Socialista Morena
Politik

Perguntei para os leitores: “E quando acabar a pandemia, o que você quer fazer?

Elucubrando sobre o "novo normal" no país com o azar de enfrentar um presidente estúpido e uma pandemia ao mesmo tempo

Os Amantes, René Magritte, 1928
Cynara Menezes
12 de maio de 2020, 15h34

Tenho a impressão de que nós, brasileiros, somos o povo mais azarado da face da Terra nesse momento. Nós, no planeta inteirinho, fomos os escolhidos para enfrentar uma pandemia e ao mesmo tempo o governante mais estúpido do mundo. Não sou eu quem diz, não, é o Washington Post: Bolsonaro é o pior líder, entre todos, na gestão da crise do coronavírus, disse o jornal em editorial. E olha que isso foi antes de nosso presidente passear de jet-ski enquanto o país ultrapassava a marca dos 10 mil mortos.

Às vezes penso que, se Deus é brasileiro, deve ter migrado para a Argentina. O que nós fizemos para merecer essa tragédia de proporções bíblicas que é ter a Covid-19 e Bolsonaro de uma só vez? A pandemia e o pandemônio? O vírus e o verme? Graças à irresponsabilidade do gestor federal, os governadores estão tendo que endurecer as regras do confinamento para tentar impedir um colapso do sistema de saúde.

O que nós fizemos para merecer essa tragédia de proporções bíblicas que é ter a Covid-19 e Bolsonaro de uma só vez? A pandemia e o pandemônio? O vírus e o verme? Se Deus é brasileiro, migrou para a Argentina

Dizem os especialistas que no final de maio a pandemia alcança o pico e a partir daí poderemos, aos poucos, voltar à “normalidade”, ou à “nova normalidade”. Nunca vivemos uma época de tantas incertezas como agora. O que será este novo normal? As máscaras farão parte do nosso cotidiano até quando? E se nunca mais pudermos deixar de usar máscaras, como nos filmes de ficção científica? E se esse futuro já chegou?

Reflito sobre o porvir caminhando, nariz e boca tapados, no caminho para o supermercado. O céu noturno em Brasília está despejado, cheio de estrelas e a lua brilha. A atmosfera está perfeitamente respirável. Nada a ver com a “chuva ácida” de Blade Runner. Como acreditar que neste mesmo ar bilhões de coronavírus se agitam, doidos para entrar no meu organismo? Enquanto isso, não muito longe dali, milhares de brasileiros (170 mil e subindo) precisam de ventiladores mecânicos para respirar…

E quando tudo isso acabar? Não nos resta muito a fazer a não ser imaginar o que queremos fazer após a pandemia. Sonhar com dias melhores. Perguntei no twitter o que as pessoas mais desejam depois que a quarentena acabar. As respostas dão um quentinho no coração neste princípio de inverno ensolarado porém frio e rodeado de sombras…

Foram centenas de respostas, quase 500 até agora. Selecionei algumas e organizei-as em nove temas por ordem de importância, a partir da minha própria premissa: como moro longe da família, meu primeiro desejo é revê-los, assim como todos na mesma situação que a minha; quem mora com os pais manifesta outras vontades mais urgentes. Detalhe: desejos pessoais empatam com o desejo coletivo de tirar Bolsonaro do poder tão logo pudermos sair de casa.

Afinal, a esperança é a última que morre, né, gente?

1. Rever a família e os amigos

2. Arrancar Bolsonaro do Planalto

3. Encher a cara

4. Bye, bye, Brasil

5. Ficar perto da natureza

6. Ir num show

7. Namorar muuuuitooo

8. Dar um pega

9. Viver e não ter a vergonha de ser feliz


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(2) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

pedro+de+A.+Figueira em 14/05/2020 - 18h35 comentou:

A respeito do que fazer após a pandemia e da “volta à normalidade”, acabamos, eu e minha mulher, de traduzir um manifesto recém publicado no Monde. Estou enviando-o a você. Talvez valha a pena fazer considerações a respeito dele.

“Nada de retorno ao normal”: de Roberto de Niro a Juliette Binoche, o apelo de 200 artistas e cientistas.
Um coletivo de personalidades, entre as quais Madonna, Cate Branchett, Philippe Descola, Albert Fert, lançam no “Monde” um apelo, por iniciativa de Juliette Binoche e Aurélien Barrau, aos dirigentes e cidadãos tendo em vista mudar profundamente o modo de vida, de consumo e a economia.
Publicado em 06 de maio de 2020.

