Socialista Morena
Mídia

Por que a “pluralidade” da Folha sempre pende para a direita ou extrema direita?

Em nome da "diversidade de opinião", jornal se proclama o direito de publicar "teses polêmicas" –desde que sejam reacionárias, claro

Sede do grupo Folha em São Paulo. Foto: Wikimedia commons/CC
Cynara Menezes
25 de janeiro de 2022, 16h17

Volta e meia o jornal Folha de S.Paulo, que se define como “imparcial” e é chamado de “esquerdista” pelos bolsonaristas, torna-se alvo dos setores progressistas por algum artigo absurdo que publicou. O mais recente deles foi Racismo de negros contra brancos ganha força com identitarismo, de Antonio Risério, que saiu com destaque no domingo, 15 de janeiro, no caderno Ilustrissima.

Argumentar a existência de “racismo de negro contra branco” num país onde o desemprego entre as mulheres negras na pandemia é o dobro do desemprego entre os homens brancos; onde os mais afetados pela pobreza são negros; e onde pessoas negras têm quatro vezes mais chance de sofrer violência policial do que brancos chega a ser repulsivo. Mas intelectuais negros como Silvio de Almeida, ativistas como Thiago Amparo e até o ombudsman já rebateram, no próprio jornal e com muito mais propriedade do que eu, a fake news sociológica de Risério.

Intelectuais negros, ativistas e até o ombudsman já rebateram, no próprio jornal e com muito mais propriedade que eu, a fake news sociológica de Antonio Risério. O meu ponto aqui é a propaganda enganosa da Folha ao vender uma “pluralidade” que não existe

Corajosamente, quase 200 jornalistas da casa também fizeram um abaixo-assinado em protesto, apontando a “publicação recorrente de conteúdos racistas” pelo jornal. E meu ponto aqui é justamente esse: a propaganda enganosa da Folha ao vender uma “pluralidade” que não existe.

Toda vez que a Folha é acusada de no mínimo passar pano para o racismo estrutural (com Leandro Narloch e Risério); de ajudar a difundir pensamento anticientífico e pró-cloroquina (com Helio “Beltrãozinho”); ou de contratar para escrever artigos alguém que não sabe escrever apenas porque é antipetista (como Kim Kataguiri até pouco tempo atrás), tira da manga a carta da “pluralidade”. Esse termo simpático, inclusivo, virou uma espécie de muleta onde o jornal se ampara para disfarçar que, embora negue, possui uma ideologia, um “lado”.

Pondé falou que os pobres em ascensão durante os governos petistas estavam fazendo os aeroportos parecerem rodoviárias, “churrasco na laje”? “Pluralidade”, rebatia a Folha.

Danuza Leão atacou a PEC das Domésticas, um dos motivos do ódio da elite contra Dilma? “Pluralidade.” O jornal cedeu repetidas vezes um espaço nobre, a página inteira da seção de Tendências & Debates, para o então desconhecido Olavo de Carvalho, futuro guru de Bolsonaro, disseminar sua anacrônica fúria anticomunista e defender a ditadura militar? “Pluralidade.”

Ora, me parece curioso que todas as vezes que a Folha tem que se defender gritando “pluralidade!” seja em relação ao pensamento de direita e de extrema direita. Quantas vezes você viu o jornal sair bradando “pluralidade” em apoio a um artigo do Galo defendendo queimar todas as estátuas de genocidas indígenas do país? Ou do Jones Manoel instigando os trabalhadores a que já acordem pensando em “esfolar o patrão”? Quem sabe o Zé Maria, do PSTU, pregando a estatização de todos os bancos e multinacionais?

Para o jornal, “radicalismo” só se encaixa em “pluralidade” se for de direita ou extrema direita. A impressão que fica é que o jornal rejeitaria na hora um artigo de Fidel instando os cubanos a tomar a ilha, mas aceitaria de bom grado um texto de Hitler pregando a ocupação da França. “Pluralidade!”

Nunca, porque artigos assim não são publicados pela Folha. Para o jornal, “radicalismo” só se encaixa em “pluralidade” se for de direita ou extrema direita. Em nome da “liberdade de expressão”, a Folha se proclama o direito de publicar “teses polêmicas” –desde que as “teses polêmicas” sejam reacionárias, claro.

