Socialista Morena
Politik

Por que os “inimigos do crime” Bolsonaro e Moro nunca se empenharam no caso Marielle?

O presidente e seu ministro da Justiça deveriam ser os principais interessados em solucionar o crime, que prejudica a imagem do país

Bolsonaro, Moro e o general Heleno no lançamento da campanha publicitária do "pacote anticrime". Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
Cynara Menezes
31 de outubro de 2019, 17h36

Com o lema “bandido bom é bandido morto” sempre engatilhado, Jair Bolsonaro se apresentou ao país ao longo dos anos como um grande defensor da lei e da ordem. Em seu programa de governo, prometia “tolerância zero” com o crime. Deputado federal, Bolsonaro defendia abertamente que  “a Polícia Militar tem que matar é mais”. Na presidência, volta e meia se gaba nas redes sociais de estar “derrotando o crime”.

Seu ministro da Justiça, Sergio Moro, ganhou fama no país como justiceiro, ao liderar a operação Lava-Jato. Alçado ao governo com a vitória de Bolsonaro, cujo principal adversário prendeu, a meta prioritária de Moro é aprovar o “projeto anticrime”, que segundo ele irá “melhorar a qualidade de vida” dos cidadãos brasileiros, que desejam “viver em um país mais seguro” –embora especialistas em segurança pública digam que, na verdade, apenas contribuirá para aumentar o genocídio de jovens negros nas favelas ao dar aos policiais “licença para matar”.

Com tal currículo público de “inimigos do crime”, era de se esperar que Bolsonaro e Moro se empenhassem na solução do caso que mais causou repercussão internacional e danos à imagem do país nos últimos anos: o assassinato da vereadora Marielle Franco, do PSOL, do motorista Anderson Gomes, em março de 2018. Certo? Errado. Nem Moro nem Bolsonaro nunca se mostraram especialmente interessados em descobrir quem matou e quem mandou matar Marielle.

Era de se esperar que Bolsonaro e Moro se empenhassem na solução do caso que mais causou repercussão internacional e danos à imagem do país nos últimos anos: o assassinato de Marielle Franco e do motorista Anderson. Certo? Errado

Pelo contrário, durante a pré-campanha, Bolsonaro foi o único entre os 13 presidenciáveis que ignorou a morte bárbara da vereadora. Na primeira declaração que deu sobre o caso, um mês depois do assassinato, o então pré-candidato à presidência se mostrou cético em relação à elucidação do crime. “Se não tiver alguém denunciando e que tenha participado do evento, eu acho que dificilmente vai chegar a uma conclusão”, disse Bolsonaro, salientando suas diferenças ideológicas com a vereadora.

Se o candidato do PSL era lacônico, o mesmo não se pode dizer dos seus aliados, que foram flagrados em várias ocasiões atacando a memória de Marielle. Os futuros deputados Rodrigo Amorim (estadual) e Daniel Silveira (federal) foram fotografados rasgando uma placa em homenagem à vereadora. Uma desembargadora bolsonarista chegou a espalhar o boato de que a vereadora era “casada com um traficante”. Um assessor de Flávio Bolsonaro e o primo de Carluxo, Leo Índio, também debocharam de Marielle em redes sociais.

O primo de Carluxo zomba de Marielle. Foto: reprodução

Já presidente e entrevistado à época em que foram feitas as prisões de Élcio Queiroz e Ronnie Lessa, Bolsonaro se mostrou mais interessado em saber quem mandou matá-lo, em referência a Adélio Bispo (autor da facada que o levou à presidência), mesmo sabendo que o inquérito foi encerrado apontando não haver mandante algum e que o agressor tem problemas mentais.

Moro, por sua vez, pouco falou do assassinato de Marielle desde que foi designado para a Justiça. Na primeira entrevista coletiva ao ser nomeado, disse que ainda ia tomar pé do caso. “Não desconheço o problema que envolve o assassinato da ex-vereadora Marielle Franco e do sr. Anderson Gomes, acho que é um crime que tem que ser solucionado. Assumindo o ministério, pretendo me inteirar melhor dessas questões e ver o que é possível fazer no âmbito do ministério”, disse.

Entrevistado sobre as prisões de Élcio Queiroz e Ronnie Lessa, o presidente se mostrou mais interessado em saber quem mandou matá-lo, em referência a Adélio Bispo, mesmo sabendo que o inquérito foi encerrado apontando não haver mandante algum

Depois que assumiu, porém, Moro continuou a ser um homem de poucas palavras em relação ao crime, apesar da cobrança da Anistia Internacional, que coletou 800 mil assinaturas de cidadãos pedindo uma solução para o caso, e da Comissão Interamericana de Direitos Humanos por um desfecho. “O Estado tem a obrigação de garantir uma investigação completa, independente e imparcial sobre esses assassinatos. Instamos o Brasil a concluir a investigação o quanto antes, levando os responsáveis intelectuais e materiais à justiça e oferecendo reparação e indenização às famílias”, disseram especialistas da CIDH e da ONU.

