Socialista Morena
Cultura

Assistam Aquarius: boicotar obras de arte em função de ideologia é atestado de burrice

  O cantor Chico Buarque é de esquerda. O cantor Lobão defende a tortura. O dramaturgo Nelson Rodrigues apoiou a ditadura militar. O dramaturgo Plinio Marcos foi perseguido pela ditadura. O poeta Ezra Pound era fascista. O poeta e dramaturgo Bertolt Brecht era comunista. O romancista Gabriel García Márquez era socialista. O romancista Mario Vargas-Llosa […]

Cynara Menezes
14 de setembro de 2016, 11h27

 

O cantor Chico Buarque é de esquerda.

O cantor Lobão defende a tortura.

O dramaturgo Nelson Rodrigues apoiou a ditadura militar.

O dramaturgo Plinio Marcos foi perseguido pela ditadura.

O poeta Ezra Pound era fascista.

O poeta e dramaturgo Bertolt Brecht era comunista.

O romancista Gabriel García Márquez era socialista.

O romancista Mario Vargas-Llosa é liberal.

O pintor Salvador Dalí era anticomunista.

O pintor Pablo Picasso era comunista.

O escritor Louis-Ferdinand Céline era antissemita.

O filósofo Walter Benjamin foi perseguido pelos nazistas.

O escritor Jorge Luis Borges apoiou a ditadura militar na Argentina.

O escritor Julio Cortázar foi contra a ditadura militar na Argentina.

O cineasta Kleber Mendonça Filho é de esquerda.

O cineasta José Padilha é antipetista.

A escritora Rachel de Queiroz apoiou o golpe de 1964.

O escritor Jorge Amado era comunista.

A pintora Frida Kahlo tinha a foice e martelo em sua armadura de gesso.

A cineasta Leni Riefenstahl era nazista.

O ator e diretor Clint Eastwood é reaça.

O roteirista Dalton Trumbo era comunista.

Um blogueiro da revista Veja que relativiza a ditadura militar resolveu propor em sua página o boicote da direita a Aquarius, do pernambucano Kleber Mendonça Filho, porque a equipe do filme se posicionou no festival de Cannes contra o golpe parlamentar que arrancou Dilma Rousseff da presidência. “Assim que o filme Aquarius, de Kleber Mendonça Filho, estrear no Brasil, as pessoas com vergonha na cara e amor à verdade têm uma obrigação: boicotá-lo”, escreveu o articulista do panfleto reacionário dos Civita. “O dever das pessoas de bem é boicotá-lo. Que os esquerdistas garantam a bilheteria.”

Para desespero do blogueiro reaça, a frase acabou sendo usada no cartaz do filme para promovê-lo, gerando nova onda de fúria. “O petralha de Aquarius resolveu usar meu nome para faturar uns trocados. Ou: não tomo o feijão do povo para financiar metáforas vagabundas”, rosnou o “colunista”, que já foi chamado pela ombudsman do próprio jornal onde também escreve, a Folha de S.Paulo, de rottweiler.

O que essa gente propõe? Que quem é de direita nunca mais ouça Chico Buarque? Que quem é de esquerda nunca mais leia Jorge Luis Borges? Que tenhamos de escolher entre Picasso e Dalí, entre García Márquez e Vargas Llosa, a depender de como pensamos politicamente? Boicotar obras de arte em função da posição ideológica dos autores é o maior atestado de burrice que um ser supostamente pensante pode dar. Sobretudo porque é impossível criticar sem assistir, ler ou ouvir a obra em questão. Como criticar Aquarius se você não viu?

Aquarius é um filme “de esquerda”? Não. É um filme, sem dúvida, contra a especulação imobiliária. Mas precisa ser de esquerda para se o opor à destruição das cidades onde vivemos para que meia dúzia de privilegiados nade em dinheiro? Acho que não. Além disso, Aquarius traz a musa do cinema brasileiro Sonia Braga em um dos grandes papéis de sua vida, terno, ao mesmo tempo suave e forte; é ainda uma história sobre maturidade e as escolhas que fazemos na vida. Um filme existencialista, isso sim. Pessoas de esquerda e direita deviam vê-lo. Ou não. Mas tirem a ideologia desta escolha.

O mais idiota desta história toda é que estes mesmos reaças que propõem boicotar uma obra de arte porque o diretor não comunga de suas opiniões politicamente costumam ridicularizar as pessoas que resolvem deixar de dar seu dinheiro a empresas que exploram os empregados, que produzem comida lixo ou que degradam o meio ambiente. Ou seja, boicotar filmes, livros e músicas é bacana. Boicotar empresas vagabundas, não. Dá para entender?

A proposta de boicote a Aquarius tem o mesmo DNA da estúpida ideia da Escola Sem Partido, que quer impedir os estudantes brasileiros de terem acesso ao conhecimento sobre o socialismo e até sobre Karl Marx. No fundo, o que essa direita pseudointelectual pretende é emburrecer os jovens e a sociedade como um todo. Querem que a capacidade de refletir e de se indignar dos cidadãos se perca. Subtrair conhecimento em vez de acrescentar não forma indivíduos pensantes, pelo contrário. Ainda mais quando se trata de arte.

É perfeitamente possível separar a arte da ideologia. Nos faz mais inteligentes enfrentar preconceitos para tentar entender o ponto de vista do outro, e então criticá-lo ou saudá-lo. Fugir do confronto é um sinal inequívoco de inferioridade intelectual. Por que o blogueiro de Veja teme Kleber Mendonça? Por que ele teme Aquarius? Me parece um atitude covarde propor que as pessoas deixem de assistir a um filme apenas por não concordar com o que seu diretor pensa. Covarde e burra.

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cultura

Dois espelhos onde se refletem Machado, Guimarães Rosa e também Freud


Ator Ney Piacentini encena em São Paulo monólogo a partir de contos "psicanalíticos" dos dois autores brasileiros

Cultura, Politik

Herberto Helder (1930-2015): o poema não é um objeto


Considerado o maior poeta português da atualidade, o madeirense Herberto Helder, morto aos 84 anos em Cascais, poderia ser ainda mais conhecido no mundo não fosse por uma característica singular: não dava entrevistas nem se…