Socialista Morena
Politik

Dino debochado fez bolsonaristas se arrependerem do convite para ele ir à CCJ

Solto, sem marcação e com o apoio do craque Janones, o ministro da Justiça destruiu um a um os argumentos da extrema direita

Ministro da justiça, Flávio Dino, durante audiência na CCJ da Câmara. Foto: Lula Marques/Agência Brasil
Lucas Mesquita
29 de março de 2023, 15h57

Quando li a notícia de que Flávio Dino iria à CCJ da Câmara para responder a questionamentos de deputados bolsonaristas, pensei: ele vai jogar xadrez com pombo. A oposição vai cagar no tabuleiro, derrubar as peças e sair voando de peito estufado cantando vitória.

Mas foi um passeio no parque para o ministro da Justiça. Com um pouco de deboche e muito de verdade, que é o que importa, Dino respondeu calmamente sobre cada questão, calando os bolsonaristas um a um, exceto um ou outro que gritava, mas ninguém ouvia.

Eu estava lá e vou contar minhas impressões sobre essa tarde que prometia entretenimento e entregou aulas de como tratar a extrema direita.

Invertida

Um dos lunáticos, o deputado cearense André Fernandes, repetiu a falsa ladainha dos supostos elos entre o PCC e o PT. Tomou uma lapada do ministro e foi dormir de couro quente. Dino lembrou que o parlamentar é investigado no STF pelos atos terroristas de 8 de janeiro. Ainda disse que vai usar a burrice do deputado bolsonarista como exemplo em sala de aula, se referindo a uma confusão que Fernandes fez com o site Jusbrasil. Com vergonha, o parlamentar não abriu mais a boca.

Tigrões na internet, tchutchucas na vida real

Os deputados Eduardo Bolsonaro e Deltan Dallagnol passaram a semana inteira instigando seus seguidores nas redes sociais para o grande embate com o ministro. O ex-procurador, ex-palestrante e parça de Sergio Moro chegou a pedir para as pessoas mandarem perguntas para ele fazer para Dino. Realidade: o fritador de hambúrguer entrou mudo e saiu calado e Deltan saiu de fininho, sem ninguém perceber.

Janonismo cultural

São mais de 10 anos apanhando da extrema direita nas redes sociais. Mas André Janones mostrou no ano passado que a solução é fazê-los provarem do próprio veneno. Ver esse craque em campo foi um dos pontos altos da tarde. Como dizem nas redes, ele entra na mente dos bolsonaristas, que ficam nervosos porque sabem que perderam a hegemonia das próprias práticas.

Um “Vai, chupetinha” ali, um “ladrão de Rolex” acolá, e o parlamentar mineiro deixa a todos os bolsonaristas histéricos. A frase que mais ouvi ontem foi “Quem falou isso?”. Quem diria que uma das melhores formas de combater os bolsonaristas na rede seria com a mesma tática de quinta-série deles?

No dia seguinte, quarta-feira 29, Janones voltou à carga, assumindo ter sido ele quem falou “vai, chupetinha” e chamando os bolsonaristas de “frouxos”.

Conja

A deputada Rosângela Moro parece ter a mesma desenvoltura e capacidade cognitiva do marido –e uma voz tão irritante quanto, se não pior. É que o deputado Lindbergh Farias citou em sua fala o depoimento do advogado Tacla Duran, que acusou o advogado Carlos Zucolotto, padrinho do casal e ex-sócio de Rosângela, de cobrar propina pra ter vantagens em delação premiada no âmbito da lava-jato. Ela se sentiu ofendida e pediu direito de resposta. O presidente da CCJ, Rui Falcão, com razão, indeferiu o pedido. Afinal, não houve ofensa alguma. Foi só ela acusando o golpe mesmo.

Em outro embate com Lindbergh, Rosângela, com aquele tom moralista no estilo “quem não te conhece que te compre”, interpelou o deputado, que havia dito que a Polícia Federal do governo Lula havia agido pra proteger um adversário político, se referindo a Sérgio Moro. Rosângela então afirmou o óbvio, que a PF é uma instituição de Estado, não de governo, mas acabou levantando a bola para Lindbergh cortar: “Seu marido disse que foi (a PF) aparelhada no governo Bolsonaro. Foi seu marido que disse”.

Ramagem bolado

Falando em interferência na Polícia Federal, lembrei de Alexandre Ramagem. Ao responder ao agora deputado Ramagem, Flávio Dino disse que não lembrava o nome do parlamentar, e depois perguntou se era “aquele da polícia”. Ao final da sessão, saindo da CCJ, vi que o deboche do ministro deu resultado. Flagrei Ramagem conversando com assessores, visivelmente chateado. “Ele sabia que era eu, sim. Fez de propósito”.

Repugnantes com orgulho

Um dos questionamentos da extrema direita foi uma reunião do ministro com líderes comunitários do Complexo da Maré, no Rio de Janeiro. Dino bateu sem pena nos representantes da extrema direita: “Quando chega a época de campanha eleitoral todos lembram de ir às favelas e periferias, e ninguém pergunta se ali tem crime organizado ou não. É uma tentativa vil de criminalizar não o ministro da Justiça, mas aquela população. Com isso, não posso concordar, é como se fossem todos criminosos, mas não são. É um preconceito contra pessoas pobres, contra quem mora em bairro popular”.

