Socialista Morena
Mídia

Fake news: a arte de enganar na política (e a de querer ser enganado por ela)

A relação problemática entre política e verdade se deve à capacidade do ser humano de ao mesmo tempo mentir e demandar por enganação

"Mídia Social". Aquarela de Jean Wyllys (03/03/2020)
Jean Wyllys
10 de dezembro de 2020, 10h18

O desejo pelo reconhecimento é o que nos faz humanos. Isto é mais ou menos o que diz o filósofo Platão, no Fedro. Mas ele também sugere que essa característica específica –e fundamento mesmo do ser humano– está acompanhada de outra com dupla expressão: a capacidade de enganar e o desejo de ser enganado. São duas expressões de uma mesma característica que miram a si próprias, como Narciso e seu reflexo na água.

A mutação mais recente da economia capitalista –o neoliberalismo– associada às novas tecnologias da comunicação e da informação (a internet, seus hardwares e softwares: rede de cabos de fibra ótica, satélites, chips, laptops, smartphones, tablets com microfones ultra-sensíveis e câmeras de alta resolução, sites, plataformas digitais e aplicativos) nunca interpelaram tanto essas duas caraterísticas humanas  –principalmente a segunda– quanto neste contexto histórico em que vivemos, sobretudo depois da pandemia de Covid-19.

A capacidade de mentir e a vontade de acreditar em mentiras têm sido, ao longo da história, as ameaças mais graves ao mundo comum. Quem fala a verdade não vigora em parlamentos e com raras exceções chega a governos; está desde sempre ameaçado de ser difamado, preso injustamente, assassinado ou exilado

Se é certo que esses dois fundamentos da humanidade são os responsáveis pelas artes e pelas grandes obras literárias que esta produziu em todas as culturas, não é errado afirmar que ambos também engendram religiões e seitas religiosas e sustentam seus exploradores; e são, principalmente, os responsáveis pela histórica relação problemática entre verdade e a política. A capacidade de mentir e a vontade de acreditar em mentiras têm sido, ao longo dos anos, as ameaças mais graves ao mundo comum (o espaço e o tempo compartilhados pela diversidade humana e cultural, demais espécies vivas e recursos naturais). Quem fala a verdade não vigora em parlamentos e com raras exceções chega a governos. Quem fala a verdade na política está desde sempre ameaçado de ser difamado, preso injustamente, assassinado ou exilado.

Em minha pesquisa de doutorado sobre as fake news, teorias da conspiração e outras formas de desinformação na política, venho tentando fazer simultaneamente –como sugere o filósofo francês Michel Foucault (1926-1984)– uma genealogia deste poder e uma arqueologia deste “saber” de modo a entender por que eles retornaram com tal força na atualidade e qual  pode ser a extensão de seus danos morais e materiais em indivíduos, coletivos e nas democracias.

A Arte da Mentira na Política –obra de mais de 307 anos (atribuída por muito tempo a Jonathan Swift (1667-1745), o autor de As Viagens de Gulliver, mas, na verdade, de autoria de John Arbuthnot (1667-1735)– já antecipava e explicitava a problemática relação entre política e verdade, devido à capacidade do ser humano de mentir e demandar por enganação, dois séculos antes do início da popularização da expressão “fake news” –mais ou menos no sentido que lhe damos hoje– nos EUA; e dois séculos e algumas décadas antes de que Freud, Hannah Arendt e os freudiano-marxistas da Escola de Frankfurt –Adorno, Horkheimer, Marcuse e Benjamin– analisassem a imbricação mais profunda quanto danosa entre política e mentira (propaganda) materializada no Estado nazista conduzido por Adolf Hitler na Alemanha do final dos anos 30. 

