Socialista Morena
Politik

Os pobres precisam contrair coronavírus para ter acesso a hospitais decentes?

Equipados e limpos, hospitais de campanha contrastam com as imagens cotidianas de pacientes deitados nos corredores do SUS

Hospital de campanha Lagoa-Barra. Foto: Mauricio Bazilio/GovRJ
Cynara Menezes
28 de abril de 2020, 18h13

O governo do Rio de Janeiro inaugurou no sábado, 25 de abril, o primeiro dos 9 hospitais de campanha que irão receber pacientes com coronavírus no Estado. O hospital Lagoa-Barra, erguido em 19 dias num terreno no Leblon, Zona Sul da capital, oferecerá 200 leitos (100 deles de UTI) e será operado pela iniciativa privada (Rede D’Or). Inicialmente, serão abertos 30 leitos, sendo 10 de UTI.

O hospital conta com tomografia digital, radiologia convencional, aparelhos de ultrassom e ecocardiograma e laboratório de patologia clínica. Outros 8 hospitais de campanha e um modular estão previstos, colocando à disposição da população 1,8 mil leitos na região metropolitana e  no interior fluminense. O próximo a ser inaugurado deverá ser o do Maracanã, com 400 leitos, 80 deles de UTI.

São Paulo, o Estado com maior número de infectados pelo coronavírus, já conta com dois hospitais de campanha na capital, instalados no Anhembi e no Pacaembu, e haverá um terceiro no Ibirapuera a partir de 1º de maio. Todos os leitos receberão oxigênio através de uma rede de distribuição e contam com raios-x móvel, eletrocardiógrafo e tomografia computadorizada. No interior foram montados hospitais de campanha em pelo menos 7 cidades.

No Pará, serão entregues quatro hospitais de campanha, em Belém, Marabá, Santarém e Marajó, disponibilizando 720 leitos exclusivamente para atendimento do Covid-19.

Hospital de campanha em Marabá. Foto: divulgação

Em Águas Lindas (GO), o governo federal concluiu em 15 dias um hospital de campanha que contará com 200 leitos adaptáveis para unidades de tratamento semi-intensivas, com tubulação e suporte para respiradores. O segundo hospital de campanha federal será inaugurado em Manaus, no Amazonas, um dos mais críticos em relação à pandemia.

Hospital de Águas Lindas. Foto: Alberto Ruy/Minfra

Ao ver as imagens destes hospitais de campanha, com equipamentos novinhos em folha e inteiramente limpos e organizados, sentimos ao mesmo tempo esperança de que iremos derrotar a pandemia e tristeza por ver que os pobres brasileiros precisam contrair coronavírus para ter acesso a um atendimento de saúde decente. Enquanto isso, os portadores de tuberculose, doenças cardiovasculares, insuficiência renal, diabetes e outras doenças continuarão penando em filas ou deitados no corredor?

O tempo recorde com que estes hospitais estão sendo inaugurados, ainda que sejam estruturas provisórias, também faz a gente pensar: será que não poderíamos ter hospitais públicos melhores em tempos não emergenciais como agora, hospitais “padrão FIFA”, como dizem os que adoram detonar o SUS? A impressão que fica é que sim, poderíamos ter. O que falta é vontade política.

Enquanto os doentes de coronavírus serão tratados em hospitais de campanha novos e equipados, os portadores de tuberculose, doenças cardiovasculares, insuficiência renal, diabetes e outras doenças continuarão penando em filas ou deitados no corredor?

Uma das principais razões pelas quais a Alemanha pôde enfrentar bem o coronavírus em relação a outros países da Europa é a alta taxa de leitos por habitantes, uma das maiores do mundo. Enquanto os brasileiros contam com 1,9 leitos para cada mil habitantes, os alemães contam com 8 leitos por mil habitantes. Segundo a AMIB (Associação de Medicina Intensiva Brasileira), seriam necessários pelo menos mais 3200 leitos em UTIs no país para suprir as necessidades da pandemia.

Para a OMS, a relação ideal seria de 1 a 3 leitos de UTI para cada 10 mil habitantes. Hoje, o SUS tem 1 leito de UTI para cada 10 mil habitantes, mas 95% deles estão ocupados. Na rede particular, de acordo com a AMIB, a relação é de 4 leitos para cada 10 mil habitantes e a ocupação média é de 80%. Faltam leitos e faltam profissionais: desde que Bolsonaro insultou os cubanos, fazendo o governo da ilha retirá-los do país, o Brasil tem 8 mil médicos menos do que na época da presidenta Dilma Rousseff.

Não é possível que, após derrotarmos o coronavírus com tecnologia e instalações adequadas, continuemos a ter os hospitais sucateados de sempre. Será que nem uma pandemia é capaz de mudar a mentalidade dos políticos brasileiros em relação à saúde pública?

Um dos Estados que melhor tem enfrentado a pandemia até agora é a Bahia, onde o governador Rui Costa (PT) fez investimentos raros em saúde pública: entre 2015 e 2019 foram construídos sete novos hospitais e 16 policlínicas. O resultado é que o índice de letalidade entre os baianos é baixo comparado a Estados mais ricos e menos populosos da federação. Até agora, 83 pessoas morreram na Bahia, contra 77 do Paraná, por exemplo, mais rico e com a população menor. O Ceará, aliás também governado por um petista, Camilo Santana, tem 390 mortos por coronavírus e 2 milhões de habitantes a menos . O Amazonas, com uma população quase quatro vezes menor que a Bahia, tem 320 vítimas fatais da doença. Tudo muda quando a saúde é colocada como prioridade.

Depois que essa pandemia passar, uma nova era deveria começar na saúde pública brasileira. Não é possível que, após derrotarmos o coronavírus com tecnologia e instalações adequadas, continuemos a ter os hospitais sucateados de sempre. Será que nem uma doença como essa será capaz de mudar a mentalidade dos políticos brasileiros em relação à saúde pública?

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(3) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Miguel Paiva em 29/04/2020 - 15h25 comentou:

Super pertinente. Dava uma campanha, a campanha do hospital de campanha para sempre.
Bj

Responder

Eduardo dos Anjos em 30/04/2020 - 14h59 comentou:

Espero que sim, mas primeiro o próprio povo deve perceber isso e na hora de apertar a tecla verde, escolher alguém comprometido com a saúde pública. E claro, a mídia fazer o seu papel de bem informar, o que é muito mais difícil. Ainda bem que temos a mídia independente fazendo um papel digno e relevante. Saúde a todos nós.

Responder

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA. em 01/05/2020 - 15h44 comentou:

NOS ANOS 70 o INAMPS também faliu, porque o pessoal
Tinha preguiça de trabalhar.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Governo de Raul Castro convoca médicos do programa Mais Médicos de volta a Cuba


O blog teve acesso a um comunicado emitido hoje pelo governo de Raul Castro convocando 1672 médicos cubanos que atuam no programa Mais Médicos para que retornem à ilha. O governo de Cuba já estabeleceu…

Cultura

As raízes históricas da “pãodemia” que tomou conta das redes na quarentena


O pão transmite uma multitude de significados, e assá-lo preenche variadas funções práticas, psicológicas e sociais