Socialista Morena
Feminismo

Mulheres interpelam deputados que querem obrigá-las a ter filho de estupro

"Deputado, o senhor já foi estuprado? Já engravidou?", gritavam as ativistas aos fundamentalistas que querem proibir o aborto até nas circunstâncias previstas em lei

Mulheres ocupam comissão. Foto: Lula Marques/AGPT
Katia Guimarães
21 de novembro de 2017, 21h43

A despeito da reação dos movimentos das mulheres contra a PEC 181/15 que proíbe o aborto em qualquer hipótese, os 18 deputados que aprovaram o texto inicial da emenda constitucional devem concluir a votação da matéria e abrir espaço para que ela seja incluída na pauta do plenário da Câmara. A proposta amplia de 120 dias para até 240 a licença-maternidade em caso de bebê prematuro, mas a bancada evangélica incluiu no texto o conceito de que a vida começa na fecundação do óvulo, não no nascimento, e por isso foi apelidada de PEC Cavalo de Troia.

 

“Deputado, o senhor já foi estuprado? É filho de estupro? Já engravidou?”, gritavam as manifestantes que estiveram presentes à sessão desta terça-feira, dia 21 de novembro. “Direito ao nosso corpo, legalizar o aborto”, protestavam, ao lado de uma minoria contra o aborto que chamava deputadas de “abortistas” e pedia a aprovação da PEC. Até amanhã, os deputados devem concluir a votação dos destaques apresentados pelos partidos de oposição que pretendem retirar esse trecho do texto da emenda, mas a tendência é que todos sejam rejeitados. Logo no início da reunião, o presidente da comissão, deputado Evandro Gussi (PV-SP), chegou a propor um suposto acordo às deputadas Érika Kokay e Jô Moraes (PCdoB-MG).

A aprovação da PEC poderá fazer com que as mulheres que abortarem sejam enquadradas por crime de homicídio, infanticídio e aborto

Sorrateiramente, ele defendia incluir no texto da proposta a previsão do aborto legal para os casos já previstos no Código Penal. Isso, no entanto, iria fechar as portas para uma possível descriminalização futura do aborto, já que o veto estaria previsto na Constituição. “Não houve intenção de abranger o Código Penal, mas a favor do consenso, não seria um problema tornar ainda mais explícito”, afirmou Gussi. Diante da negativa das deputadas, ele admitiu que o objetivo é impedir a descriminalização do aborto. “Essa comissão tem sido palco de manipulações das mais profundas e criminosas. Ao ver a reação da sociedade, se quis mais vez manipular. Se o relator acha que o Código Penal tem que ser preservado, tem que apresentar uma emenda”, disse Kokay ao acrescentar que a aprovação da PEC poderá fazer com que as mulheres que abortarem sejam enquadradas por crime de homicídio, infanticídio e aborto.

No início deste mês, a PEC foi aprovada a toque de caixa por 18 votos a 1 –foram 19 minutos e o presidente da comissão especial sequer esperou que as demais deputadas chegassem à comissão para votar. Foi o caso da deputada Luiza Erundina (PSOL-SP), que, aos 83 anos, tem atuação combativa na Casa e não conseguiu chegar a tempo da votação. Ao pedir para registrar seu voto contrário na ata da reunião, Gussi negou a solicitação e afirmou: “A política não socorre os que cochilam. Faltou diligência”.

 

Deputadas contrárias à criminalização do aborto foram acusadas de defender a matança de fetos e ficou claro que os deputados das bancadas evangélica e católica querem impor, a partir de dogmas religiosos, o direito de legislar sobre o corpo e o direito das mulheres. “Os que são contra a votação dessa PEC querem a descriminalização do aborto, a matança generalizada, o massacre. Utilizam do argumento da defesa da mulher, mas o que de fato querem é a morte de inocentes”, disparou o deputado Diego Garcia, acompanhado de seus colegas Alan Rick (DEM-AC) e Flavinho (PSB-SP).

A deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) lamentou os ataques e acusações de assassinato. “Nenhuma mulher defende o aborto como método contraceptivo, nem fazem apologia a ele. A fé deve definir o comportamento individual diante do mesmo direito. A lei não obriga ninguém, apenas estabelece direitos e regula direitos”, afirmou. “Os fundamentalistas acham que podem dominar com suas ideias, suas igrejas e concepções de família o conjunto da sociedade. Acham que podem impor a sua verdade, embora como diz Cazuza: ‘A sua verdade não correspondem aos fatos’”, completou Érika Kokay.

Deputadas contrárias à criminalização do aborto foram acusadas de defender a matança de fetos; ficou claro que os fundamentalistas querem impor, a partir de dogmas religiosos, o direito de legislar sobre o corpo das mulheres

A PEC Cavalo de Troia tem sido alvo de diversas reações contrárias de movimentos em defesa dos direitos das mulheres e entidades ligadas à saúde pública. Nesta terça, ocorreram manifestações em São Paulo e em Brasília. E, na semana passada, em várias cidades, como São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Belo Horizonte, Recife e Porto Alegre com a hashtag #TodasContra18, em referência aos 18 deputados que aprovaram o texto. Em nota, as Nações Unidas consideraram a PEC um retrocesso que acarretará maior risco à saúde de mulheres e meninas.

Foto: Lula Marques/AGPT

O comunicado, assinado pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), ONU Mulheres, Escritório da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde no Brasil (OPAS/OMS) e o Escritório Regional para a América do Sul do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), afirma ainda que a PEC retira das mulheres o seu direito reprodutivo, o que implica em grave violação de seus direitos mais fundamentais, ficando o Estado, com a decisão final e exclusiva sobre a vida e o bem-estar das mulheres e meninas, penalizando duplamente vítimas de violência sexual ou que estejam em situação de risco ou vulnerabilidade.

Criada em 30 de novembro do ano passado, a comissão especial da Câmara surgiu como resposta a uma decisão da Primeira Turma do STF que, um dia antes, não considerou crime a prática do aborto durante o primeiro trimestre de gestação ao analisar um caso no Rio de Janeiro. A PEC Cavalo de Troia também é uma reação à iniciativa do PSOL e do Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero, que protocolaram uma ação de descumprimento de preceito fundamental (ADPF) no STF, em que pede a descriminalização do aborto até a 12ª semana de gestação.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que “proibir aborto em caso de estupro não vai passar”. Resta saber se ele vai resistir à pressão

O substitutivo do relator, deputado Jorge Tadeu Mudalen (DEM-SP), estabelece que o princípio da dignidade da pessoa humana e a garantia de inviolabilidade do direito à vida, ambos já previstos na Constituição, deverão ser respeitados desde a concepção –ou seja, do momento em que o óvulo é fecundado pelo espermatozoide –, e não apenas após o nascimento. Na prática, a emenda se sobreporia ao Código Penal (Decreto-Lei 2.848/40), que hoje prevê o aborto em caso de estupro, risco de morte para a mulher e em caso de bebês anencéfalos, autorizada pelo Supremo em 2012.

Depois de aprovada na comissão especial, a PEC precisa de 308 votos, em dois turnos, para seguir para o Senado. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) foi quem deu o pontapé para a instalação da comissão e agora afirmou que “proibir aborto em caso de estupro não vai passar”. Resta saber se ele vai resistir à pressão dos fundamentalistas que dominaram a Câmara dos Deputados.

Com informações da Agência Câmara

 

 


Apoie o autor

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Katia Guimarães Vaz
Caixa Econômica Federal
Agência: 4760
Conta Corrente: 21602-1
CPF 602.735.771-15
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Vídeos

Persépolis: como era ser criança no Irã dos aiatolás


Persépolis: como era ser criança no Irã dos aiatolás

Cultura

Quando pais, irmãos e maridos votavam pelas mulheres: o filme As Sufragistas


  Por Liliane Machado O cinema inglês resgatou um momento ímpar das lutas feministas ao redor do mundo com As Sufragistas, em cartaz nos cinemas brasileiros. O título remete ao movimento iniciado ainda no século 19,…