Socialista Morena
Direitos Humanos

Cuba: a pandemia não respeita fronteiras nem ideologias; países devem unir esforços

O "país dos jalecos brancos", que enviou médicos à Itália, convidou EUA e Canadá a participar de encontro virtual entre as Américas

Cartum feito pela italiana Bianca Taglialatela Gil em homenagem aos médicos cubanos. Foto: reprodução
Da Redação
25 de março de 2020, 21h04

Na contramão do discurso ideologizado de Bolsonaro e Trump, o ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, alertou nesta quarta-feira, por videoconferência, na Primeira Reunião Extraordinária dos Ministros de Relações Exteriores e Saúde dos Países do Caribe, que só a união dos países pode vencer o coronavírus.

“O momento pede que afastemos as diferenças políticas para nos concentrar em enfrentar a emergência e as suas graves consequências no futuro imediato”, disse. “Cada país pode e deve contribuir com o que esteja a seu alcance. A pandemia não respeita fronteiras nem ideologias, devemos unir esforços e nos apoiar mutuamente.”

O ministro cubano se mostrou consciente de que, superada a pandemia, virão os efeitos econômicos “devastadores” dela, com o mundo sucumbindo a uma profunda recessão que afetará em cheio os países do hemisfério Sul. Em um quadro como este, advertiu, é inútil pensar que a ajuda virá do Norte

O ministro cubano propôs que nas próximas semanas se realize um encontro virtual com especialistas de saúde de todos os países da América, inclusive Estados Unidos e Canadá, para estabelecer comunicação, compartilhar experiências e intercambiar informação para unificar o enfrentamento à epidemia.

Cuba, que tem, ao longo da História, se firmado como “o país dos jalecos brancos”, enviando médicos a todo país que enfrente problemas de saúde pública, embarcou até agora centenas de profissionais para ajudar no combate ao coronavírus na Itália, Venezuela, Nicarágua, Granada e Suriname.

O ministro cubano se mostrou consciente de que, superada a pandemia, virão os efeitos econômicos “devastadores” dela, com o mundo sucumbindo a uma profunda recessão que afetará em cheio os países do hemisfério Sul. Em um quadro como este, advertiu, é inútil pensar que a ajuda virá do Norte.

“Não devemos esperar e muito menos confiar que os países ricos e industrializados venham salvar nosso povo. Pouca ajuda chegará do Norte. A responsabilidade de assumir o desafio e atuar como merecem nossos cidadãos é nossa”, disse. “Teremos que meditar sobre como assumir as dificuldades econômicas, comerciais e consequentemente sociais para nossos países. Enfrentaremos um cenário com o turismo afetado, transporte reduzido, linhas comerciais reduzidas; com incerteza no abastecimento e distorção dos fluxos mercantis. Não podemos pensar que o mercado dará resposta a estes desafios. Será preciso o empenho de nossos governos. Se juntamos esforços, teremos melhores possibilidades de de superar isso em menos tempo.”

Não podemos pensar que o mercado dará resposta a estes desafios. Será preciso o empenho de nossos governos. Se juntamos esforços, teremos melhores possibilidades de de superar isso em menos tempo

Cuba ainda não teve transmissão local do coronavírus. Todos os 57 casos registrados até agora foram de cidadãos e cidadãs estrangeiros, vindos de outros países ou que tiveram contato com turistas infectados. Ainda não houve nenhuma morte. Bruno Rodríguez atribuiu os resultados “à coesão social e à solidariedade”, à infraestrutura de atenção primária que garante o controle epidemiológico e ao fato de Cuba priorizar a saúde da população. “Temos um desenvolvimento científico especializado em doenças transmissíveis e contamos com uma indústria farmacêutica de alto nível tecnológico.”

Ele lembrou ainda o histórico de solidariedade do país. “Nos motivam os valores solidários que caracterizam Cuba, incluída a premissa de compartilhar o que temos, ainda que seja escasso”, disse. “A realidade que enfrentamos requer que coloquemos a vontade de agir e a solidariedade à frente da inação e do egoísmo. A humanidade demanda uma solução efetiva. Juntos podemos conseguir isso.”

Com informações do Granma

 

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

pedro+de+A.+Figueira em 30/03/2020 - 19h08 comentou:

Em Cuba não se fala em dilema entre economia e vida.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Coronavírus: é preciso mesmo desinfetar os pacotes do supermercado? Não


O que há de real e de exagero nos conselhos para higienizar os alimentos que compramos na rua ou pedimos em casa

Politik

40 anos do golpe no Chile – Fidel Castro: amigo ou muy amigo de…


Em novembro de 1971, dois anos antes do golpe militar no Chile, um avião soviético Ilyushin pousava no aeroporto de Santiago trazendo um visitante ilustre: o líder cubano Fidel Castro