Socialista Morena
Cultura

Um assassinato no Cais do Valongo: romance embaralha ficção e feridas da escravidão

Local de chegada dos negros escravizados, recentemente reencontrado no Rio, é o cenário do livro de Eliana Alves Cruz

Desembarque de escravos no Rio de Janeiro. Gravura de Rugendas, 1835
Marina Lacerda
30 de junho de 2020, 20h52

A trama do romance de Eliana Alves dos Santos Cruz se passa no tempo de Dom João e é ambientado no Cais do Valongo, região central da cidade do Rio de Janeiro. O ancoradouro funcionou por 20 anos e, estima-se, recebeu entre 500 mil e um milhão de africanos. No início das obras para a restauração da região portuária, em 2011, o cais foi reencontrado. Principal ponto de desembarque de escravizados nas três Américas, único vestígio material do tráfico negreiro no continente, foi declarado, em 2017, Patrimônio Histórico da Humanidade pela UNESCO.

É nesse cenário que vai aparecer o corpo de um tal comerciante Bernardo Lourenço Viana. A ficção de O Crime do Cais do Valongo (Malê, 2019) se mistura ao resgate histórico do que foram o fim do século 18 e o início do 19 num dos canais de ligação África–América.

A descrição do horror da escravidão é somada à narrativa sobre a ancestralidade nas culturas africanas, a potência de vida e as estratégias de resistência, junto com doses inesperadas de humor

A narrativa é feita pelos personagens Muana Lómuè, propriedade de Bernardo, e Nuno Alcântara Moutinho, seu devedor. Ele, filho de português com africana, nasceu livre, com “tez negra clara”, pertencente ao que a academia nomeia de camadas médias do período colonial. Ela, a principal voz, é uma mulher escravizada.

Eu nunca tinha lido um livro cuja fala fosse desse sujeito histórico.

Muana conta a saga de sua vida como criança e adolescente em Moçambique, a fuga da família da cidade de origem, a tenacidade de sua mãe para poupá-la do que hoje chamamos de mutilação genital, sua captura, a morte por doenças, suicídio, loucura e assassinato de seus próximos, a travessia em um tumbeiro e, finalmente, a escravização no Brasil.

A descrição do horror da escravidão é somada à narrativa sobre a ancestralidade nas culturas africanas, a potência de vida e as estratégias de resistência –Muana inclusive, secretamente, aprende a ler e a escrever–, junto com doses inesperadas de humor.

A capa do livro

A zona portuária do Rio, na virada do século 19, seguiu concentrando ex-escravizados, alforriados e comunidades quilombolas, pelo que foi apelidada por Heitor dos Prazeres de Pequena África.

No bairro fica o Cemitérios dos Pretos Novos. Se você for visitar, não é fácil reconhecer que a casa com portões tímidos abriga um pedaço tão relevante de nossa História. O local é administrado com muita boa vontade, mas a base de doações e com pouca estrutura, pelo casal que era dono do edifício e descobriu as ossadas na década de 1990, ao abrirem as fundações para uma reforma.

O sítio deveria ser transformado em algo como os museus do holocausto que existem pelo mundo, ou como o museu de direitos humanos no Chile. Um espaço de memória, para que pudéssemos fazer o luto dessa barbaridade constitutiva da nossa formação

O sítio deveria ser transformado em algo como os museus do holocausto que existem pelo mundo, ou como o museu de direitos humanos no Chile. Um espaço de memória, para que pudéssemos fazer o luto dessa barbaridade constitutiva da nossa formação, com a estatura que a relevância do tema merece.

Mas não. Somos o país que mais recebeu escravizados na era moderna e não temos sequer um museu sobre o tema. Só em 2003 se criou lei determinando o estudo da história e cultura africanas, e até hoje isso ainda não está totalmente efetivado.

Aqui chegaram 4,5 milhões de africanos capturados. Estima-se que no Cemitério dos Pretos Novos jazem entre 20 e 30 mil corpos, depositados entre 1769 a 1830. Esse é o verdadeiro Crime do Cais do Valongo do livro de Eliana. É assim que a trama termina. Me desculpem o spoiler.

Marina Basso Lacerda é doutora em ciência política, autora do livro O Novo Conservadorismo Brasileiro: de Reagan a Bolsonaro (Zouk, 2019)

 

 

 


(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Paulo+Roberto+Martins em 03/07/2020 - 12h04 comentou:

Realmente só num país de crápulas não existe sequer um museu para lembrar a escravidão.Já em qualquer povoado do mundo tem um “museu” do Holocausto judeu.Somos um país de mendigos intelectuais.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Direitos Humanos

Ministério Público Federal no Rio move ação contra Bolsonaro por ofensas a quilombolas


O Ministério Público Federal no Rio entrou hoje, 10 de abril, com ação civil pública contra o deputado de extrema-direita Jair Bolsonaro por danos morais coletivos a comunidades quilombolas e à população negra em geral.…

Direitos Humanos

Bolsonaro é processado por quilombolas de todo o país pelo crime de racismo


Por Katia Guimarães* Conhecido por não medir palavras na hora de ofender minorias, o deputado de extrema-direita Jair Bolsonaro (PSC-RJ) corre o risco de, finalmente, morrer pela boca. Depois das últimas declarações em palestra no Clube…