Socialista Morena
Cultura

Rita Lobo zoa o bolsonarismo com laranja, escondidinhos e muitas pitadas de humor

Bolo milícia de limão, bolo de laranja com cobertura rachadinha... A fina ironia da chef no twitter deixa um gostinho de quero mais

Rita Lobo ralando uma laranja, seu ingrediente favorito no twitter. Foto: divulgação
Da Redação
18 de maio de 2021, 19h37

No dia 13 de maio, o bolsonarismo tremeu: a apresentadora e chef Rita Lobo anunciou que iria fazer receitas para a CPI do Genocídio.

E não deu outra. A primeira receitinha do “especial gastronômico da CPI” apareceria no twitter de Rita apenas três dias depois, após o presidente da República chamar de “idiotas” os brasileiros que ainda fazem isolamento social para não serem contaminados com o coronavírus. Repare na sutileza do leite “condenado”…

Desde junho do ano passado, quando saiu a notícia que o fugitivo Fabricio Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, havia sido encontrado na casa do advogado de Jair em Atibaia que a chef se esmera em provocações quentinhas e deliciosas ao bolsonarismo.

Geralmente as receitas levam laranja, bem ao gosto da família que se encontra no poder, ou “limão miliciano”, como diz Rita.

Os trocadilhos com os ingredientes, aliás, são o ponto alto das receitinhas. O bolo milícia de limão com cobertura rachadinha e crocante virou tendência.

A cobertura rachadinha apareceria novamente sobre um fofinho bolo de laranja… Parece que Flávio Bolsonaro aprovou.

A surreal declaração de Jair Bolsonaro, em janeiro, afirmando que quem toma vacina “pode virar jacaré” imediatamente se transformou numa receita pelas mãos da talentosa chef.

Ah, um minion não gostou da receita? A “titia” faz outra.

O legal é que Rita Lobo também funciona como agência de checagem. O governo disse que o vírus foi inventado na China? É men-ti-ra.

Quando os veteranos jornalistas Leda Nagle e Alexandre Garcia apagaram os vídeos onde faziam propaganda da cloroquina, da ivermectina e do “tratamento precoce” que não existe, também se tornaram alvo das pitadas de ironia da apresentadora.

O preconceito de classe explícito do ministro da Economia, Paulo Guedes, tampouco escapou da fritura a fogo brando de Rita.

Tem Pazuello (que usou a desculpa de suspeita de Covid-19 para fugir à CPI), tem Ramos (o general que tomou vacina escondido), tem Ricardo Salles: poucos ministros de Bolsonaro escaparam à faca, ou melhor, à língua afiada de Rita Lobo.

Confira abaixo outras receitas dela para zoar o bolsonarismo com classe. E com gostinho de quero mais…


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(2) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Mario em 18/05/2021 - 21h59 comentou:

Oi Cynara

Genial! O carluxo devia se inspirar em Rita Lobo e tentar diminuir a vergonha que ele passa com aquele monte de asneiras pseudointelectuais que escreve.

Responder

Bernardo Santos Melo em 19/05/2021 - 22h07 comentou:

Rita Lobo , merece aplausos com receitas hilárias , zombar de Genô acalenta o ódio , mas o ideal seria um bolo de ovo podre na fuça do COISO .

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cultura

Nietzsche e as vísceras enturvadas de Bolsonaro


Sob a ótica dos conselhos nutricionais do filósofo alemão, o presidente brasileiro é uma indigestão ambulante

Politik

Quem enlameou as Forças Armadas foram os militares que se uniram ao governo sujo…


Defesa, que nada fez contra a militarização da Saúde, agora ameaça o país por não aceitar investigação de corrupção sobre os seus