Socialista Morena
Vídeos

Reaça & Comuna: até o reaça viu “dois pesos e duas medidas” em críticas de Moro a vazamentos

Na pauta da semana, também os vazamentos do Intercept que mostram como a Lava-Jato protegeu FHC

Foto: Sérgio Lima/Poder360
Da Redação
21 de junho de 2019, 17h24

No Reaça & Comuna da semana, os jornalistas Cynara Menezes e Mario Rosa analisam a audiência no Senado em que Sergio Moro foi se defender dos vazamentos feitos pelo site The Intercept Brasil  que comprovam sua parcialidade à frente da operação Lava-Jato. Para Cynara, o ponto alto da audiência foi o questionamento do senador Fabiano Contarato (Rede-ES), que deu uma verdadeira aula de como um juiz sério deve se comportar numa investigação.

“O ministro Moro falou que as conversas não tinham nada demais, que faziam parte do dia a dia da conversa com as partes. Mas peraí, é exatamente isso que é ilegal. Um juiz não pode conversar com a outra parte. Fim”, criticou Cynara. Nem mesmo o “reaça” Mario se sentiu satisfeito com as justificativa de Moros, que falou em “sensacionalismo” e apontou que os vazamentos são “ilegais”. “Todos os escândalos dos últimos anos foram baseados em conteúdos obtidos de forma ilegal. Ninguém questionou e agora estão querendo questionar. São dois pesos e duas medidas”, disse. “Ele que sempre foi um inquiridor esteve na posição de estar no banco dos réus. E uma pessoa que estivesse na Lava-Jato que tivesse aquela performance de não lembrar das coisas, dificilmente convenceria o juiz Moro. O ministro Moro dificilmente convenceria o juiz Moro.”

A dupla também comentou as revelações do site do jornalista Glenn Greenwald que mostram que Moro protegeu FHC, dizendo que incluí-lo entre os investigados seria “melindrar” um “apoio importante”. “O apoio de Fernando Henrique era mais importante do que investigá-lo para ver se havia cometido corrupção. O fato de ele ter protegido FHC é uma prova cabal da parcialidade da Lava-Jato”, disse Cynara.

Mario reafirmou seu apoio à Lava-Jato e disse que a falta de memória de Moro, que disse no Senado não se recordar de suas próprias mensagens no Telegram, é normal. “Quando apaga a mensagem no Telegram, também apaga no mundo real”, comentou, aventando a possibilidade de também haverem conversas entre Lula e Dallagnol ainda não reveladas. Como sempre, não se sabe se o “reaça” estava ironizando ou se falava sério…

Confira.


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Castor Filho em 21/06/2019 - 17h39 comentou:

O Judiciário é o mais corrupto e corrompido dos poderes da República (série)

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Vídeos

Michel Teme: Cynara Menezes comenta


Michel Teme: Cynara Menezes comenta

Vídeos

O menino que mora num contêiner de lixo


Curta conta a história de um garoto de 17 anos que mora num contêiner de lixo de uma das cidades-satélites da capital do país