Socialista Morena
Politik

No Chile, até senador pinochetista critica Bolsonaro: “Não aceitaremos intromissões”

Ivan Moreira, um ardente defensor da ditadura, disse ser "inaceitável" que qualquer presidente se imiscua nos assuntos internos de seu país

Senador Ivan Moreira e o retrato de Pinochet que orna seu gabinete. Fotos: Congresso do Chile/Acervo pessoal
Cynara Menezes
30 de agosto de 2022, 16h23

As graves acusações feitas por Jair Bolsonaro contra o presidente do Chile, Gabriel Boric, no debate do último domingo continuam a provocar indignação até mesmo na oposição ao governo. Sem apresentar nenhuma evidência, Bolsonaro acusou Boric de “tacar fogo em metrôs” durante o estallido social, os protestos massivos que aconteceram entre 2019 e 2020 que levaram o país a convocar uma Assembleia Nacional Constituinte. Após a fala do brasileiro, o governo chileno convocou seu embaixador em Brasília para dar explicações.

Ivan Moreira já disse em diversas ocasiões que sempre defenderá a ditadura militar e que Pinochet “está no céu”. Parece até Bolsonaro falando, mas ele deixou a ideologia de lado na hora de defender a soberania de seu país em resolver seus próprios assuntos

“Não é aceitável, sob qualquer circunstância, que qualquer presidente se imiscua nos assuntos internos de nosso país. Se o presidente Bolsonaro tem informações de que o presidente chileno estaria vinculado a atentados no metrô durante as manifestações, tem a obrigação de entregar estas informações e provas”, disse Ivan Moreira, senador da direita conservadora, evangélico e membro da UDI (União Democrata Independente), de oposição.

A declaração causou surpresa, porque Moreira se notabilizou por ter feito, em 1998, uma greve de fome contra a prisão de Augusto Pinochet, ordenada pelo juiz espanhol Baltasar Garzón quando o ditador chileno se encontrava em Londres em tratamento de saúde. A greve de fome durou apenas cinco dias.

O senador também disse em diversas ocasiões que sempre defenderá a ditadura militar e que Pinochet “está no céu”. Parece até Bolsonaro falando, mas Moreira deixou a ideologia de lado na hora de defender a soberania de seu país em resolver seus próprios assuntos.

Moreira acrescentou que “intromissões alheias” não podem ser toleradas pelos chilenos. “Pode-se dizer muitas coisas nos debates políticos, aludir a outros presidentes. Mas no Chile não aceitamos, sob qualquer circunstância, intromissões alheias. Para isso temos nossas polícias, a procuradoria-geral e os tribunais de Justiça”.

“Pode-se dizer muitas coisas nos debates políticos, aludir a outros presidentes. Mas no Chile não aceitamos, sob qualquer circunstância, intromissões alheias. Para isso temos nossas polícias, a procuradoria-geral e os tribunais de Justiça”, disse o senador

A acusação sem provas de Bolsonaro é mais uma a causar um incidente diplomático para o Brasil, hoje brigado com vários presidentes ao redor do mundo –até com Joe Biden, dos EUA, o bolsonarismo buscou encrenca, acusando-o, também sem provas, de ter ganhado as eleições mediante fraude. Bolsonaro também já criticou a esposa do presidente da França, Emmanuel Macron, e seguidamente ataca o presidente da Argentina, Alberto Fernández.

A ministra das Relações Exteriores do Chile, Antonia Urrejola, declarou que as afirmações do presidente brasileiro são “gravíssimas” e que espalhar notícias falsas não é a forma correta de fazer política.

“Como governo nos parece que estas declarações são gravíssimas. Obviamente são absolutamente falsas e lamentamos que, num contexto eleitoral, se utilizem as relações bilaterais e se polarizem por meio de desinformação e das notícias falsas”, disse a chanceler.

“A desinformação erosiona a democracia e, neste caso, erosiona a relação bilateral. Estamos convencidos de que esta não é a maneira de fazer política e, além disso, não é a maneira de fazer política quando se trata de dois chefes de Estado democraticamente eleitos.”

Em nota oficial, o ministério das Relações Exteriores do Chile declarou que as palavras de Bolsonaro são “inaceitáveis” e “não condizem com o trato respeitoso que os chefes de Estado devem ter um com o outro nem com as relações fraternas entre dois países latino-americanos”.

Com informações da CNN Chile


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta: 000591852026-7
PIX: [email protected]
(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Bernardo Melo em 01/09/2022 - 12h40 comentou:

PINOQUIAR é prática & método no gabinete do Inominável .ESTRATÉGIA !
Cento e tantos imóveis , mansões e sigilos de 100 anos , auxílios escabrosos e Fakes News aos borbotões .
AFLITA e sem alternativas a terceira via recorre a madame TEBET -Ciro Gomes mantêm a língua afiada , erram diariamente por falta de empatia e simplicidade no discurso de seu admirável projeto desenvolvimentista .
Admitia haver um fio de esperança na Vitória em primeiro turno , Ciro & TEBET eliminaram está possibilidade de forma explícita , comprometidos com a Burguesia inculta e desinformada preparam -se p viajar PARISEANDO .

I de imobiliária do Messias ?
Como será 07-09-2022 ?
E os gestos e gritos da plateia ROCK RIO ?

Trinta dias faltantes ,Urnas prontas , motociatas a todo vapor e nosso povo com FOME & COMPRADO .

Apertar 13 é obrigação ! 🇧🇷

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Papa alfineta Milei (e Bolsonaro): “Messias só existe um, o resto são palhaços messiânicos”


Em um recado aos jovens argentinos, que se inclinam ao candidato de extrema direita, Francisco advertiu para os "flautistas de Hamelin"

Mídia

A construção do “mito”: como a mídia promoveu o discurso anti-DH e pró-ditadura de…


Estudo mostra como jornais popularizaram candidato ao dar espaço às agressões verbais que são sua maior marca em 30 anos de carreira