Socialista Morena
Politik

PF acha malas de dinheiro em suposto “bunker” de Geddel Vieira Lima em Salvador

A operação Tesouro Perdido é um desdobramento da Cui Bono, que investiga fraude na liberação de créditos da Caixa entre 2011 e 2013, quando Geddel era vice-presidente de Pessoa Jurídica

A quem beneficia o tesouro perdido? Foto: divulgação PF
Da Redação
05 de setembro de 2017, 14h08

“Tesouro Perdido” é o nome da operação deflagrada hoje pela Polícia Federal que encontrou várias malas e caixas contendo dinheiro vivo em um imóvel no bairro da Graça, de classe alta, em Salvador. Segundo a PF, o local, na rua Barão do Loreto, “seria, supostamente, utilizado por Geddel Vieira Lima como ‘bunker’ para armazenagem de dinheiro em espécie”.

E pensar que teve pato que marchou ao lado de Geddel “contra a corrupção”… Tsc, tsc, tsc

A operação Tesouro Perdido é um desdobramento da operação Cui Bono, deflagrada pela PF em 13 de janeiro deste ano e que investiga um esquema de fraude na liberação de créditos da Caixa Econômica Federal entre 2011 e 2013. Na época, a vice-presidência de Pessoa Jurídica da instituição era ocupada por Geddel Vieira Lima. Ex-ministro de Temer, Geddel saiu do governo após ser revelado que pressionava o ministro da Cultura para que o IPHAN liberasse um prédio de apartamentos à beira-mar no qual estava interessado.

A investigação da Operação Cui Bono –expressão latina que em português significa “a quem beneficia?”– é um desdobramento da Operação Catilinárias, deflagrada em dezembro de 2015, no âmbito da Operação Lava-Jato, quando policiais federais encontraram um telefone celular na residência do então presidente da Câmara dos Deputados, o ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que revelou intensa troca de mensagens eletrônicas entre Cunha e Geddel. A operação tinha a finalidade de evitar que provas importantes fossem destruídas por investigados da Lava Jato.

Atualmente, Geddel Vieira Lima cumpre prisão domiciliar. E pensar que teve pato que marchou ao lado dele “contra a corrupção”… Tsc, tsc, tsc.

Geddel e o irmão Lúcio ~contra a corrupção~. Foto: reprodução facebook

Com informações da Agência Brasil

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(3) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Fábio em 05/09/2017 - 15h38 comentou:

A Operação Mãos Limpas praticamente acabou com a corrupção nas relações entre Estado e iniciativa privada na Itália. Foi uma devassa total! Toda a maneira de se fazer política foi remodelada.
A máfia brasileira é muito maior e mais articulada, contando com braços em todos os poderes e em diversos setores do poder público e da sociedade. Não é pessimismo, mas tudo indica que no Brasil “a coisa não tem jeito”.
Vivemos numa propinocracia. Aqui é como uma infecção generalizada e qualquer medida anticorrupção parece um placebo, um paliativo, um fraco antibiótico já sem efeito.

Responder

José em 06/09/2017 - 23h04 comentou:

Apenas lembrando que Geddel foi ministro da Dilma e os desvios aconteceram também no governo dela.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Gilmar ironizou condução coercitiva de Lula, mas agora diz ser “inconstitucional”


Ministro proíbe o uso de condução coercitiva para levar investigados a interrogatório, mas um ano atrás pensava diferente. O que o fez mudar de ideia?

Politik

Primeiro a mídia apoia um golpe; agora, estranha que os militares estejam assanhados


Quando se patrocina a sabotagem das instituições, quando se flerta com o autoritarismo, quando se burla o que há de mais sagrado na democracia, o voto, abre-se as portas para que tudo possa acontecer