Líderes fundamentalistas movem seu ódio a inimigos imaginários com citações da Bíblia, Corão e Torá tiradas dos contextos, em si já problemáticos. Mas há também doutrinadores políticos “de esquerda” que fazem isso com a obra de Marx; e alguns ativistas de movimentos de minorias com os textos de Fanon, Butler e Preciado

Por causa da capacidade de uns de enganar (e de gostar de enganar!) e da demanda de muitos outros pela enganação e pela mentira, emergiram com sucesso, naqueles tempos e agora, impostores sedutores e carismáticos travestidos de “intelectuais”, “pensadores” ou “filósofos” que estiveram e estão por trás da ascensão de tiranos, facínoras, ditadores e genocidas. Místicos e misóginos todos eles (e amiúde antissemitas, supremacistas brancos e homofóbicos) sabem construir –com citações de verdadeiros filósofos e pensadores tiradas de seus contextos originais e costuradas– uma colcha de retalhos textuais que agrada os olhos de uma maioria que desconhece o tecido original de cada pedaço emendado um no outro nesta colcha, e a toma como algo inteiro e coerente; e, assim, esses impostores conseguem manipular a demanda de muitos por serem enganados, ou seja, por ver reforçados os preconceitos, ressentimentos e medos que constituem suas subjetividades e imaginários. Eles conseguem mover o ódio das pessoas contra inimigos imaginários (o que Peter Sloterdijk chama de “subjetivação militar”) e lucrar muito com isto.

Algo que líderes religiosos fundamentalistas costumam fazer em seu proselitismo com citações da Bíblia, do Corão e da Torá tiradas de seus contextos, em si mesmos já problemáticos. Mas também algo que doutrinadores políticos que se dizem “de esquerda” costumam fazer com a obra de Marx; e alguns ativistas de movimentos de minorias com os textos de Fanon, Butler e Preciado. Sem mencionar, claro, os coach e a maioria dos jornalistas neoliberais, enganadores incorrigíveis; e políticos oportunistas de centro-direita como Ciro Gomes, que paulatinamente abre mão de sensatez no debate público, de modo a estimular, nas mídias sociais, um culto mistificador e politicamente violento em torno de sua figura, na esperança de obter o mesmo sucesso eleitoral dos fascistas bolsonaristas.

Em relação aos impostores “filósofos” e “pensadores” por trás da mais recente onda de extrema-direita mundo, acaba de ser publicada, pela Editora da Unicamp, a tradução do estudo que o antropólogo Benjamin Teitelbaum –professor na Universidade do Colorado (EUA)– realizou sobre alguns deles: Guerra pela Eternidade: o retorno do tradicionalismo e a ascensão da direita populista.

A eleição de Bolsonaro em 2018 e a vitória em 2020 de políticos de direita que se misturam a porcos e depois os descartam, não são só produtos da propaganda baseada em fake news: são também fruto da demanda de muitos pelas mentiras. Ninguém é inocente aí

Em relação a outras obras já publicadas no campo das Ciências Humanas e da Filosofia sobre este mesmo tema, o livro de Teitelbaum se destaca por se basear numa etnografia (na verdade, mais uma rigorosa investigação jornalística) que incluiu horas de entrevista com o principal desses impostores fanáticos: Steve Bannon, o cérebro por trás das propagandas baseadas em fake news e teorias conspiratórias que levou a maioria dos votantes no Reino Unido a optar pela saída deste da União Europeia, e a maioria dos eleitores dos EUA a elegeram Donald Trump em 2016.

Teitelbaum também se dedica neste livro a revelar os vínculos entre Bannon, o charlatão Olavo de Carvalho e a extrema-direita brasileira, hoje dividida entre o “lavajatismo” e o “bolsonarismo”. Ao ler o que o antropólogo revela sobre a trajetória de Olavo de Carvalho –o homem que passou de astrólogo a católico ultraconservador, tendo sido muçulmano no intervalo desta mutação mística–; e ao levarmos em conta o fato de este sociopata ser o mentor “intelectual” de promotores, juízes, parlamentares, ministros , secretários, empresários e jornalistas brasileiros, fica evidente o quanto a capacidade de mentir e enganar e a demanda por enganação podem se tornar ser mortíferos. O governo Bolsonaro é o exemplo mais chocante disto depois do nazismo e do stalinismo.

A eleição de Bolsonaro e de políticos de extrema-direita em 2018 e a vitória, nas eleições municipais deste 2020, de políticos de direita que se misturam com os porcos e depois os descartam não são produtos apenas dos que exerceram sua capacidade de enganar por meio da propaganda baseado em fake news e teorias da conspiração: elas são também fruto da demanda de muitos pelas mentiras que lhes confortam e dão lhes dão identidade. Ninguém é inocente aí. E saber disso é fundamental para lutar pelo espaço da verdade.

