Socialista Morena
Politik

Twitter falha em deter robôs que espalham teorias conspiratórias da QAnon

Estudo mostra que tentativa da rede social de limitar difusão da desinformação de extrema direita não tem sido eficaz

The Conversation
10 de novembro de 2020, 08h52

Por Emilio Ferrara, no The Conversation
Tradução: Maurício Búrigo

Os cidadãos que procuram análise e informação políticas no twitter precisam saber o quanto do que estão vendo é resultado de campanhas de propaganda automatizadas.

Quase quatro anos após eu e meus colaboradores revelarmos como contas automatizadas do twitter estavam distorcendo discussões online sobre as eleições nos EUA em 2016, a situação não parece estar melhor. Isso apesar dos esforços de agentes de políticas públicas, de companhias de tecnologia e até do público para extirpar as campanhas de desinformação nas redes sociais.

No twitter, muitas teorias da conspiração podem não ser tão populares entre pessoas reais como as reportagens da mídia tradicional indicam. Mas a automação pode aumentar significativamente a distribuição destas ideias

No nosso estudo mais recente, coletamos 240 milhões de tuítes que mencionavam candidatos presidenciais e palavras-chave relacionadas às eleições norte-americanas de 2020, postados entre 20 de junho e 9 de setembro de 2020. Buscávamos atividade de contas automatizadas (ou de robôs) e a difusão de narrativas deturpadas ou de teoria da conspiração.

Descobrimos que no twitter muitas teorias da conspiração, inclusive as da QAnon, podem não ser tão populares entre pessoas reais como as reportagens da mídia tradicional indicam. Mas a automação pode aumentar significativamente a distribuição destas ideias, inflando seu poder ao alcançar usuários que, sem suspeitar, podem ser seduzidos não por postagens de seus semelhantes humanos, mas de robôs programados a espalhar a notícia.

Normalmente, os robôs são criados por pessoas ou grupos que querem amplificar certas ideias ou pontos de vista. Descobrimos que os robôs são, em geral, igualmente ativos em discussões online de perspectivas tanto de direita como de esquerda, constituindo cerca de 5% das contas de twitter ativas nessas linhas.

Os robôs parecem se proliferar em grupos políticos que discutem teorias da conspiração, constituindo quase 13% das contas que tuítam ou retuítam postagens com hashtags e palavras-chave relacionadas a teorias da conspiração.

Os robôs parecem se proliferar em grupos políticos que discutem teorias da conspiração, constituindo quase 13% das contas que tuítam ou retuítam postagens com hashtags e palavras-chave relacionadas a teorias da conspiração

Olhamos, então, mais de perto três categorias principais de conspirações. Uma era a categoria de supostos escândalos descritos com o uso do sufixo “-gate”, tais como “Pizzagate” e “Obamagate”. A segunda era de conspirações políticas relacionadas à Covid-19, tais como alegações tendenciosas de que o vírus foi deliberadamente disseminado pela China ou de que pudesse ser disseminado via produtos importados da China. A terceira era o movimento da QAnon, que tem sido chamado de “ilusão coletiva” ou “culto virtual”.

Essas três categorias coincidem em parte: contas que tuítam sobre um tema em uma delas provavelmente tuítam também sobre um tema em pelo menos uma das outras. Descobrimos que as contas que são propensas a compartilhar narrativas conspiratórias são as que, com maior probabilidade que contas não-conspiradoras, tuítam links ou retuítam postagens das mídias de inclinação de extrema direita, tais como One America News Network, Infowars e Breitbart.

Marjorie Taylor Greene foi a primeira simpatizante do QAnon eleita deputada. Foto: divulgação

Os robôs cumprem um importante papel também: mais de 20% das contas que compartilham conteúdo daquelas plataformas hipersectárias são robôs. E a maioria dessas contas também distribuem conteúdo relativo à conspiração.

Ultimamente o twitter tem tentado limitar a difusão da QAnon e outras teorias da conspiração no seu site. Mas isso talvez não seja o suficiente para deter a maré. A fim de contribuir no esforço global contra a manipulação das mídias sociais, nós liberamos publicamente o conjunto de dados usado no nosso trabalho para contribuir com estudos futuros.

Emilio Ferrara é professor associado de Ciência da Computação na USC Viterbi School of Engineering e professor associado de Comunicação na USC Annenberg School for Communication and Journalism

*APOIE O TRADUTOR: Gostou da matéria? Contribua com o tradutor. Todas as doações para este post irão para o tradutor Maurício Búrigo. Se você preferir, pode depositar direto na conta dele: Maurício Búrigo Mendes Pinto, Banco do Brasil, agência 2881-9, conta corrente 11983-0, CPF 480.450.551-20. Obrigada por colaborar com uma nova forma de fazer jornalismo no Brasil, sustentada pelos leitores.

 


(3) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Queli Cristina de Oliveira Malaquias em 10/11/2020 - 09h56 comentou:

Muito boa essa matéria. Mas seria bom ‘linkar” no texto explicações sobre o que seria o QAnon.

Responder

    Cynara Menezes em 10/11/2020 - 16h05 comentou:

    está linkado no nome do movimento

salete invejosa em 23/11/2020 - 22h43 comentou:

o twitter não falhou. simplesmente não quis fazê-lo.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cultura

Não é só Olavo: a Ku Klux Klan também perseguiu os Beatles


Em 1966, a extrema direita dos EUA incitou jovens a queimar álbuns dos Beatles por conta da frase "Somos mais populares que Jesus"

Mídia

Ativistas criam rede para combater fake news de Bolsonaro no whatsapp


Engenheiros, programadores, matemáticos e profissionais liberais do Rio conectam grupos de whatsapp para combater a ameaça fascista