Socialista Morena
Direitos Humanos

Série “Na Fila do SUS” mostra como é ter uma saúde pública sucateada em plena pandemia

Com seis episódios, foi produzida pela plataforma independente Bombozila, que pretende se firmar como a "Netflix das lutas sociais"

Morador da Cracolândia, em São Paulo, recebe cartilha de prevenção ao coronavírus. Foto: reprodução
Da Redação
07 de maio de 2020, 20h12

Com seis episódios e produzida de forma independente pela plataforma Bombozila, que pretende se firmar como “a Netflix das lutas sociais” no Brasil, a websérie “Na Fila do SUS” mostra como é para as populações mais vulneráveis estar no meio de uma pandemia com a saúde pública do país sucateada.

O primeiro episódio, “O Povo da Rua”, aborda o desmonte da saúde sob a ótica da população em situação de rua na cidade de São Paulo, acompanhando a atuação do padre e ativista Julio Lancelotti. “O grande interesse contra a população de rua em todo o Brasil é o mercado imobiliário”, diz Lancelotti, que tem sofrido ameaças de morte da PM por se colocar como entrave aos interesses da especulação na região da Mooca. O enfrentamento do coronavírus pelos moradores de rua paulistanos esbarra em dificuldades prosaicas do dia a dia, como a obtenção de água potável.

“O grande interesse contra a população de rua em todo o Brasil é o mercado imobiliário”, diz padre Julio Lancelotti. O enfrentamento do coronavírus pelos moradores de rua esbarra em dificuldades prosaicas do dia a dia, como a obtenção de água potável

Em “Povos Indígenas”, a série mostra como a pandemia, mais uma “doença de branco”, chega às aldeias num momento de completa desestruturação da saúde indígena, iniciada no governo Michel Temer e continuada por Jair Bolsonaro. Desde que o presidente insultou os profissionais cubanos, forçando o governo da ilha a retirá-los do país, muitos distritos indígenas que nunca contaram com médicos voltaram a não ter nenhum.

“Eu fico pensando que o coronavírus escancara tudo que a gente tem de difícil neste momento”, define o médico da família Jorge Esteves no terceiro episódio da série, “Favela Nós por Nós”. A história se repete: a pandemia aparece na favela justamente quando o prefeito Marcelo Crivella se empenhara em dilapidar o sistema de saúde do município, retirando os centros de saúde da família das comunidades.

O que faz a favela? Se organiza para se proteger a si mesma: espalham panfletos orientando a população, distribuem máscaras, cestas básicas… Os irmãos Tandy e Thiago Firmino, do Morro Santa Marta, tiveram a ideia de higienizar as ruas da favela com quaternário de amônia, inspirados no que foi feito na China, e agora inspiram favelas do país inteiro.

Thiago Firmino higienizando o Morro Santa Marta. Foto: reprodução

O quarto e mais recente episódio disponível, “Linha de Frente”, retrata a dura realidade dos trabalhadores e trabalhadoras da saúde que estão arriscando as próprias vidas, muitas vezes em precárias condições, para combater o coronavírus. Além de estarem sendo alvo, aqui como em outros países, de manifestações de ódio em vez de agradecimento.

“A atual situação da saúde evidenciada pela pandemia de Covid-19 soa como um recado urgente: é necessário promover o debate sobre o desmonte do SUS no Brasil. Reforça que a população precisa tomar conhecimento sobre o impacto disso na vida delas”, diz a diretora da série, Ellen Francisco,  pesquisadora em Saúde Pública. “Em tempos em que a necessidade de isolamento é a melhor medida, o documentário de luta social é uma importante ferramenta para a defesa do direito à saúde, porque estamos em um momento em que faltam leitos, equipamentos, medicamentos, é um cenário extremamente complicado.”

Foto: reprodução

Todo o conteúdo da série foi produzido de forma independente, com recursos de profissionais de saúde da linha de frente no país e conta com o apoio do sindicato dos trabalhadores e trabalhadoras da Fundação Oswaldo Cruz e ainda com um financiamento coletivo que segue aberto para quem quiser apoiar.

“A situação da saúde evidenciada pela pandemia de Covid-19 soa como um recado urgente: é necessário debater o desmonte do SUS no Brasil. Reforça que a população precisa tomar conhecimento sobre o impacto disso na vida delas”, diz a diretora Ellen Francisco

Criada em 2016 no Rio de Janeiro por iniciativa da radialista e pesquisadora chilena Sabina Alvarez e do documentarista independente brasileiro Vito Ribeiro, a plataforma Bombozila reúne documentários produzidos em sua maioria nos últimos 20 anos. A Bombozila também realiza suas próprias produções documentais, séries de projeções em espaços públicos, oficinas de formação audiovisual para democratizar o acesso à comunicação e fomentar a produção audiovisual popular, em diversas comunidades da América Latina.

Até o momento são cerca de 500 documentários independentes sobre justiça social e luta por direitos na plataforma, prioritariamente produzidos no Brasil e América Latina, mas também títulos de países como Palestina, África do Sul, Portugal, Espanha e Estados Unidos.

Confira os episódios disponíveis abaixo. Basta clicar para assistir.

O Povo da Rua 
2º Povos Indígenas
Favela Nós por Nós
Covid-19
5º Sistema Único de Saúde – estreia 11 de maio
6º Uberização da vida – estreia 18 de maio

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Silvio Carlos em 09/05/2020 - 14h33 comentou:

Uma excelente iniciativa de conscientização social!

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Maconha

Por que descriminalizar a maconha é um problema social e não um “luxo burguês”


Será que ter liberdade para fumar um baseado beneficiará só o Gregório Duvivier, como parece pensar parte da esquerda?

Politik

Perguntei para os leitores: “E quando acabar a pandemia, o que você quer fazer?


Elucubrando sobre o "novo normal" no país com o azar de enfrentar um presidente estúpido e uma pandemia ao mesmo tempo