Em março, quando completou um ano do crime e a prisão dos suspeitos Élcio Queiroz e Ronnie Lessa foi anunciada, o ministro soltou duas notas, através do perfil do ministério do twitter, dizendo que a Polícia Federal “tem contribuído e continuará contribuindo” para as investigações. No perfil pessoal de Moro no twitter, inaugurado em abril, nunca foi dita nenhuma palavra a respeito de Marielle Franco.

Em agosto, a viúva de Marielle, Monica Benício, se queixou em entrevista ao Correio Braziliense que o ministro da Justiça se recusava a recebê-la, diferentemente do antecessor, Raul Jungmann, no governo Temer. “Jungmann nunca deixou de me receber, sempre tive com ele um amplo diálogo a respeito das investigações, coisa que o atual ministro se recusa a fazer. Foram muitas tentativas para que me recebesse e conversássemos a respeito da investigação, que é de competência da Polícia Federal, sob comando do próprio Moro”, disse Monica. “Tentei contato por meio de assessores, mas nunca fui recebida.”

Há duas semanas o ministro da Justiça finalmente concordou em receber a viúva de Marielle, que lhe pediu justamente maior empenho. “Solicitei que ele desse mais peso político ao caso, manifestando publicamente sua preocupação com a não elucidação até agora e inserindo essa cobrança de forma permanente em sua agenda, uma vez que todos nós passamos vergonha após um ano e sete meses de um crime político dessa proporção não estar solucionado. Estou convencida de que é necessária uma cooperação mútua das autoridades”, afirmou.

A falta de empenho do governo Bolsonaro em cobrar a solução do assassinato contrasta com o aparente esforço em tentar apagar a imagem da vereadora da memória dos brasileiros. Em outubro, a revista Época revelou que a TV Brasil censurou um especial sobre Jackson do Pandeiro onde a imagem de Marielle aparecia durante 5 segundos, numa xilogravura, ao lado do homenageado. Duas semanas depois, a emissora pública exibiu no youtube outra versão do vídeo, sem a vereadora.

Por que tanta aversão da extrema direita a Marielle, mesmo depois de morta? Por que um governo que se diz tão comprometido com o combate ao crime nunca se mostrou seriamente empenhado em elucidar o assassinato da vereadora? Por que Bolsonaro e Moro, que se dizem “inimigos do crime” e “contra a impunidade”, não demonstram estar interessados em mandar os responsáveis para a cadeia? Não seria fundamental para dirimir as dúvidas em torno do fato de que um dos principais suspeitos é vizinho do presidente e que dois dos presos até agora, Élcio Queiroz e Josinaldo Lucas Freitas, aparecem em fotos com ele?

Josinaldo e Queiroz com Bolsonaro. Foto: reprodução

A impunidade no caso Marielle Franco só tem servido para desgastar a imagem do Brasil internacionalmente e para criar as mais variadas teorias sobre o crime –inclusive a de que as autoridades do país não cobram um desfecho do caso por ter algo a esconder.

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(4) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Pedro Gabriel Portugal Junior em 31/10/2019 - 18h05 comentou:

Muito bom artigo, como sempre, Cynara. Perfeito. São uns hipócritas que pousam de paladinos da ordem e da moralidade. A mim eles não enganam. Um destruiu as empreiteiras brasileiras bem como a indústria naval, milhões de trabalhadores ficaram desempregados, e o outro é um miliciano, deputado do baixo clero que foi alçado ao mais alto cargo do país por essa elite entreguista.

Responder

Mauro em 02/11/2019 - 18h13 comentou:

É uma boa questão. Era para o governo e as instituições estarem empenhados na elucidação desse crime, que é grave por si só, por ser um crime contra a vida, mas também um político.

Responder

Sônia em 06/11/2019 - 10h33 comentou:

por que uma vida é melhor q outra? Não vi tanta indignação e pujança qdo da morte de Celso Daniel e todos q com ele esteviram envolvidos de alguma maneira. Acaso a vida de Marielle tem mais importância de que outra? Claro q não. Espero q esse caso seja desvendado como também de outros, como do ex prefeito. Se deve haver justiça, que seja pra todos.

Responder

    Cynara Menezes em 07/11/2019 - 11h11 comentou:

    a diferença é que o caso celso daniel foi investigado, teve resultado. a teoria da conspiração da extrema direita é que não tem fim. talvez para fugir do assunto, que é a falta de empenho do governo que apoiam em elucidar o caso.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Eles não são cristãos: Jesus de Bolsonaro, Malafaia e companhia não existe nos evangelhos


Os fundamentalistas religiosos ao redor do candidato de extrema-direita seguem preceitos do Velho Testamento, não do Novo

Direitos Humanos

Bolsonaro diz saber quem matou pai do presidente da OAB, mas esconde há 45…


Presidente disse, sobre circunstâncias do desaparecimento de Fernando Santa Cruz pelo regime militar: "Um dia eu conto para ele"