Socialista Morena
Politik

Será que Geraldo Alckmin aguenta o tranco de ser vice de Lula?

Sem a blindagem do PSDB, ex-governador será investigado como nunca foi; nesta semana os jornais já requentaram denúncia antiga

Geraldo Alckmin em campanha em 2018. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Cynara Menezes
17 de março de 2022, 19h11

Foram variadas as reações quando se começou a cogitar a escolha de Geraldo Alckmin para vice na chapa de Lula nas eleições de outubro. Houve quem aceitasse de bom grado como uma estratégia para unir setores em torno da derrota de Bolsonaro; houve rejeição à escolha dentro do próprio PT, diante do passado do ex-governador e do sentimento de que ele, ao contrário do que pensa Lula, não agregaria votos; houve quem, como os bolsonaristas e os ciristas, cobrassem “coerência” dos petistas por se juntarem a quem tanto criticaram no passado; e houve ainda quem o associasse ao golpe sofrido por Dilma Rousseff em 2016, temendo que a História se repita.

Experiente, o ex-tucano sabe que a artilharia midiática e judicial estará toda em sua direção ao dizer “sim” a Lula. Se aceitar a vice, aceita também o desafio de não ser abatido em pleno vôo, porque sem dúvida a temporada de caça a Alckmin está aberta

Esta semana, porém, a notícia de que a Polícia Federal estaria investigando a denúncia de um delator de que Alckmin teria recebido 3 milhões de reais em Caixa 2 da concessionária Ecovias colocou um novo fator na mesa: e se ele mesmo não quiser ter a vida esquadrinhada em uma campanha eleitoral que se avizinha sangrenta? Como todo candidato a cargo majoritário, e multiplicado por mil quando se trata do PT, o vice de Lula será investigado por jornalistas, MP e pela Polícia Federal de Bolsonaro. Sem a blindagem que o PSDB sempre teve, Alckmin aguentará o tranco?

entrou para o folclore político brasileiro o tratamento, digamos, diferenciado que os tucanos sempre tiveram da Justiça. Ao longo dos anos, enquanto petistas eram condenados e presos, inclusive Lula, os verbos mais associados a políticos do PSDB eram “inocentar”, “arquivar”, “extinguir”, “rejeitar” e finalmente “prescrever”. Se duvida de mim, dê um Google. O próprio Sergio Moro, nos diálogos revelados pela Vaza-Jato, rejeita investigar o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso para não “melindrar alguém cujo apoio é importante”. Outro verbo emblemático.

É preciso dizer que a matéria com a “denúncia” jamais seria publicada pela Folha de S.Paulo e outros veículos com tamanho estardalhaço na quarta-feira, 16 de março, ou pelo menos teria sido melhor checada, se Alckmin ainda fosse tucano. Isso porque, segundo o ex-governador paulista disse no twitter, ela já havia sido arquivada pela Justiça Eleitoral na quinta-feira passada, dia 10. Em nota, Alckmin já havia reclamado que, “depois de tantos anos, mas em novo ano eleitoral, o noticiário seja ocupado por versões irresponsáveis e acusações injustas”.

Embora possua a fama de “decorativo”, desde que a democracia foi reinstalada no Brasil a escolha do vice-presidente é a jogada mais complicada do xadrez eleitoral. Em 1994, Guilherme Palmeira, do antigo PFL (hoje DEM), candidato a vice de FHC, foi acusado de elaborar emendas para favorecer obras de uma empreiteira e de ter duas aposentadorias precoces em cargos públicos e acabou sendo substituído por Marco Maciel. Anódino e moralmente inatacável, Maciel permaneceria na vice até o final do governo.

No mesmo ano, José Paulo Bisol, então no PSB, era cotado para vice de Lula, mas, devido a denúncias (nunca comprovadas) de que apresentou emendas superfaturadas, foi trocado por Aloizio Mercadante. Em 2002, a escolha do mineiro José Alencar agradou o empresariado, parte da militância petista torceu o nariz, e no final das contas deu certo. Sobre Michel Temer, vice de Dilma, é melhor nem comentar.

Político experiente que é, Geraldo Alckmin sabe que a artilharia midiática e judicial estará toda em sua direção a partir do momento em que disser o “sim” oficialmente para Lula. Até agora, ele ainda nem entrou no PSB –ao que tudo indica, a filiação será no dia 23, em Brasília. Se aceitar a vice, o ex-tucano aceita também o desafio de não ser abatido em pleno vôo, porque sem dúvida a temporada de caça a Alckmin está aberta.

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
PIX: [email protected]
(4) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Marcos Luiz da Silva em 18/03/2022 - 09h47 comentou:

Excelente matéria vou compartilhar.

Responder

Mauro em 23/03/2022 - 14h32 comentou:

Quanto ao título desse texto, tenho certeza absoluta que não.

Responder

Sergio Vauduro em 24/03/2022 - 19h10 comentou:

Essa escolha é a estratégia mais absurda já vista na política mundial.
Alckmin já se declarou inimigo de Lula e do PT por diversas vezes, difamando e contribuindo com os prcessos contra o partido, alem de defender claramente o capitalismo e os “faria limers”.
Ele será o Cavalo de Tróia par enterrar de vez o Lula na história, pois a maioria dos brasileiros já não confiam mais no PT, e a esquerda-raiz também não.

Responder

mauro em 08/04/2022 - 22h34 comentou:

voto no lula, mas que vice é esse? é preciso uma ampla aliança. mas o alckmin não representa nada. é um político sem nenhuma experiência no parlamento. como elepoderá fazer a articulação necessária para a governabilidade do próxim governo? e não é uma pessoa confiável. não tem nenhum projeto para o país. além do mais, recebia propina da odebrecht. agora que ele não é mais protegido, vão vir vir para cima, e sem a blindagem do psdb, será investigado como nunca foi, será que ele vai aguentar o tranco?

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Mídia

Te cuida, EBC: Macri começa a sucatear a comunicação pública na Argentina


Na mesma tarde que a seleção de Messi derrotou a Nigéria, governo anunciou a demissão de 354 trabalhadores na agência de notícias Télam

Politik

Socialista Morena na TV


Recebi um convite da RedeTV! para comentar política diariamente no principal telejornal do canal, que será reformulado. O sr. Amilcare Dallevo, presidente da emissora, me garantiu que terei TOTAL LIBERDADE de opinião e de temas.…