Mas, como era de se esperar, alguns deputados, com orgulho de ser repugnantes, continuaram a destilar seus preconceitos, dando a entender que, para eles, na favela só tem bandido. Não faltaram acusações de que Dino fez acordo com o Comando Vermelho para poder entrar na comunidade. Serão todos processados, como deve ser.

A imunidade parlamentar é constantemente usada para cometer crimes e isso deve ser combatido.

*Lucas Mesquita é cineasta e dirigiu, junto com seu irmão Gabriel Mesquita o documentário Eles Poderiam Estar Vivos, sobre a sabotagem bolsonarista ao combate à pandemia de Covid-19.


(8) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Tércio Alexandre Cavalcante em 29/03/2023 - 18h33 comentou:

Parabéns pela bela reportagem

Responder

ROBINSON JAMAL em 29/03/2023 - 22h38 comentou:

Relato perfeito. A verdade volta a ser protagonista no Brasil contra esses torturadores extremistas.

Responder

Luciano Maluf em 30/03/2023 - 05h37 comentou:

Realmente, foi um passeio!

Responder

José Ricardo Pinto em 30/03/2023 - 15h47 comentou:

Para esses parlamentares de momento, pois quando sairem todos esquecerão deles, o PT faz acordo com todos comandos marginais ( PCC, Comando Vermelho). Coisa que, se fosse fato, os próprios bandidos perseguiram o PT.

Responder

Rogerio de Oliveira Faria em 02/04/2023 - 16h18 comentou:

Belíssimo trabalho jornalístico.

Responder

Edna Maria de Oliveira em 13/04/2023 - 16h13 comentou:

Depois desse texto maravilhoso, bem humorado e inteligentíssimo, só tenho uma coisa a dizer! Este Rapaz é muito fofo!
Obrigada Lucas Mesquita.

Responder

Caronte em 19/04/2023 - 09h28 comentou:

Sim, sim, sim, para um circo, a apresentação do presdigitador até que foi legal…

Vamos ao texto da tiete (que se entitula jornalista, seja lá o que isso queira dizer):

Em nenhum trecho, em nenhum momento houve qualquer discussão sobre políticas públicas de segurança, dos marcos constitucionais, sobre as políticas proibicionistas fracassadas dos EUA, da militarização do combate ao crime, da estruturas das carreiras policiais, da esquizofrenia do sistema normativo penal brasileiro, que é o que mais mata, mais ao mesmo tempo quer ser o mais garantista…

Enquanto isso, os policiais que ainda resistem à barbárie com algum bom senso são jogados aos leões…

Deu ruim nas escolas?

Corre, empenham-se verbas, compram-se traquitanas de Israel ou do beleléu, aumentam o efetivo (como, onde?), criam-se “patrulhas”, nomes, coletes, slogans e uniformes novos…putz…

Deu ruim nos presídios do NE, ou explodiram as favelas do Rio?

Corre, apaga o incêndio, chama o BOPE, a CORE, e corram para as montanhas…

Discussões sérias sobre descriminalização do mercado de entorpencentes?

– Herege, herege, herege, infiltrado, gritam os governitas…

– Quer complicar o governo no começo, com todas as pautas que estão em jogo? alardeiam os “coleguinhsa” da mídia domesticada…

Discussões sérias sobre alterações na carreira policial, com o fim da aberração da PM e Polícia Civil, municipalização de polícias, e fim do tenebroso e jaboticabeiro concurso externo para delegados, que prestigia um suposto “saber jurídico” para um cargo que deveria promover àqueles que estão há 20 anos nas investigações, e são esmagados pelo elitismo de uma ideia (falsa) de que um jovem de 23/25 anos, recém saído de uma universidade detém expertise em apuração policial só poque é capaz (nem sempre) de saber a difereça entre furto por fraude e estelionato?

Lula I, Lula II, Dilma I, Dilma quase II, e agora Lula III no começo, e tudo a mesma coisa…

E Cynara? Cadê Cynara? Tá aplauindo na plateia o fanfarrão do ministro gerando engajamento…

Responder

Caronte em 19/04/2023 - 09h31 comentou:

Sobre polícia, embora eu ache que antropologia ainda tem que rastejar muito até virar ciência, vale a dica:

Polícia da Cidade do Rio de Janeiro: seus dilemas e paradoxos, de Roberto Kant de Lima (1982).

Estava esgotado, mas deve ter em algum sebo por aí.

É a tese de doutorado dele, mas é fácil de ler…

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Bolsonaristas diziam que Lula perseguiria evangélicos e são eles que perseguem católicos


A CPI contra o padre Júlio Lancellotti escancara que a teocracia que a extrema direita pretende para o Brasil só admite uma religião, a neopentecostal

Politik

Governo brasileiro prometeu oferecer asilo a Julian Assange, diz pai de ativista preso


John Shipton fica perplexo ao saber sobre as vendas de joias e relógios por Bolsonaro e sugere que ele abra uma loja de penhores