Socialista Morena
Cultura

Eu ouvi “convite para caruru”? Está aberta a temporada da comida de Cosme e Damião

Tô com fome e é setembro. Será que vai rolar um vatapá na casa da minha querida Yarinha?

Escultura de Alessandra Menezes (instagram @estudio.ale)
Joana Rizério
18 de setembro de 2023, 17h33

Setembro inaugura a temporada de caruru na Bahia. A comida de São Cosme e Damião é servida tradicionalmente na casa de um monte de gente que eu conheço.

Mas será que eu conheço mesmo? Não vejo ninguém desde a pandemia. Tornei-me uma jovem senhora tarada por lençóis limpos numa cama minha em pleno sábado à noite. Como vou saber quem tá dando caruru?

O caruru é servido tradicionalmente na casa de um monte de gente que conheço. Mas será que conheço? Não vejo ninguém desde a pandemia. Tornei-me uma jovem senhora tarada por lençóis limpos em pleno sábado à noite. Como vou saber quem tá dando caruru?

Corro pra jogar água na cara e me transporto para a casa de Yarinha e Tuna. É setembro. Tem cana e bala de mel pela mesa toda. Tuna já não faz falta porque está logo ali, de dedo em riste, aconselhando João a não usar turbante branco.

Acordo. Como será que tá Yarinha? Outro dia nós nos encontramos na calçada e ela me chamou pra conhecer sua psiquiatra. Estranhamente, estava em sua casa e chamava-se Nise da Silveira, como a famosa psiquiatra. Na certa, a médica de Yarinha foi batizada depois da doutora.

Achei tudo tão estranho e gostoso que engoli a pressa que tinha em apanhar um ônibus ou um resfriado. Acompanhei minha querida “tia emprestada” através do vale de flamboyants.

Tem umas quatro décadas na minha frente, Yarinha, mas subiu os degraus devidos até seu apartamento com muito mais graça e fôlego que eu. Paramos. Eis a porta diante da qual por tantas vezes eu passei correndo.

A gente fazia picula e arranhava os carros enquanto Roseira e Marcelo se escondiam dos caretas pra fazer aquela fumaça que eu não conhecia e hoje me é tão cara. “Nise, venha conhecer Joana”, chama Yarinha, apartamento adentro.

Um cachorro do tamanho de um chinelo aparece. “Essa é minha doutora”, diz minha tia antes da gargalhada. Yarinha sempre foi de pregar peças. O cachorro é o médico, que gênio.

Jogo mais água no rosto. Tô com fome e é setembro. Será que vai rolar um vatapá na casa da minha querida Yarinha?


(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Mario em 19/09/2023 - 10h50 comentou:

Que delícia!

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cultura

Fora Temer, uma cerveja louca para virar Diretas Já


Quem procura a cerveja artesanal do MST “é curioso e minimamente progressista”. A marca virou um sucesso, mas os fãs não veem a hora de o rótulo com o "vampiro" ser trocado por algo melhor

Cultura

A tarde ensolarada em que fui chamada pela primeira vez de “veinha”


Foram necessários 55 anos para eu chegar até aqui, mas apenas poucos segundos para ser reduzida de "maneira" a "supimpa"