Jean Wyllys é escritor, jornalista, doutorando em Ciências Políticas pela Universidade de Barcelona, professor-visitante no ALARI do Hutchins Center da Universidade de Harvard e pesquisador da OSIFE

 


(12) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Fabiana França em 10/12/2020 - 12h43 comentou:

Simplesmente perfeito!

Responder

Ana Maria Eugenio da Silva em 10/12/2020 - 13h52 comentou:

Excelente reflexão, tenho vergonha de ter como presidente, uma pessoa desumana, inconsequente e incompetente!!

Responder

Roberto Agnaldo em 10/12/2020 - 23h26 comentou:

O mal sempre dá as pessoas aquilo que elas desejam, por mais nefastas que sejam as consequências

Responder

Dioclécio Lopes em 11/12/2020 - 07h38 comentou:

E neste caso as mentiras têm pernas longas. Depois de empossados, estes imbecis só deixam o governo com impeachment, que não acontece com maioria parlamentar comprada.

Responder

Maria Da Fé Ramos Pontes em 11/12/2020 - 07h40 comentou:

Gratidão Willys, devemos combater as mentiras ou fakenew do parlamento e executivos.

Responder

Maria Da Fé Ramos Pontes em 11/12/2020 - 07h43 comentou:

Gratidão Willys, essa análise é muito importante para entender esse processo de fake new para destruição de toda organização da classe trabalhadora. Não podemos admitir.

Responder

Yuri Andrey em 11/12/2020 - 09h19 comentou:

Muito bom! Identificar essas características humanas e aplicá-las aos terríveis dias de trevas em que vivemos de uns anos para cá faz com que haja alguma tentativa de entendimento da situação toda.
Entendendo, compreendendo e apredendo talvez a gente consiga fazer com que ela não se repita. Que acho que é onde todos devemos tentar alcançar: não mais tornar possível que criaturas deploráveis da política ganhem espaço em futuras eleições.
Ótimo trabalho e sucesso no doutorado!
Grande fã da sua pessoa, das suas posturas e ideias!
Abraços

Responder

Gladis Uzun Fleischmann em 11/12/2020 - 10h26 comentou:

A matéria leva a excelente reflexão . Precisa ser levada a grupos p entender nosso momento politico no mundo inteiro. Do indivíduo ao coletivo.

Responder

Maria Da Fé Ramos Pontes em 11/12/2020 - 21h44 comentou:

É confortavel saber disto. E entender a perseguição com militantes da esquerda, nós não aceitamos as mentiras.

Responder

Bernardo Santos Melo em 12/12/2020 - 12h56 comentou:

Grande Jean !
Grande Cynara !
O momento exige unidade imediata , o adversário transmutou-se em INIMIGO do BRASIL .
Parafraseando o ilustre João Moreira Salles , “VIOLENTO , RACISTA , MISÓGINO , HOMOFÓBICO, INCULTO e PERVERSO “este é o perfil quase completo do INOMINÁVEL .
Não podemos nem cochilar , o momento é grave .
De Boulos até Ciro UNI-VOS !

Responder

Dinarte Brás em 12/12/2020 - 15h26 comentou:

As fakes news são ingredientes de uma estratégia ampla patrocinada pelas elites capitalista, aristocrática e fascista, que projetam um plano para controlar o mundo nas suas várias dimensões, desde logo instrumentalizando as escolas e universidades para seguirem uma doutrina de conteúdos direcionada aos seus interesses, para que esses estudantes quando sair das universidades continuem a promover os seus interesses e
por aí fora….

Responder

Maurício Borges em 26/03/2021 - 18h29 comentou:

Na actualidade a mentira na politica tornou-se o principal veiculo que transporta os sonhos dos aventureiros em realidades factuais. Os avanços das TIC(tecnologias de informação e de comunicação), facilitarem imenso o status quo. Pois há uma tendência cada vez maior em seguir-se os eloquentes verbais e os pseudo reformistas.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Será que Geraldo Alckmin aguenta o tranco de ser vice de Lula?


Sem a blindagem do PSDB, ex-governador será investigado como nunca foi; nesta semana os jornais já requentaram denúncia antiga

Kapital

“O Globo” omite fiasco em outros países para apoiar privatização dos Correios por Bolsonaro


Prazos de entrega continuaram os mesmos ou pioraram e preços dos serviços subiram nos países onde houve privatização