Socialista Morena
Cultura

Bukowski previu em um poema o isolamento que a internet traria ao ser humano

Morto em 1994, o escritor norte-americano viu apenas o comecinho da era da informação, mas enxergou longe seu lado obscuro

Bukowski por Robert Crumb
Do Pijama Surf
02 de agosto de 2018, 19h35

Junto com o entusiasmo que a internet provocou ao revolucionar as comunicações contemporâneas, outras perspectivas mais críticas (ou no mínimo céticas) apontaram um peculiar efeito dessa febre que tomava o mundo. Ao mesmo tempo que parecia muito sedutor enviar uma mensagem de um ponto a outro do planeta em questão de segundos, saber imediatamente o que acontecia em lugares antes considerados remotos, enviar e receber informações de todo gênero e espécie (imagens, áudio, vídeos etc.), por outro lado, de forma a princípio imperceptível, surgia um paradoxo: com tantos meios de comunicação ao alcance, o ser humano se mostrava cada vez mais isolado.

A sociologia e a filosofia se debruçaram sobre essa condição contraditória do ser humano contemporâneo, que pode falar com pessoas do mundo inteiro, mas é incapaz de trocar algumas palavras com pessoas com quem cruza no dia a dia

Nos últimos anos, esse efeito não se revelou uma quimera catastrofista de alguns agourentos, preocupados com o avanço tecnológico. Pelo contrário. As consequências do uso das redes sociais sobre o estado de espírito do homem já foram fartamente documentadas; outras áreas do conhecimento, como a sociologia e a filosofia, também se debruçaram sobre essa condição contraditória do ser humano contemporâneo, que pode falar com pessoas do mundo inteiro, mas é incapaz de trocar algumas palavras com pessoas com quem cruza no dia a dia; ou que tem acesso a mil fontes de informação, mas parece optar por permanecer na “doce” ignorância.

Buk em seu Mac em 1992

Entre essas pessoas que souberam duvidar das maravilhas da tecnologia moderna estava o escritor Charles Bukowski, talvez um dos personagens mais controvertidos da literatura estadunidense, mas, como bom poeta, também clarividente, sensível às necessidades autênticas do ser humano e às formas quase sempre equivocadas com que historicamente tentamos satisfazê-las.

Bukowski morreu em 1994, portanto testemunhou apenas o comecinho da era da informação que nos anos seguintes alcançaria seu ápice. Ainda assim teve tempo de escrever o poema this flag not fondly waving, cujo trecho transcrevemos a seguir, primeiro no original e depois em tradução livre. O livro póstumo em que ele foi publicado, The Continual Condition, de 2009, reuniu alguns de seus poemas inéditos e ainda não foi traduzido no Brasil.

***

now it’s computers and more computers
and soon everybody will have one,
3-year-olds will have computers
and everybody will know everything
about everybody else
long before they meet them.
nobody will want to meet anybody
else ever again
and everybody will be
a recluse
like I am now
.

***

hoje tudo são computadores e mais computadores
e logo todo mundo terá um,
as crianças de três anos terão computadores
e todo mundo saberá de tudo
sobre todo mundo
muito antes de se conhecerem.
ninguém vai querer encontrar ninguém
nunca mais novamente
e todo mundo será
um recluso
como eu sou agora.

Adaptado do site Pijama Surf

 


(10) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

MARCOS SILVEIRA CAMARGO em 03/08/2018 - 12h02 comentou:

“COMO POETA E ESCRITOR ANTENADO QUE ERA, O VELHO BUK SABIA DAS COISAS. MESMO NO INÍCIO DA ERA DIGITAL ELE SENTIU COMO SERIA TODA A COISA. E, FELIZ OU INFELIZMENTE, NUNCA MAIS HAVERÁ VOLTA. O FUTURO PROMETE SER, NO MÍNIMO, SURPREENDENTE.” – M.S.C.

Responder

Rita Andrade em 03/08/2018 - 14h24 comentou:

Sensatez e lucidez em sua poesia, e vivemos hoje em 2018, com isso é as contradições que nos levam do isolamento às visitas aos verdadeiros e antigos amigos. Com absoluta certeza que precisamos nos deslocar da frente da telinha para resgatar o verdadeiro valor de um aperto de mão , olhos nos olhos, é uma boa prosa

Responder

Tales em 04/08/2018 - 17h44 comentou:

Velho Buk sempre sensivel

Responder

Rubens Santos em 04/08/2018 - 18h14 comentou:

O velho Buck visionário,percebeu k que estava por vir.
A sociedade ao longo dos anos deu mostras desse presente sombrio.
O grande projeto desse feroz capitalismo está a pleno vapor!

Responder

Luiz em 05/08/2018 - 20h44 comentou:

Bukowsky e arte de escancarar a realidade

Responder

Mauro em 06/08/2018 - 13h10 comentou:

Bukowski é f***.

Responder

JOHN em 09/08/2018 - 14h23 comentou:

Escutando vc na Rádio Guaiba. Programa ficou maravilhoso. Que bom que vc existe!

Este teu sotaque lembra o RJ maravilhoso que morreu há poucas décadas. Do Machado e seus antecessores, sucessores, da grande literatura, da música, do teatro… Da imprensa maravilhosa que tivemos na tua cidade…

Continue! Virei aqui todos os dias.

Responder

    Cynara Menezes em 09/08/2018 - 14h57 comentou:

    mas eu sou baiana, viu?

Saul Neto em 22/09/2018 - 21h18 comentou:

Muito bom. Só uma correção: o título do poema tá errado. O poema se chama This flag not fondly waving. Abraço

Responder

    Cynara Menezes em 24/09/2018 - 15h33 comentou:

    corrigido, obrigada!

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cultura

“Guia Politicamente Incorreto” na TV engana autores para conseguir entrevistas


Produtores do canal History (sic) omitiram que depoimentos seriam utilizados em série desprezada pelos historiadores por falsear fatos para atacar a esquerda

Mídia

Seu smartphone está fazendo você envelhecer antes da hora? 5 enfermidades da era digital


Tenho escrito e pensado muito a respeito da distopia da internet, este mundo paralelo em que estamos vivendo graças ao excessivo tempo que destinamos a dispositivos eletrônicos. Uma escravidão à qual nos entregamos sem pestanejar.…