Socialista Morena
Trabalho

Contraf diz que mulheres do campo serão as maiores prejudicadas pela reforma

"Modelo proposto é excludente, injusto e desleal com os povos do campo", diz entidade dos trabalhadores na agricultura familiar

Mulheres camponesas em protesto em Brasília em 2015. Foto: José Cruz/Agência Brasil
Da Redação
22 de fevereiro de 2019, 14h37

A Confederação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar divulgou nota pública criticando o projeto de reforma da Previdência enviado ao Congresso pelo governo de extrema-direita de Jair Bolsonaro por “excluir grande parte dos trabalhadores e trabalhadoras da Agricultura Familiar do regime previdenciário na condição de segurados especiais, sendo que as mulheres agricultoras serão as mais prejudicadas”.

A Contraf lembrou que a concessão da cobertura previdenciária aos trabalhadores rurais, agricultores e agricultoras familiares ocorreu de forma bastante tardia no Brasil. “Foi somente após 1988, com a edição da nova Constituição, que os trabalhadores rurais e a agricultura familiar passaram a ser reconhecidos como cidadãos e trabalhadores e a ter direito de participar do Regime Geral da Previdência Social. E, na prática, isso se efetivou apenas em 1991, com as leis 8.212 e 8.213, que incluiu a agricultura familiar no RGPS como segurados especiais, mediante a contribuição sobre o valor bruto da comercialização.”

Trata-se de um retrocesso que recoloca a agricultura familiar em condições mais vulneráveis socioeconomicamente e aumenta a desigualdade social de condição de vida entre o campo e cidade

A entidade acusa o governo de propor um modelo “excludente, injusto e desleal com os povos do campo”. “Trata-se de um retrocesso que recoloca a agricultura familiar em condições mais vulneráveis socioeconomicamente e aumenta a desigualdade social de condição de vida entre o campo e cidade”, diz a nota, explicitando que é um absurdo comparar as condições de trabalho dos trabalhadores urbanos com os rurais.

“É de sol a sol, enfrentando o calor, o frio e a chuva, em condições árduas, que os trabalhadores e trabalhadoras da agricultura familiar produzem o alimento da nação. Logo, percebe-se que a postura do governo em não avaliar as diferenças de trabalho e impor condições como a idade mínima é mais uma injustiça social”, critica a entidade.

Na proposta da reforma, os trabalhadores e trabalhadoras da agricultura familiar continuam pagando uma alíquota sobre o valor bruto da produção comercializada, mas isso não lhes garante o direito aos benefícios previdenciários, como ocorre atualmente. Pior: mesmo que os camponeses contribuam todos os anos, os benefícios não superam o valor de um salário mínimo.

“Se o total da contribuição familiar não atingir 600 reais, nenhuma das pessoas que integra o grupo familiar poderá computar aquele ano para comprovar tempo de contribuição para efeitos de direito a qualquer benefício previdenciário”, diz análise técnica da entidade. “Mas, se o valor da contribuição familiar for maior que 600 reais por ano, o valor dos benefícios continuará sendo de um salário mínimo”.

Leia a íntegra da nota aqui.

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Bolsonaro só fala em cocô, mas procurador é punido por chamá-lo “bunda-suja”


Corregedor que propôs punição a procurador baiano é o mesmo que arquivou reclamação disciplinar contra Dallagnol

Feminismo

Patrícia Lélis: “quero Eduardo prestando serviço numa instituição LGBT”


PGR denunciou o deputado, filho do presidenciável Jair Bolsonaro. Em prints, ele ameaça a jornalista e a chama de "puta"