Socialista Morena
Feminismo

Feminicídio: a mulher emparedada da ficção vira realidade no Brasil em 2021

Joice, 25 anos, foi estuprada, estrangulada e concretada numa parede em São Vicente; ser mulher no Brasil é macabro como um conto de terror

Joice, de 25 anos, foi morta e emparedada em São Vicente-SP. Foto: arquivo pessoal
Cynara Menezes
06 de outubro de 2021, 17h21

Em 1886, o escritor recifense Carneiro Vilela publicou o romance A Emparedada da Rua Nova, que conta a história da jovem Clotilde, cujo pai, o imigrante português Jaime Favais, encontrou uma forma de esconder sua gravidez e “preservar-lhe a honra”: emparedou-a viva no próprio quarto com a ajuda de um pedreiro.

Não se sabe até hoje se a ficção se baseou numa história real, porque a história da mulher emparedada já circulava havia tempo na capital pernambucana como “lenda urbana”. O livro, relançado pela editora Cepe em 2013, foi adaptado pela rede Globo e transformado em minissérie sob o título de Amores Roubados no ano seguinte. Em 2015, foi levado aos palcos como um espetáculo de dança pela paulista Eliana de Santana.

Pouco antes, uma jornalista e mestra em literatura, Mirella Izídio, havia revelado que Carmélio dos Santos Vilela, neto do escritor, afirmou no livro Carneiro Vilela: nascimento, vida e morte, que o assassinato e o consecutivo emparedamento de fato existiram. “É questão praticamente indissolúvel: quem nasceu primeiro, a obra do escritor ou o causo que passa de boca em boca?” questiona Mirella.

“O parente do autor d’A Emparedada retrata, com uma certa naturalidade até, que o romance foi ‘baseado em fato verídico, que aconteceu no primeiro andar de um sobrado, da Rua Nova, onde existe hoje um edifício, que tem o nº 200′”, ela mesma responde, no artigo De neblina e de concreto: um estudo sobre a construção de realidades n’A emparedada da Rua Nova, publicado pela revista de estudos literários Crátilo, da UNIPAM, em 2012.

Capa do livro de Carneiro Vilela

No México também circula outra lenda de mulher emparedada, La Novia Emparedada de Ixtapaluca, com enredo similar: uma bela jovem, Gervasia, filha de um rico fazendeiro, se apaixona por um trabalhador e o pai, que rejeitava a relação da herdeira com um empregado, acaba por emparedá-la às vésperas do casamento com o peão, após lhe dar uma surra que a deixara desacordada.

Corta para o Brasil de 2021, vida real. Joice Maria da Glória Rodrigues, de 25 anos, casada e com duas filhas pequenas, estava desaparecida desde 27 de setembro em São Vicente, São Paulo. Saíra para visitar o avô, que mora no bairro Parque Bitaru, na Área Insular, ficou no local até por volta das 19h, e nunca mais foi vista. Nesta terça-feira, a polícia descobriu que Joice foi estuprada por um pedreiro, estrangulada com uma camiseta e emparedada por ele em um imóvel em construção na Rua Senador Lúcio Bittencourt, no bairro Esplanada dos Barreiros. O corpo foi concretado em uma parede, embaixo de uma escada.

A polícia descobriu que Joice, desaparecida desde o dia 27 de setembro, foi estuprada por um pedreiro, estrangulada com uma camiseta e emparedada por ele em um imóvel em construção em São Vicente, São Paulo. O corpo foi concretado em uma parede, embaixo de uma escada

Segundo o site G1, o proprietário do terreno foi questionado pela polícia sobre áreas recém concretadas ou frescas existentes na obra. “Ele respondeu que não havia nenhuma, entretanto, nesta terça, pensando na possibilidade levantada pelos policiais, observou que, no banheiro do piso térreo, embaixo da escada, o vão havia sido fechado, com um acabamento mal feito. Diante disso, ele golpeou uma vez, e sentiu um forte odor. Ele acionou os policiais civis, que se dirigiram ao local e derrubaram parte da parede, constatando que o corpo estava dentro.”

Os casos de feminicídio no país cresceram durante a pandemia de coronavírus. Pelos registros oficiais, no ano passado 1338 mulheres foram assassinadas por sua condição de gênero, a maioria delas por companheiros ou ex-companheiros e sempre com requintes de crueldade.

Todos os dias o noticiário traz relatos assim: no dia 6 de setembro, a influenciadora Bruna Quirino, de 38 anos, foi assassinada a facadas pelo marido na presença da filha do casal; Marcela da Silva Soares, de 19 anos, foi torturada e estrangulada em um motel de Palmas, Tocantins, no dia 20 de setembro; Vittória Samilly, de 18 anos, foi morta a tiros no domingo, 3 de outubro, enquanto dançava com amigos na praia em Porto Seguro, Bahia; no mesmo dia, em Bonito de Santa Fé, Paraíba, Marilene Monteiro, de 52 anos, foi baleada e morta pelo companheiro, que também feriu o filho dela.

Emparedadas pelo machismo, ser mulher no Brasil é macabro como um conto de terror.


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Denise Elizabeth Ramiro em 09/10/2021 - 16h38 comentou:

Chega de violência contra as mulheres. Acho que essa a grande revolução que não pode ser adiada. #MulheresDoMundoUnivos

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Feminismo, Politik

Rappers argentinas defendem Emicida: censurar canções é desviar o foco


Ouvi a canção Quimeras no rádio e fiquei curiosa para assistir ao vivo as garotas do grupo de rap argentino Actitud Maria Marta. Elas se apresentariam sexta-feira passada em Brasília durante o festival Cena Contemporânea,…

Feminismo

Machocracia: o homem moldado no Paleolítico que se identifica com Bolsonaro


Orgulhosos em ser grosseiros e preconceituosos, os bolsominions parecem esconder certo medo de se tornarem uma espécie em extinção