Socialista Morena
Trabalho

6 greves de mulheres no mundo que mudaram o curso da História

No dia 8 de março as brasileiras também podem fazer História contra Bolsonaro e em defesa da democracia

Cartaz da transição espanhola, anos 1970
Do Pijama Surf
28 de fevereiro de 2020, 19h25

Por Jimena O., no Pijama Surf
Tradução Cynara Menezes

A história dos movimentos de trabalhadores foi muito bem documentada. E as mulheres tiveram um papel muito relevante neles, pois graças à sua organização deram o exemplo para as gerações seguintes.

Veja algumas das greves e movimentos de mulheres mais importantes da história dos movimentos trabalhistas e suas conquistas.

1. Trabalhadoras da indústria do tabaco em Madri, 1857

A greve das 4000 trabalhadoras da Fábrica de Tabaco de La Coruña é considerada a vanguarda do movimento operário espanhol.

Numa segunda-feira, 7 de dezembro de 1857, as operárias deixaram seus postos de trabalho e foram para cima com tudo: destruíram escritórios, móveis e maquinário. Entre as razões que desataram a fúria das trabalhadoras estavam as jornadas de trabalho cada vez mais longas, as oficinas abarrotadas onde as mulheres trabalhavam em temperaturas extremas e o ritmo de produção exigido, cada vez mais rápido, tudo isso a salário cada vez menores.

Depois do exemplo das trabalhadoras do tabaco houve uma greve de marceneiras em 1880 e a paralisação das operárias do tabaco de Gijón em 1903.

2. Greve de Pão e Rosas em Lawrence, Massachussetts, em 1912

No começo do século 20, os operários da indústria têxtil nos EUA se movimentavam exigindo melhores condições de trabalho e melhores salários. As mulheres do setor começaram então a organizar seus próprios protestos. Em 11 de janeiro de 1912, as trabalhadoras da indústria têxtil, a maioria delas imigrantes, começaram uma paralisação que duraria dois meses e ficaria conhecida como “a greve do pão e rosas”. Formaram um cordão ao redor das fábricas, de forma que nem sequer a polícia podia entrar. Os vizinhos instalaram creches e refeitórios em apoio às trabalhadoras.

3. Dagenham, Inglaterra, 1968

Em 1968, a empresa norte-americana Ford tinha aproximadamente 55 mil trabalhadores na Inglaterra, dos quais 187 eram mulheres. Estas mulheres eram encarregadas de fazer o estofamento dos assentos dos carros. Apesar do número significativamente menor, estas operárias decidiram começar uma folga que durou três semanas para exigir sobretudo igualdade salarial, pois seus salários eram 92% menores do que os dos trabalhadores homens.

Em 1970, com o apoio do Partido Trabalhista, o Reino Unido aprovou a Lei de Igualdade Salarial, que entrou em vigor 5 anos depois em todo o país.

4. O dia livre das mulheres da Islândia em 1975

Até 1975, o salário dos homens islandeses era 40% mais alto que o das mulheres. Diante desta situação, 90% das mulheres trabalhadoras do país começaram uma greve que repercutiu em todo o país: conseguiram parar a atividade de bancos, escolas e fábricas. Os homens tiveram que ocupar os espaços vazios que as mulheres tinham deixado, tanto no trabalho como no lar. Como consequência deste movimento, cinco anos depois da paralisação a Islândia elegeu a primeira mulher presidenta: Vigdis Finnbogadottir.

5. Greve de fome das mineiras de La Paz, Bolívia, 28 de dezembro de 1977

Domitila Chungara, ativista boliviana

Durante a ditadura de Hugo Banzer na Bolívia (1971-1978), houve quatro mulheres que encabeçaram um movimento que culminaria na queda do ditador. Luzmila de Pimentel, Nelly de Paniagua, Aurora de Lora e Angélica de Flores, todas elas esposas de dirigentes sindicais mineiros, junto com seus 14 filhos, se uniram à ativista Domitila Chungara, tomaram a arquidiocese de La Paz em 28 de dezembro de 1977 e se declararam em greve de fome. As reivindicações: anistia geral para os opositores do regime e convocação de eleições livres. Mais de 1500 bolivianos se uniram a esta greve de fome. Meio ano depois, o ditador Hugo Banzer renunciou. Estas cinco mulheres deram o primeiro passo para a democracia na Bolívia.

6. Bangalore, Índia, Garment Labour Union, 2002

Em 2002, as mulheres trabalhadoras das fábricas têxteis se uniram e formaram seu próprio sindicato, o Garment Labour Union. O GLU se propôs a reunir todas as trabalhadoras do setor têxtil para exigir melhores condições de trabalho e aumento do salário mínimo, o qual havia aumentado apenas 4 vezes em 45 anos. Um dos objetivos principais deste sindicato é conscientizar sobre os direitos trabalhistas das mulheres na Índia.

***

No próximo dia 8 de março as mulheres brasileiras também podem fazer História lutando contra Bolsonaro e em defesa da democracia.


(5) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Adriana Citino em 28/02/2020 - 21h32 comentou:

Fico muito triste com a baixa consciência das mulheres brasileiras. Poderíamos mudar a história, mas, por mais que algumas de nós lutemos, a coisa não anda.

Responder

Avel de Alencar em 28/02/2020 - 23h12 comentou:

Sou fã do blog Socialista Morena.

Responder

    Cynara Menezes em 29/02/2020 - 19h04 comentou:

    obrigada!

Amarilde Batista da Silva em 29/02/2020 - 12h18 comentou:

Muito interessante este documentário, sobre a luta das mulheres no mundo. Ficou a desejar a tradução dos vídeos históricos. Pra mim como mulher trabalhadora, tenho o grande desejo de fazer a diferença nas lutas do meu país. Abaixo o fascismo, a perda de direitos, a todas formas de opressão. Á luta mulheres, temos muito o quê conquistar.

Responder

Nidia em 02/03/2020 - 08h23 comentou:

Precisamos voltar a ter grupo de mulheres,em todos os lugares. Sem imediatismo.Clube de mães, ginástica, informática, grupo de ajuda etc. Descobrir o que interessa as mulheres. Com carinho,ternura devagar se chega na conscientização.
A idéia de qdo td está ruim, tem que se ir numa igreja pegou mesmo e é o espaço que as mulheres têm…

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

O machão e o machista


Fecho os olhos e tento lembrar da primeira vez que percebi alguém de outro sexo diante de mim. Teria seis, sete anos, não sei. Sei que senti algo de diferente nele, de estranho. Não importa…

Feminismo

A canção cafona de Chico Buarque, moralismo e ídolos inatacáveis


Vamos combinar, a nova canção do Chico Buarque é cafona. Cafonérrima. O que me incomoda na crítica a ela é o moralismo embutido. Mas não acho que ninguém seja sagrado, todo mundo pode ser alvo…