Socialista Morena
Cultura

Rouge – Mulheres socialistas (série): Frida Kahlo

Ilustração Alessandra Menezes Não é exagero afirmar que o tesão que a pintora mexicana Frida Kahlo, aos 29 anos, sentiu pelo comandante do Exército Vermelho Leon Trotsky, aos 58, tivesse menos a ver com sexo do que com comunismo. Frida sempre sonhou em ser uma revolucionária, e dar uns amassos no piochitas (cavanhaquezinho), como ela […]

Cynara Menezes
08 de março de 2017, 19h47

fridaalessandra

Ilustração Alessandra Menezes

Não é exagero afirmar que o tesão que a pintora mexicana Frida Kahlo, aos 29 anos, sentiu pelo comandante do Exército Vermelho Leon Trotsky, aos 58, tivesse menos a ver com sexo do que com comunismo. Frida sempre sonhou em ser uma revolucionária, e dar uns amassos no piochitas (cavanhaquezinho), como ela chamava Trotsky, deve ter sido uma deliciosa travessura.

Frida era absolutamente livre sexualmente, e se relacionou com homens e mulheres, mesmo estando casada a maior parte da vida com o também pintor Diego Rivera. A jovem nascida em Coyoacan se unira às Juventudes Comunistas aos 17 anos e se  filiara ao PC mexicano aos 20, pouco após sofrer o grave acidente que marcaria sua vida: o bonde onde ela estava se chocou com um trem e as ferragens perfuraram-lhe o corpo, causando danos à coluna. Obrigada a ficar na cama, Frida começou a pintar. Mais tarde, sobre o colete ortopédico de gesso que a acompanhou até o fim, gravaria o símbolo da foice e martelo.

fridadiadotrabalho

(Frida e Diego na marcha do Dia do Trabalhador em 1929. Foto: Tina Modotti)

Paralelamente à pintura, a atividade política seria constante na vida de Frida Kahlo, sobretudo após conhecer Rivera. Não houve greve, protesto ou manifestação nos anos 1930 no México em que o casal não estivesse presente. Mas, ao contrário do marido, sua obra nunca foi panfletária. Enquanto Diego pintava enormes murais em que apareciam trabalhadores, operários e líderes comunistas, Frida olhava mais para dentro de si, em quadros que retratam as dores e os amores humanos.

fridastalin

Não que ela não tivesse também retratado comunistas, como no Auto-Retrato com Stalin, de 1954. O casal Rivera flertara com o trotskismo, mas voltara a admirar o líder soviético e se aproximar do Partido Comunista nos anos que se antecederam à morte de Frida. Na cabeceira de sua cama, na Casa Azul, em Coyoacan, onde pintava deitada nos períodos em que a saúde frágil se agravava, há um painel com fotos dos ídolos que a inspiravam: Karl Marx, Friedrich Engels, Lenin, Mao Tsé-Tung e o próprio Stalin. “Eu os amo por serem os pilares do novo mundo comunista”, escreveu em seu diário.

Nas anotações, a pintora mostra que a relação com Trotsky não a tornou uma “contra-revolucionária”, como se dizia na época. “Não estou de acordo com a contra-revolução. Nunca fui uma trotskista”, escreveu Frida, para quem a revolução era “a única razão real para viver”. Quando Stalin morreu, a pintora confessou que sempre quis conhecê-lo. É preciso lembrar que os horrores do stalinismo só foram inteiramente revelados ao mundo após a morte de Frida, em 1956, com Nikita Kruschev.

A frustração de Frida em não ser uma pintora “útil ao movimento comunista” e cujo trabalho “servisse ao partido” soa absurda hoje, diante da grandeza de sua obra –certamente não seria assim se tivesse se dedicado à arte “engajada”. Mas a exploração capitalista de seu trabalho com certeza a deixaria furiosa. “Só pintei a honrada expressão de mim mesma”, escreveu. “Sou um ser comunista. Li a história do México e de outros países, conheço seus conflitos de classe. Sou apenas uma célula do complexo mecanismo revolucionário dos povos pela paz das novas nações soviéticas – tchecas – polonesas – ligadas a mim pelo próprio sangue.”

Sobre o caixão de Frida Kahlo, em julho de 1954, repousava a bandeira vermelha, com a estrela amarela e a foice e o martelo, do Partido Comunista Mexicano.

 

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Imperdível: exposição, filmes e seminário sobre os 100 anos da Revolução Russa no Rio


O Centro de Filosofia e Ciências Humanas da UFRJ está promovendo até julho a exposição A Revolução em Imagens, com cerca de 30 fotografias e cartazes impressos, além de outras 50 em mídias audiovisuais, sobre…

Cultura

Os poemas-pinturas de Kenneth Patchen


Eu gosto de pintores que escrevem e de escritores que pintam. Li sobre Kenneth Patchen nessa novela gráfica, Os Beats. Um livro é bacana quando é capaz de acender sua imaginação em várias direções, e…