Socialista Morena
Cultura

Artista, em 2020 faça como Emicida: apoie uma ONG que você respeita

Rapper e plataforma Deezer vão doar todo o lucro obtido com o clipe "Silêncio" ao ISA, ONG em defesa dos povos indígenas

Cena do clipe "Silêncio". Foto: reprodução
Cynara Menezes
07 de janeiro de 2020, 14h47

O primeiro ano da extrema direita no poder foi um ano de intenso ataque às ONGs (Organizações Não-Governamentais). Jair Bolsonaro atribuiu a elas a responsabilidade sobre tudo, das queimadas na Amazônia às manchas de petróleo nas praias do Nordeste, cujas reais causas e responsáveis seu inepto governo não soube identificar até agora.

A história das ONGs se confunde com a história da ONU. O termo “organização não-governamental” surge em 1945, mesmo ano em que as Nações Unidas são criadas. Não é à toa que quem ataca as ONGs também ataca a ONU. As ONGs surgiram como uma forma de a sociedade se organizar para cobrar e realizar ações onde o Estado tem se mostrado ineficiente ou omisso, como nas questões ambientais e indígenas.

Governantes autoritários como Bolsonaro tendem a não gostar de organizações independentes que apontem seus erros, como a ONU, as ONGs ou a imprensa

É inegável a importância das ONGs nestes mais de 70 anos. Curioso que os que criticam a atuação do terceiro setor sejam os mesmos que vivem falando em “Estado mínimo”… Governantes autoritários como Bolsonaro naturalmente tendem a não gostar e a perseguir organizações independentes que apontem seus erros, como a ONU, as ONGs ou a imprensa.

Portanto, é mais fundamental do que nunca que personalidades e artistas apoiem as ONGs que respeitam. Em outubro, vi com muita satisfação que o rapper Emicida e a plataforma de streaming Deezer vão doar todo o dinheiro arrecadado com Silêncio, clipe de lançamento de seu novo álbum, AmarElo, ao ISA (Instituto Socioambiental). Criado há 25 anos, o ISA é uma das mais respeitadas ONGs em defesa dos povos indígenas.

O músico anunciou a doação no twitter. O clipe Silêncio já tem mais de 1 milhão de visualizações.

“‘Silêncio’ tinha como principal objetivo introduzir ao universo do que viria em seguida, as próximas músicas de AmarElo. Isso porque, quando a gente fica em silêncio, você começa a escutar outras coisas e, depois, se conecta”, explicou Fióti, irmão e parceiro de Emicida, ao Socialista Morena. “E essa era a porta de entrada pro AmarElo, que é um projeto que joga luz naquelas coisas que são vistas como ‘as pequenas coisas’ e que propõe uma conexão.”

“Quando surgiu a ideia de parceria com alguma ONG, o ISA pareceu fazer muito sentido, como se fosse um paralelo ao que é proposto em AmarElo. Era a vez de jogar luz em uma organização que tem como foco ‘as pequenas coisas’, no caso a defesa dos direitos socioambientais, entre outras iniciativas muitas sérias tocadas por eles”, disse Fióti.

Adriana Ramos, do ISA, contou ao site que o instituto recebeu a notícia da doação de Emicida com surpresa. “Recebemos com muita satisfação, não só pela possibilidade do apoio, mas principalmente pelo reconhecimento do nosso trabalho. Para além da importância da doação em si, a visibilidade que um artista como Emicida pode trazer para o trabalho realizado pelo ISA tem um valor inestimável. Também é muito importante como um estímulo à sociedade e a outros artistas para que apoiem o trabalho das organizações da sociedade civil.”

Para além da doação em si, a visibilidade que um artista como Emicida pode trazer para o trabalho do ISA tem um valor inestimável. Também é importante como estímulo à sociedade e a outros artistas para que apoiem as organizações da sociedade civil

Segundo Adriana, o instituto não tem nos recursos públicos sua principal fonte de financiamento, por isso as atitudes hostis de Bolsonaro ainda não tiveram impacto financeiro no trabalho que realiza. “O ISA sempre teve apoio de uma variedade muito grande de financiadores”, diz Adriana. “Mas obviamente o bloqueio de recursos como os do fundo Amazônia prejudica o desenvolvimento de projetos, principalmente dos nossos parceiros locais.”

A maior preocupação em 2020, diz, é com a segurança das comunidades indígenas e quilombolas, já que as manifestações do presidente e seus ministros fomentam a violência e abrem caminho para a impunidade.

“Desde a campanha eleitoral Bolsonaro deixou claro que pretende acabar com todo tipo de militância, portanto não nos surpreende que haja essa tentativa recorrente de desqualificação do trabalho das organizações da sociedade civil. O que temos visto é uma legitimação da ação daqueles que ilegalmente tem invadido os territórios Indígenas para explorar indevidamente recursos naturais. O assassinato de quatro indígenas Guajajaras são o exemplo mais recente.”

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Cláudio em 18/01/2020 - 21h13 comentou:

É importante o apoio às ONGs e aos/às artistas e pessoal progressista através de participação financeira, também.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Feminismo

A canção cafona de Chico Buarque, moralismo e ídolos inatacáveis


Vamos combinar, a nova canção do Chico Buarque é cafona. Cafonérrima. O que me incomoda na crítica a ela é o moralismo embutido. Mas não acho que ninguém seja sagrado, todo mundo pode ser alvo…

Cultura

70 anos do cantor Sérgio Sampaio, 23 anos de sua morte: uma entrevista em…


Eu, que sempre fui fã de Raul Seixas, encontrei seu amigo e parceiro Sérgio Sampaio em junho de 1993, quando atuava como repórter de Cultura no Jornal de Brasília e ele, após dez anos quieto,…