros apenas porque cometeram um delito menor. “Se não queria morrer que não tivesse roubado”, costuma dizer a extrema direita diante de um caso como este. Mas por que esta frase não vale para a branca rica que furtou?

Após a repercussão nacional do caso, a polícia baiana está investigando o assassinato de Bruno e Yan. Há um ponto fundamental a ser esclarecido: por que, em vez de prestar queixa à polícia (não fez nem sequer boletim de ocorrência), o Atakarejo decidiu resolver o problema “por fora”? Presidente da Comissão de Direitos Humanos e Segurança Pública da Assembleia Legislativa da Bahia, o deputado estadual Jacó (PT), vai mais longe: “Qual o envolvimento institucional do Atakarejo com o tráfico de drogas?”, questionou, de acordo com o site Bahia Notícias.

“Qual o envolvimento institucional do Atakarejo com o tráfico de drogas?”, questiona o deputado Jacó (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa da Bahia. “Quem faz a segurança por fora do Atakarejo é o tráfico?”

“Se o gerente ligou para o tráfico, é porque havia algum ponto de autorização do Atakarejo. Teve um fato, e a direção da empresa tomou uma atitude que é covarde. É algo muito estranho, que causa muita revolta. Isso é um caso emblemático. Se fosse de algum boteco, estaria até preso. É o dono de uma rede que se nega a comentar o caso. O Atakarejo faz de conta que não existe. Quem faz a segurança por fora do Atakarejo é o tráfico?”

Indignada, a mãe de Bruno, Dionésia Pereira Barros, lamentou: “Por que não chamaram a polícia? Eu sei que meus filhos erraram, mas eles não eram Deus para entregar meu filho para a morte. O segurança do mercado deu meu filho para a morte, deu de bandeja para o Satanás”.

Até agora não se sabe quem é a mulher branca e rica que surrupiou o queijo na delicatessen de Piatã. Ela está viva e livre para cometer mais furtos. De boas.

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(4) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Laerthe Abreu Junior em 04/05/2021 - 09h10 comentou:

Como sempre, excelente artigo. Parabéns pela luta e pela coragem de se expor neste país tão degradado pela extrema-direita.

Responder

ERNANDO CISCOUTO PELUSO em 04/05/2021 - 17h23 comentou:

Parabéns Cynara pela matéria. Como sempre precisa. Essa mulher é a tal “cidadã de bem”. Parafrasenado Denis Diderot: “O Brasil só será livre quando o último bolsonarista for enforcado nas tripas do último pastor neopentecostalista”

Responder

Flash em 16/06/2021 - 20h35 comentou:

Então e os brancos pobres?? Nao existem brancos pobres tambem??? E os pretos ricos??? Tambem nao existem pretos ricos??? Este site e a dina deste site são os piores a destilar odio racismo e violencia entre as pessoas!! Eu nao defendo ninguém! Pessoas más nao está na cor e sim no coração!!! O pior racismo que poderá haver é aquele que este propio site e a dona dele faz pratica!! Acho que disse tudo! Agora ela que apague o meu comentário para nao ficar mal e passar vergonha!!

Responder

    Cynara Menezes em 16/06/2021 - 23h20 comentou:

    os brancos pobres estão sendo assassinados ou acusados falsamente de serem ladrões? as grávidas brancas pobres estão sendo assassinadas pela polícia? em que mundo você vive? em que bolha você vive?

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Direitos Humanos

“Obedeça, caralho!”: o ciclista “abordado” na Cidade Ocidental e a lógica escravista da PM


A polícia só vai mudar quando os negros da PM se rebelarem contra seu destino de serem capitães-do-mato dos próprios irmãos

Direitos Humanos

Feminicídio cai entre mulheres brancas, mas cresce entre negras e indígenas


Dados indicam que negras e indígenas não estão sendo atingidas pelas políticas universais e que precisam de políticas públicas específicas