Não custa lembrar que, em 2010, o jornalista Xico Sá foi censurado e pediu demissão do jornal ao declarar apoio a Dilma Rousseff, do PT, em sua coluna. Que “pluralidade” é essa onde se pode ser racista, anti-ciência e vomitar ódio de classe, mas não se pode declarar voto em candidato de esquerda? A impressão que fica é que o jornal rejeitaria na hora um artigo de Fidel Castro convocando os cubanos a tomar a ilha, mas aceitaria de bom grado um texto de Hitler pregando a ocupação da França. “Pluralidade!”

A falácia da “pluralidade” da Folha se completa com o fato de que o próprio conceito de “pluralidade” não cabe em um veículo de comunicação. O que tem de ser “plural” não é um jornal e sim a imprensa de um país. No Brasil, desde a ditadura militar, não existe uma imprensa plural. Todos os meios hegemônicos são de direita ou de extrema direita, e se há em suas páginas alguns colunistas progressistas é por estratégia de sobrevivência e de marketing, não por “pluralidade”.

Aliás, seria mais honesto intelectualmente com os leitores que a Folha deixasse de se escorar nestas figuras que lhe acarretam prestígio –ao contrário dos farsantes de direita e extrema direita que defende com tanto afinco– para se dizer “plural”. Em vez de criar uma “política de diversidade” de aparência, deveria, por exemplo, assumir em editorial que é francamente contrária à luta antirracista dos movimentos negros, recorridas vezes alfinetados pelo jornal como “identitários”, ao invés de se esconder detrás de intelectuais mequetrefes a quem a impressão em papel pretende conferir verniz.

O finado Olavo que o diga.

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
PIX: [email protected]
(6) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Bernardo Santos Melo em 26/01/2022 - 12h04 comentou:

Votaremos em Lula e elegeremos Alckmin como PRESIDENTE ?
Votaremos Lula e teremos um Meirelles como Ministro ou presidente do BACEN ?
Votaremos Lula e teremos Renan Calheiros como presidente do Senado ?
Votaremos Lula e teremos EUNICIO ou Guedel na presidência da Caixa Econômica e Banco do Nordeste ?
Votaremos Lula e manteremos as despesas da Dívida Publica locupletando Banqueiros ?
Votaremos Lula e manteremos a inexistência dos debates pré eleitorais ?
Tá difícil engolir o CHUCHU defensor de Naji Nahas na desocupação do Pinheirinho !
Parece-me que à esquerda PIROU o Cabeção .
BOULOS demonstra COERÊNCIA ,não duvido que vença Haddad ou a nossa jovem liderança vai acreditar que em 2024 será prefeito de São Paulo , é bom lembrar que Marina e Ciro Gomes já viveram traições e FAKE NEWS advindas deste time petista .
Acorda Cynara !

Responder

João Ferreira Bastos em 27/01/2022 - 11h22 comentou:

A vontade de emprestar os carros de novo para uma ditadura é maior que o desejo democrático

Responder

x em 27/01/2022 - 18h16 comentou:

Pelo mesmo motivo que a “pluralidade” da Carta Capital tende para a esquerda e extrema esquerda !

Responder

    Cynara Menezes em 27/01/2022 - 18h25 comentou:

    totalmente diferente. a carta capital jamais se disse “imparcial”

x em 28/01/2022 - 02h18 comentou:

Ao menos que eu me lembre, antes das eleições de 2014, a CC não apoiou a Dilma incondicionalmente no início e que ia aguardar para se “decidir”.
Me lembro que um comentarista até gozou com aquele editorial, ao dizer que obviamente a CC já havia se decidido.
SM, guarde isto que aprendi de uma adolescente americana, quando em 2010 eu perguntei a ela porque existia aquele nível absurdo de ódio entre Fox News x MSNBC. Eu nunca tinha visto nada parecido aqui, e olha que nestes 12 anos a coisa piorou.
“Não existe imparcialidade em absolutamente nenhum veículo de comunicação, especialmente aqueles que dependem de assinantes, propagandas privadas e governamentais, ou seja 99,99%” Todos tem sua linha editorial, ou como dizem na roça, cada cabeça uma sentença.

Responder

Mauricio em 19/02/2022 - 15h45 comentou:

Texto impecável.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Kubitschek, o provocador: “a escola pública é tão mal considerada quanto Valesca e o…


Depois de passar a terça-feira inteirinha dando entrevistas (até perdeu a conta de quantas deu), Antonio Kubitschek decidiu desligar o telefone. Era aniversário da mulher e ele, que nem Facebook tem, decidiu desconectar para se…