A pandemia do Covid-19 é uma tragédia. Esta crise, no entanto, tem o mérito de nos convocar a enfrentar questões essenciais.
A questão é simples: os “ajustes” já não bastam mais, o problema é sistêmico.
A catástrofe ecológica em curso decorre de uma “meta-crise”: a extinção maciça da vida na Terra já não dá mais lugar à dúvida e todos os indicadores anunciam uma eminente ameaça à existência. Diferentemente de uma epidemia, por mais grave que ela seja, trata-se de uma derrocada global, cujas consequências serão inimagináveis.
Apelamos, portanto, solenemente, aos dirigentes e cidadãos a abandonar a lógica insustentável que ainda prevalece, e trabalhar por uma mudança completa dos objetivos, dos valores e das economias.
Ponto de Ruptura
O consumismo nos levou a negar a própria vida: a dos vegetais, dos animais e de um grande número de seres humanos. A poluição, o aquecimento e a destruição dos espaços naturais levaram o mundo a um ponto de ruptura.
Por estas razões, além das sempre crescentes desigualdades sociais, parece-nos impensável “voltar ao normal”.
A transformação radical que se impõe – em todos os níveis – exige audácia e coragem. Ela não se dará sem um envolvimento maciço e resoluto. Quando agiremos? Essa é uma questão tanto de sobrevivência, quanto de dignidade e coerência.

Responder

todos em 19/05/2020 - 00h54 comentou:

Todas as pessoas não importam se são ciêntistas, politicos, ministros, advogados, juises, imprensa, OMS, ONU, militares… Se ficam passando o terror pra todo mundo pra ficar nessa paranóia de pandemia tendo como base apenas o achismo e não uma prova concreta daquilo que está escrevendo ou dizendo, são TERRORISTAS e tem que ser presos e condenados criminalmente como tal pela vida inteira atrás de uma grade e ficar mofando ali, tem de ter responsabilidade daquilo que falam, escrevem e divulgam.

“O direito de cada pessoa termina quando começa a da outra pessoa”

por exemplo

a mensagem “Cidade,estado tal pode ter mais vitimas do corona do que anunciado oficialmente”

a palavra “pode” é certeza ou incerteza?

Se não é certeza é achismo e não tem que passar a noticia, escrever, falar, divulgar…

Esses terroristas só causam esse caos a todos nós cidadãos, esses terroristas detonam a nossa economia, a nossa vida, e a nossa psique.

Cada pessoa é um cidadão não importa seu grau de estudo, profissão, se tem ou não poder de tomar decisões de aceitar perder direitos dados a nós pela natureza e não pelo homem, por causa de terroristas e prostitutas das informação e daquele que pagam mais.

Se eles se acham na capacidades de dicidirem por cada um de nós( o que acho improvável), também tem a capacidade de arcar com tudo, tudo mesmo, bens materiais e vidas.

Eles estão ganhando em cima Caos, detotando o nosso planeta, nosso país e nossas vidas.

Ovelhas e gado aceitam tudo numa boa, mas quando um leão abre a boca, toda rapoza, lobo e chupins saem correndo, porque se não são estraçalhados.

Não estou incentivando a violência, mas não podedemos aceitar eles vivendo numa boa, comendo do bem e do bom, tirando férias em suas casas e o resto que se dane nesse Caos se morreu, morreu.

Temos de dar um basta agora nesse assunto de corona virus de uma vez por todas, ninguém fala de Aids, de depressão, acidente de carro… todas elas matam igualzinho morte é morte, temos de nos cuidar sim como sempre fizemos nossa vida inteira, mas de cabeça erguida e não por imposição de ninguém.

Eu sei que muita gente está passando sufoco, nisso é calmo ninguém abre a boca pra tentar ajudar, mais não pode desistir, quatro coisas são essenciais na nossa vida (água,comida,calor, e nossa cabeça sã pra montar estratégias de curto e longo prazo), sem esses 4 ninguém sobrevive, então aprendam se não sabem a plantar e colher sua própria comida, a fazer seu fogão de lenha, e fazer estoque de agua e alimentos duráveis, e não só de alimentos que não dura nada.

Bem vou dar lista, pra quem precise ai cada procurem fazer a sua

Arroz, feijão,grãos, fubá, óleo, sal, farinha, acúcar, cloro (para limpar e desinfetar a água apenas 2 gotas por cada litro de água), papel higiênico, escova de dentes…

Todas pessoas são importantes e são uma só com Criação, respeitem a natureza , limpem e não degrade ela é sua casa, naõ espere outros fazerem, somos todas parte dela.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Kapital

Não é só a cerveja: o shoyu brasileiro também é feito de milho


No Brasil, ao contrário dos países asiáticos, o principal ingrediente do molho de soja vendido nos mercados é o milho

Politik

A mãe e a montanha


Aos três anos de idade, o mineiro Bernardo Collares Arantes conseguiu balançar o berço até poder descer, abriu a porta e fugiu para a rua. Moleque, gostava de subir pelas grades do edifício onde a…